Manifestação tipo coxinha enfrenta rejeição popular

Black_Bloc21_ManifestacoesRJ

Miguel do Rosário, via Tijolaço

“Tantas você fez, que ela cansou…”, cantava Toquinho.

Chega a ser um pouco alarmante constatar isso, mas é o que aconteceu. Claro que foi potencializado pela histeria midiática dos últimos dias, mas já era uma tendência que vinha sendo detectada em pesquisas anteriores.

Os “protestos” no Rio se tornaram uma diversão para os ricos e sofrimento para os pobres. Os coxinhas, enfim, com suas atitudes irresponsáveis e violentas, com sua falta de pautas objetivas, com sua intransigência absoluta, conseguiram a proeza de fazer os pobres se voltarem contra as manifestações.

Agora é estatístico. Segundo o Datafolha, 51% da população do Rio que ganha até dois salários é contra protestos. Já entre o segmento mais rico, que ganha mais de dez salários, a situação é inversa: 71% é a favor.

Quando se mede por escolaridade, a disparidade é ainda mais gritante. Entre os que têm apenas ensino fundamental, 61% afirmaram ser contra protestos. Já entre a turma com ensino superior, a aprovação aos protestos é de 74%.

Por que isso? Não é tão difícil entender. Manifestações desorganizadas e totalmente indiferentes ao caos provocado na cidade afetam de maneira muito mais brutal os cidadãos mais humildes. Os ricos, sempre dão um jeito de se safar dos engarrafamentos. Assistem à tudo no conforto de seus apartamentos, na Globonews. Aliás, a Globo há meses passou a contar com o “globoninja”, que nada mais é do que um repórter disfarçado de mídianinja. Portanto, até esse lado realmente anárquico das manifestações, a presença de um novo tipo de midiativismo, foi incorporado pela grande imprensa.

Segundo a reportagem, 95% dos entrevistados afirmaram ser contra vandalismo e 90% reprovam o uso de máscaras. Os números comprovam, portanto, que foi exatamente a violência e a máscara, características eminentemente coxinha e Black Bloc, o que vem causando a erosão do apoio popular a manifestações.

Além disso, as pautas são vagas. Mesmo as manifestações contra o mais recente aumento da passagem no município me pareceram egoístas, porque fingiram não ver os avanços oferecidos pela prefeitura.

Na mesma decisão em que determinou o aumento das passagens, o prefeito Eduardo Paes finalmente aceitou uma demanda antiga do movimento estudantil: aumentou o passe livre. Os estudantes de ensino médio e fundamental, que tinham direito a 60 viagens gratuitas por mês, agora terão 76 viagens. A medida visa incluir o fim de semana, permitindo que os jovens passeiem pela cidade em seus dias livres.

Os estudantes universitários que participam de algum programa do governo federal, por sua vez, que já pagavam meia passagem, agora terão direito ao passe livre. Os universitários com renda familiar per capita de até um salário mínimo, agora também dispõem do benefício da gratuidade. A medida vale para estudantes tanto de universidades privadas como públicas.

A comprovação da renda familiar foi desburocratizada e poderá ser feito através de “autodeclaração” à prefeitura.

Essas medidas já estão valendo, e explicam em parte o esvaziamento das manifestações contra o aumento da passagem do ônibus, que foi de 9%, e o primeiro em dois anos, abaixo da inflação oficial (IPCA) no período, que foi de 11,63%. O ônibus no Rio agora é R$3,00.

Entretanto, acredito que os pobres cariocas tenham desenvolvido hostilidade a um tipo específico de protesto, intransigente, violento, desorganizado e difuso.

Protestos inteligentes, focados em pautas específicas, feitos com objetivo de obter mudanças concretas e que, portanto, incluam a disposição de dialogar com as forças políticas, estes nunca perderão o apoio popular.

***

Leia também:

Paulo Moreira Leite: Os provocadores de aluguel

White Blocs: A nova era da violência

Black Blocs: Quem é a face por trás das máscaras?

A DR entre o PSOL e Black Blocs ou a cara de pau de Raphael Tsavkko

Gilson Caroni Filho: A definição mais clara do Black Blocs

Coxinhas e “grande mídia” conseguiram: Black Blocs têm seu primeiro cadáver. E agora?

Black Blocs afirmam que são financiados por ONGs nacionais e estrangeiras

Tags: , ,

Uma resposta to “Manifestação tipo coxinha enfrenta rejeição popular”

  1. Manifestação tipo coxinha enfrenta rejeição popular | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: