A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin

Alckmin_Labios02

Vaca-amarela.

A partir de 27 de março, Alckmin poderá ser chamado Geraldo das Taxinhas.

Antônio de Souza Lopes da Silva, via Viomundo

A partir de 27 de março, os paulistas começam a pagar 27 novas taxas além do aumento em até 116% dos tributos cobrados pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran/SP), como o emplacamento de veículos.

Entra em vigor a Lei 15.266, sancionada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 27 de dezembro de 2013, que “dispõe sobre o tratamento tributário relativo às taxas no âmbito do Poder Executivo Estadual”.

Bem no final de 2013, Alckmin enviou às pressas à Assembleia Legislativa o projeto de lei nº 916/2013, que “dispõe sobre o tratamento tributário relativo às taxas no âmbito do Poder Executivo Estadual”.

Aqui, a lei prevê o valor das taxas em Ufesp – a Unidade Fiscal do Estado de São Paulo.

Ela é definida segundo a variação acumulada do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) da Universidade de São Paulo (USP).

Em 2014, esse reajuste ficará em 3,98%.

O que fez Alckmin? Ele aumentou o número de Ufesp por serviço.

Na segurança pública, criou 10 taxas novas, sendo várias para shows pirotécnicos e carros blindados.

A blindagem de veículos, devido ao crescimento do crime e da violência, cresceu 35% em 2013 no País. Segundo a Folha, foram blindados no Brasil 10 mil carros no ano passado, sendo 72% deles no Estado de São Paulo.

Ou seja, o governo paulista deve arrecadar por ano R$18 milhões a mais. Além disso, a taxa para policiamento de espetáculos artísticos e culturais subiu quase 10%.

Abaixo tabela das novas taxas para serviços de segurança pública.

Alckmin_Taxas01

Alckmin criou 17 novas taxas no Detran, entre as quais estas:

● Para funcionamento de estabelecimento que faz vistoria de identificação veicular ou inspeção de segurança veicular. Custará R$1.356,00.

● Para desmanche. Terá o valor de R$3.874,00.

● Estabelecimento que comercializa peças usadas de veículos automotores. Valor previsto de R$575,00.

● Preparação de leilão. Por veículo ou bem custará R$97,00.

Este quadro está detalhado na tabela abaixo.

Alckmin_Taxas02

O governo paulista também aumentará o valor de uma série de serviços, especialmente emplacamentos de veículos nas concessionárias.

No Detran, o emplacamento de veículos subirá de 8% a 46%, já nas concessionárias, de 84% a 133%.

Aliás, a maior parte dos cidadãos prefere emplacar veículos nas concessionárias para ter acesso imediato ao seguro e, assim, proteger seu bem do alto número de roubos de veículos. O estranho é que Alckmin, o responsável pela segurança do paulista, pune o cidadão que já não se sente protegido pela polícia.

Em 2012, de acordo com o site do Detran/SP, foram emplacados um pouco mais de 3 milhões de veículos. Em 2014, se for emplacado o mesmo número que em 2012, o governo paulista arrecadará R$336 milhões com a nova lei.

Qual o motivo do aumento dessas taxas e criação de outras?

É viabilizar a parceria público-privada (PPP) dos pátios veiculares.

As taxas são garantia para o concessionário privado, como revela a ata da reunião do programa estadual de parcerias público-privadas, realizada 7/11/2013.

O aumento abusivo no valor das taxas será para bancar o que o governo terá de pagar ao setor privado. Está na ata da mesma reunião:

Com respeito ao aspecto econômico-financeiro, os fluxos foram projetados para uma demanda estimada de 30 mil veículos/mês e resultaram numa contraprestação máxima anual de R$387,00 (trezentos e oitenta e sete) milhões, adotando-se os valores de taxas praticados hoje pelo DER.

A PPP dos pátios busca superar uma situação de total falta de padronização e irregularidades flagrantes no atual sistema.

O governo afirma que:

Alckmin_Taxas04

De 2010 a 2013, a receita de taxas cresceu 29%, alcançando o valor de R$4,3 bilhões.

As taxas da nova lei de Alckmin abrangem R$2,7 bilhões; a maior parte se refere aos serviços do Detran.

Alckmim_Taxa_Tributaria01

A elevação de, pelo menos, R$354 milhões por ano (aumento projetado das taxas de segurança pública e do Detran) penaliza o cidadão paulista e se mostra abusiva, visto que as taxas já são atualizadas anualmente pelo IPC da Fipe e tiveram crescimento expressivo, chegando em alguns casos a 116%.

Com esses aumentos exagerados de taxas e a criação de outras 27, o governador Alckmin, a partir de 27 de março, poderá ser chamado Geraldo das Taxinhas.

Detalhe: a grande imprensa, que deu manchetes contra o aumento do IPTU na cidade de São Paulo, praticamente está calada em relação ao aumento das taxas dos tucanos, que prejudica todo o povo paulista.

***

Leia também:

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Haddad não pode, mas Alckmin cria 17 novas taxas e aumenta outras em até 233%

Partido de Paulo Skaf ajuda Alckmin a criar e aumentar taxas

Tags: , ,

3 Respostas to “A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin”

  1. Bene Nadal Says:

    Por que será que o Estado de São Paulo, o mais rico da federação, está endividado, e sem capacidade de investimentos? Pergunte aos governos do PSDB, que você elegeu nos últimos 20 anos!!!

  2. Bene Nadal Says:

    Enquanto não aprovarmos uma “lei de meios”, vamos assistir a esse tipo de coisa, sem poder fazer muita coisa!!!

  3. A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: