Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência

Alckmin_Fora03

Em defesa das mobilizações populares.

Carlos Neder, via Viomundo

Causa preocupação a pesquisa Datafolha, que aponta o aumento da rejeição das pessoas pelas manifestações de rua. Para que não fique dúvida alguma, quero deixar claro que apoio as mobilizações, desde que realizadas de maneira pacífica.

A presença dos jovens nas discussões do dia a dia das cidades é bem-vinda e deve ser incentivada. Esse é o direito de exercer, de maneira ativa e plena, a cidadania. E serve também como um recado aos partidos, políticos e detentores de mandatos públicos de que é preciso encontrar outros mecanismos de se fazer política e agregar essas novas demandas sociais.

A participação popular na luta por melhorias na qualidade de vida sempre foi algo que defendi, desde os anos 70, quando ajudei a organizar movimentos de saúde em São Paulo. A reivindicação daquela época, por construção de unidades de saúde nas regiões periféricas da capital, ampliou-se nos dias atuais pelos direitos de cidadania e pela melhoria da qualidade dos serviços públicos.

Reforço que a mobilização das pessoas e sua organização por meio das redes sociais, movimentos e sindicatos é fundamental para criar e conquistar novos direitos.

Esse é o caso, por exemplo, dos trabalhadores das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) e das Faculdades de Tecnologia (Fatecs), que paralisaram suas atividades desde o dia 17 de fevereiro por conta da falta de interlocução do governo Alckmin.

A gestão do PSDB se comprometeu a apresentar aos funcionários dessas instituições um plano de carreira, a ser encaminhado para aprovação na Assembleia Legislativa.

Porém, até o momento, nada disso foi levado adiante. Dois anos depois, a paciência dos trabalhadores com a lentidão do governo estadual levou-os à greve.

O pior é que há suspeita de que essa demora seria intencional, com o objetivo de retirar direitos, como a licença-maternidade de 180 dias, assistência à saúde e vale-transporte.

Sem falar que os servidores continuam com seus salários defasados, sem possibilidade de conquistarem aumento real em seus vencimentos.

O descaso do governo Alckmin com as Fatecs e Etecs fica claro quando a única decisão autoritária tomada, ao invés de dialogar com os representantes da categoria, limita-se ao corte do ponto dos funcionários, logo no segundo dia de paralisação.

Espera-se que não utilize, mais uma vez, o assédio moral e a repressão policial para inibir a livre manifestação.

Essa postura demonstra o desrespeito da administração do PSDB com a sociedade civil organizada.

No caso, estamos falando de 213 Etecs espalhadas por 156 cidades e de 54 Fatecs localizadas em 53 municípios, que atendem a mais de 280 mil estudantes.

Daí que não é de estranhar a maneira como o governo estadual encara as mobilizações de rua, com agressão a manifestantes e jornalistas.

Aliás, essa parece ser a mesma lógica que permeia a relação com os trabalhadores estaduais e os serviços oferecidos à população.

Fica-se com a impressão de que a gestão Alckmin está mais próxima da tática equivocada de parte dos manifestantes, que é partir para o confronto violento sem diálogo.

Carlos Neder é deputado estadual do PT/SP.

***

Leia também:

Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos

Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin

Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin

Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin

Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações

Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia

Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64

Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira

O jovem velho que é a cara do PSDB

Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin

Endireita, São Paulo: O depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin

Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Tags: , , ,

2 Respostas to “Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência”

  1. Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  2. Carlos Says:

    Estará “alguém” usando – e abusando ? – de uma facção criminosa para se promover? Novamente?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: