Boa hora de a Dilma colocar em debate a democratização da mídia

Cuba_Medicos59_Ramona

O caso da médica cubana desertora do Mais Médicos, explorado pela imprensa, mas sem abalar o eleitorado.

Não se deseja uma imprensa “chapa branca”, mas é hora de rever a hegemonia da expressão de um pensamento único representando a minoria do poder econômico.

Helena Sthephanowitz, via RBA

Na semana passada, três pesquisas nacionais de intenção de voto para presidente da República nas eleições de 2014 foram publicadas. Com pequena variação nos números, todas apontam uma vitória com folga de Dilma Rousseff em primeiro turno.

Os números refletem um pouco o tom do noticiário. Baixo desemprego e inflação em queda sustentam os níveis de popularidade. A sensação de maior segurança no emprego e de preservação do poder de compra com a renda são percebidas no cotidiano da população, mesmo que esses assuntos da maior importância para a vida das pessoas tenham sido tratados com discrição pela chamada grande mídia.

A tentativa de desqualificar a presença de médicos cubanos no Programa Mais Médicos a partir da “deserção” de uma médica cubana não surtiu o efeito desejado pela oposição. Foi visto pela população como o caso isolado que foi e só chama a atenção para o sucesso e importância do programa como um todo.

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, durante protesto contra aumento da passagem de ônibus no Rio de Janeiro também ocupou intensamente o noticiário. Mas fez diminuir o apoio da população à manifestações, inclusive contra a Copa, pelos excessos.

O que bombou nos meios de comunicação foi a exploração política de um blecaute elétrico querendo forjar uma crise energética, as opiniões quase sempre negativas sobre números pinçados da economia que não correspondem ao conjunto da obra, a ênfase excessiva no atraso de algumas obras sem noticiar as que estão ficando prontas.

Houve também uma não notícia, que foi a escala em Lisboa de uma viagem presidencial, que ganhou grandes proporções. Críticas deturpadas sobre a geopolítica latino-americana na exportação de bens e serviços brasileiros para a construção do porto de Mariel, em Cuba, também foram alvo do noticiário que antecedeu as pesquisas divulgadas na semana passada.

A pauta negativa, quando deturpada, ou seja, sem refletir a importância real para o interesse público de cada notícia, indica que o governo perde a batalha da pauta do noticiário para a oposição partidária e midiática. Não se deseja uma hegemonia de uma imprensa “chapa branca” que seria até nociva para a depuração das instituições democráticas, mas também não há sentido haver uma hegemonia da expressão de um pensamento único representando a minoria do poder econômico com interesses contrariados pelo governo em detrimento dos grandes interesses populares.

Essa hegemonia da imprensa oligárquica tornou-se porta voz de um pensamento provinciano, não refletindo a nova dimensão, diversidade e complexidade da sociedade e da economia brasileira.

É verdade que na atual legislatura do Congresso Nacional não há apoio para uma reforma que democratize os meios de comunicação. Mesmo dentro da base governista, muitos parlamentares são donos ou ligados a emissoras de rádios, tevês, jornais e são avessos à mudanças. Ou temem ser retaliados no noticiário, se contrariarem os donos dos veículos.

Isso explica o governo Dilma, mesmo declarando reiteradas vezes ser favorável a um novo Marco Regulatório das Comunicações, não ter apresentado uma proposta de iniciativa do poder executivo. Afinal, mesmo que apresentasse um excelente projeto, perto de 80% dos parlamentares iriam descaracterizá-lo completamente com emendas ao gosto das atuais oligarquias midiáticas, tornando a iniciativa inócua.

Mas agora, ano eleitoral, quando por natureza há grandes debates, há a oportunidade para o governo também colocar em pauta propostas que levem a uma maior democratização dos meios de comunicação, independentemente da base de apoio no Congresso Nacional.

Nas próprias manifestações de rua, desde as jornadas de junho, os meios de comunicação oligárquicos sofreram severas críticas e entraram no rol dos alvos dos protestos. A democratização da mídia pode ganhar os corredores das faculdades e escolas técnicas, sobretudo nos cursos de comunicação social e multimídia, pela ampla oportunidade de aumentar a criação de empregos, com mais diversidade de veículos atuando.

Além disso, a própria mídia oligárquica terá assunto de verdade para fazer oposição ao governo, posicionando-se contra estas reformas democratizadoras, em vez de seus factoides no noticiário, tais como escalas técnicas do avião presidencial. Assim, inclusive, a coisa ficará mais clara, sobre os interesses que movem cada veículo de comunicação.

Certamente haverá um tensionamento inicial com os atuais donos da mídia, nada diferente do que interesses corporativos das associações médicas fizeram contra o Programa Mais Médicos. Mas fazendo a coisa certa, a população compreende e apoia, como aconteceu com o programa do Ministério da Saúde.

***

Leia também:

Em Cuba, Lula e Raul Castro consolidam o projeto de integração latino-americana

Boato coxinha: Tornozeleira de preso não será usada em médicos cubanos, mas sim em médicos de Minas

Quem vê cubanos como escravos nunca se indignou com escravos de verdade

Mauro Santayana: Pearl Harbor e Mariel

Dilma e o porto em Cuba: A diferença entre jornalismo e discurso panfletário

PSDB diz que é escândalo emprestar dinheiro a Cuba. Esqueceram de perguntar por que FHC emprestou

Vídeo: O diretor da Fiesp e por que o Brasil está certo ao investir em Cuba

Por que investir em Cuba? E na África e na América Latina? Não é caridade ideológica, é negócio

Beto Almeida: O porto de Mariel, Brasil, Cuba e o socialismo

Em Cuba, Dilma agradece por Mais Médicos e diz que bloqueio é injusto

Embaixada dos EUA ajudou cubanos a deixar o Mais Médicos

Mais Médicos: Evasão de brasileiros é 20 vezes maior que a de cubanos

CFM quer que cubanos “escravos” não atendam doentes e sirvam cafezinho

Ronaldo Caiado é agente de Fidel?

Cadê o Gilmar Mendes: Médica cubana está em apartamento da Câmara e recebe vaquinha do DEM

Você sabia que os EUA têm um programa para fazer médicos cubanos desertarem?

Caiu a máscara: Médica cubana montou farsa para encontrar namorado em Miami

Cubana usa Caiado para ir morar em Miami com o namorado

Máfia de branco cria site contra Mais Médicos

O salto no IDH das cidades e o Programa Mais Médicos

Em 2013, Mais Médicos atendeu 2.177 municípios em todas as unidades da federação

Porque o médico Juan Delgado é o homem do ano de 2013

Se ainda tinha algum, Veja perde o pudor e prega vaia contra cubanos

Dilma: Mais 23 milhões de brasileiros terão acesso ao Programa Mais Médicos

Por isso eles são contra o Mais Médicos: Marajás de jaleco

Por que os médicos cubanos são tão queridos?

Mais Médicos: Padilha peita presidente do Conselho Federal de Medicina

Quem não está acostumado, estranha: Pacientes se assustam com visita de médico cubano em casa

Primeiro médico cubano chegou em 1995 no interior de São Paulo

Coxinha preso por só bater ponto fazia campanha contra o Mais Médicos

Mais Médicos: Eduardo Campos é acometido de amnésia súbita

Dilma sanciona Mais Médicos e entrega registro a médico cubano

Dilma pede desculpas em nosso nome, doutor Juan

Pesquisa CNT: 74% da população é favorável a vinda de médicos estrangeiros

Entenda por que os médicos cubanos não são escravos

Médicos cubanos recebem flores um dia após as agressões

Paulo Moreira Leite: Quando os corvos vestem branco

Médicos cubanos: Quem são os responsáveis pelo corredor polonês em Fortaleza?

Quem são e o que pensam os médicos cubanos

Janio de Freitas: A reação aos médicos cubanos é doentia

Preconceito: Jornalista diz que médicas cubanas parecem “empregadas domésticas”

Vídeo: O dia que os médicos brasileiros envergonharam o País

Dez informações sobre a saúde e a medicina em Cuba

Médicos cubanos: Como se desmonta uma farsa de jaleco

Médicos cubanos: Os primeiros já chegaram ao Brasil

Médicos de Cuba, bienvenidos camaradas!

Vinda de médicos cubanos reforça ódio ideológico ao PT

Mais de 70% dos médicos cubanos vão para o Norte e Nordeste

Mais Médicos: Alheias ao embate ideológico, pequenas cidades comemoram vinda de médicos cubanos

Paulo Moreira Leite: O extremismo dos doutores

Eliane Brum: Ser doutor é mais fácil do que se tornar médico

Breno Altman: Conservadorismo de branco é atraso

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde

Queremos médicos suecos!

Carta para Micheline Borges, a jornalista preconceituosa

Ministério da Saúde chama de “xenofobia” protesto contra médicos no CE

Médicos brasileiros, o orgulho branco da nação

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

Médicos cubanos: Avança a integração da América Latina

Coxinhas de branco: A vergonha da nação

Conheça o médico cearense que liderou os xingamentos contra os cubanos

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

3 Respostas to “Boa hora de a Dilma colocar em debate a democratização da mídia”

  1. Teco Says:

    Dupla sertaneja. O Caiado e a Caída.

  2. Jésus Araujo Says:

    Como em tudo há sempre um lado bom, a AMB ganhou sua musa.

  3. pintobasto Says:

    Resumindo e concluindo, os urubus de fraque que pairam sobre o Planalto, estão cansados de fazerem vôos rasantes sobre o O.G.U. e pretendem agora a chave do cofre da União, mas como no voto nada conseguem, tumultuam para estabelecer a confusão e ao menor descuido um golpe de estado com arremedos de legalidade.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: