Investigação seletiva: Por que o número de investigações do MP está batendo recordes no governo Haddad?

Ministerio_PublicoSP01

Joaquim de Carvalho, via Diário do Centro do Mundo

Em 2005, o Ministério Público do Estado de São Paulo enviou à prefeitura 147 requerimentos de informação, em média 12 a cada mês. De janeiro a setembro do ano passado – nove meses, portanto –, os promotores do Estado trabalharam bem mais nos assuntos relacionados à prefeitura paulistana. Foram 658 requerimentos, média mensal de 73 ofícios.

Uma diferença de 608%.

Em 2005, o prefeito era José Serra, do PSDB. Em 2013, Fernando Haddad, do PT. O levantamento foi realizado pela Secretaria de Governo da prefeitura, o órgão que tem entre suas atribuições responder aos requerimentos do MP.

A explosão de requerimentos no governo Haddad pode ser coincidência, mas vale a pena examinar alguns fatos recentes.

A denúncia de que o governo do Estado de São Paulo recebeu propina de empresas que têm contrato com o Metrô, a CPTM e a Cesp é antiga. Tem pelo menos seis anos. Mas ficou esquecida nos escaninhos do MP até que a Justiça da Suíça condenasse o ex-diretor de uma estatal paulista, e o caso ganhasse repercussão internacional.

Outro exemplo é o das enchentes. A chuva em São Paulo é um problema de séculos. Em 2003, no governo de Marta Suplicy, o Ministério Público abriu inquérito para apurar responsabilidades. A investigação ficou parada até a semana passada, quando a promotoria de habitação e urbanismo decidiu ir à Justiça para cobrar indenização.

Segundo o levantamento da prefeitura, o ímpeto investigativo do MP tem aumentado à medida que a administração se descola da órbita do governo do Estado.

Em 2006, quando assumiu no lugar de José Serra, que se candidatou a governador, Gilberto Kassab era um satélite do PSDB e foi pouco incomodado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo. Kassab teve de responder a apenas 177 requerimentos de informação, em média 14 por mês. Em 2007, 2008 e 2009, a média mensal oscilou entre 15 e 19 requerimentos.

Em 2010, quando Kassab já se aproximava do governo federal, a média aumentou para 25. Em 2011, a média foi de 34 e, em 2012, 42.

Com Haddad, o número de requerimentos explodiu. Quase dobrou. Foi a 73 requerimentos por mês.

Para efeito de comparação, a Secretaria de Governo levantou o número de requerimentos apresentados por outros órgãos de investigação. No caso do Ministério Público Federal, o número de requerimentos se mantém na média de dezpor ano.

O Ministério Público do Trabalho também investiga a prefeitura, mas o número de ações mudou pouco entre 2005 e 2013.

Tags: , , , ,

2 Respostas to “Investigação seletiva: Por que o número de investigações do MP está batendo recordes no governo Haddad?”

  1. Investigação seletiva: Por que o número de investigações do MP está batendo recordes no governo Haddad? | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  2. Jésus Araujo Says:

    Governo petista é assim. Por isto, os governos petistas não podem cair na ilusão de que, se os governos tucanos fizeram e nada aconteceu, eles poderão fazer da mesma forma, negociando com Marcos Valério, Daniel Dantas… Deu no que deu. O relatório do delegado Luís Flávio Zampronha, que o menino que salvou o Brasil escondeu, mostra isto. Os petistas têm de ser como a mulher de César.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: