Desigualdade escancarada: Demotucanos conseguem desmembrar o julgamento do trensalão

Bessinha_STF02

Ao contrário do que ocorreu na AP 470, tucanos conseguem desmembrar julgamento do propinoduto.

Paulo Moreira Leite em seu blog

Em agosto de 2012, no início do julgamento da Ação Penal 470, o advogado Márcio Thomaz Bastos colocou uma questão de ordem. Queria desmembrar o julgamento, separando os réus com direito a foro privilegiado – três deputados – e os demais 35, que teriam direito a serem examinados na 1ª instância. O pedido foi rejeitado por 9 a 2.

Na quarta-feira, dia 8, o ministro Marco Aurélio de Mello examinou a denúncia sobre o propinoduto tucano, que envolve corrupção nas obras do Metrô paulista. Marco Aurélio decidiu desmembrar o processo.

A decisão de quarta-feira não compromete a biografia de Marco Aurélio, que foi um dos dois votos a favor do desmembramento, em 2012. Mas mostra que a noção de que o STF iria “mudar a história” ao fazer o “julgamento do século” e “acabar com a impunidade dos poderosos” está longe de corresponder a realidade. Não fez jurisprudência nem no STF, pelo visto.

Em agosto de 2012, o Supremo já havia desmembrado o mensalão do PSDB/MG, decisão tomada antes de negar a mesma medida na AP 470. Repetiu a prática, agora, com os tucanos de São Paulo.

Encarregado de julgar o mensalão do DEM/DF e seus parlamentares filmados quando recebiam dinheiro na meia, em saco de supermercado e sacola de feira, o STJ também desmembrou. Ou seja: sequer no plano das aparências é possível dizer que se oferece um tratamento igual para situações iguais. “Dois pesos, dois mensalões”, escreveu Janio de Freitas, em 2012.

Em 3 de agosto de 2012, escrevi neste espaço: “O julgamento continua. Mas essa decisão [o não-desmembramento], tão diferente para situações tão parecidas, vai gerar muita polêmica, estejam certos.”

Um ano e meio depois, descobre-se que uma decisão crucial da AP 470, que determinou vários de seus desdobramentos, não será seguida mais uma vez.

Imagine: com o desmembramento, réus como José Dirceu, Delúbio Soares e 32 outros acusados muito possivelmente sequer teriam sido julgados até agora, como acontece com os réus do mensalão PSDB/MG, que envolvem crimes cometidos seis anos antes dos casos denunciados na AP 470 e ninguém sabe quando irão receber a sentença em definitivo.

Mesmo que isso tivesse ocorrido, eles teriam direito a um segundo julgamento, por outra corte de Justiça. Em vez disso, em casos especialíssimos, têm direito a uma revisão limitada e pontual, com várias condicionantes, pelo mesmo tribunal.

Em 2012, o simples voto a favor do desmembramento provocou mal-estar no plenário do STF. Quando Ricardo Lewandowski votou a favor do pedido, Joaquim Barbosa fez uma intervenção agressiva: “Me causa espécie que tratemos dessa questão agora. Isso é deslealdade”. O revisor retrucou: “Me causa espécie que sua excelência queira impedir que eu me manifeste.”

Ao votar contra o pedido de desmembramento feito na Ação Penal 470, o ministro Gilmar Mendes alegou que, se o caso não estivesse no Supremo, o processo prescreveria. Vamos ler o que disse: “Esse processo só está chegando a seu termo porque ficou concentrado no Supremo Tribunal Federal”, disse. “Se estivesse espalhado por aí, o seu destino era a prescrição.”

Desmembramento é igual a prescrição na opinião de Gilmar Mendes, se entendi bem. E agora?

Sou favorável ao desmembramento. Não só pelo princípio de que deve-se garantir tratamentos iguais a cidadãos acusados de crimes iguais, mas porque a Constituição define assim. Quem tiver alguma dúvida sobre a incompetência do STF para julgar réus que não possuem o foro privilegiado, só precisa digitar o nome de Dalmo Dallari na internet para ter uma aula irretocável sobre o assunto.

***

Leia também:

Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações

Trensalão: Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal

Trensalão tucano: Brasil aguarda US$166 milhões bloqueados na Suíça

Trensalão: Arquivo da Alstom desemboca em tucanos de alta plumagem

Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrpção no governo Alckmin

Trensalão tucano: PSDB barra investigação sobre cartel na Assembleia

Trensalão tucano e o risco de prescrição do crime

Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin

No STF, o trensalão tucano caiu nas mãos da ministra Rosa Weber, a que condenou José Dirceu sem provas

MP aponta superfaturamento de quase R$1 bilhão em reforma de trens do Metrô

Será que o trensalão paulista pode descarrilar para Minas?

Trensalão tucano: Investigação aponta superfaturamento de R$1 bilhão em reforma do Metrô

Trensalão tucano: Condenado por propina na Suíça fez doações ao PSDB

Janio de Freitas: Esconde-esconde

Trensalão tucano: A opinião pública e o efeito manada

PSDB faz até “showzinho” para abafar o propinoduto tucano

Trensalão tucano: Homem-bomba do PSDB/SP operou R$28 milhões na Suíça

Trensalão tucano: Cade e a cortina de fumaça

Trensalão tucano: Corrupção em dose dupla

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Lobista tucano aparece como novo suspeito no escândalo da Siemens

PF entra no trilho do trensalão tucano

Por onde andou o dinheiro do trensalão tucano

Trensalão tucano: Descoberta a conta secreta do propinoduto na Suíça

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Saiba o nome dos deputados paulistas que foram contra a CPI da Corrupção

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Todos os homens do propinoduto tucano

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Serra conseguiu fazer o que a oposição não conseguia: Destruir o PSDB paulista

Prestes a descarrilar, mídia golpista começa a abandonar o trensalão tucano

Denúncias do cartel do Metrô em São Paulo resgatam conexão Serra–Arruda

Trensalão tucano: E eles ainda dizem que não sabem de nada

Trensalão tucano: Estudante de Berkeley fura jornais brasileiros

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Denúncias do trensalão tucano têm de acabar antes das eleições de 2014, diz cardeal do PSDB

Agora vai: Desesperados com o trensalão, PSDB pensa em lançar a chapa FHC–Aécio

Antes tarde do que mais tarde: MPF investigará trensalão tucano

“Política da propina” pagou R$3milhões, apontam inquéritos

Corrupto processa corruptor: O circo tucano

Mídia e trensalão tucano: Como servir a Deus sem trair o Diabo

As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana

Trensalão tucano: Se cuida FHC, o MP vai investigar sua eleição

A CPTM virou balcão de negócios do governo tucano

MPF engavetou todas as ações contra os tucanos

Trensalão: Tucanos não querem CPI da Corrupção

Carlos Neder: A falsidade da gestão e da propaganda tucana

Domínio do fato no julgamento dos outros é refresco

Trensalão tucano em 5 passos

E o que fala Arnaldo Jabor sobre o trensalão tucano?

Carta revela envolvimento de tucanos em esquema pesado de corrupção

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

MP/SP pede reforço da Alemanha para resolver caso do trensalão tucano

Propinoduto tucano: O trem pagador

Trensalão: Os executivos fichas-sujas do tucanato paulista

Trensalão tucano: Suíça descobre propina de 800 mil euros no caso Alstom

“Falha administrativa” faz justiça suíça desistir de investigar suspeitos de propinas em São Paulo

Até “calunista” tucano afirma que trensalão ultrapassa de longe “mensalão”

MPF abre investigação sobre “falha” em apuração do trensalão tucano

Trensalão tucano: Com ajuda de lobista, Alstom atingiu 100% da meta de negócios em São Paulo

Até tu, Otavinho: O trem tucano

Trensalão: Como o Ministério Público protegeu os tucanos

Trensalão: Governo federal cobrou de Rodrigo de Grandis apoio à investigação suíça

Seus problemas acabaram: Filie-se ao PSDB

Trensalão tucano: Justiça ironiza Alckmin e manda reabri caso Siemens

Trensalão: Após afastamento do engavetador Rodrigo de Grandis, justiça chega aos homens do propinoduto tucano

Trensalão tucano: Investigações sobre propinoduto avançam com delações em série

Júri tucano derruba matéria do trensalão do Prêmio Esso de Jornalismo

Rodrigo De Grandis, o procurador muy amigo

Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos

Trensalão: Ex-diretor da Siemens aponta caixa 2 de PSDB/DEM e cita membros da cúpula tucana

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

5 Respostas to “Desigualdade escancarada: Demotucanos conseguem desmembrar o julgamento do trensalão”

  1. pintobasto Says:

    Está mais que provado que o tal de mensalão, a AP 470, foi uma manobra política para ferir o governo e o PT, condenando seus mais importantes membros a exageradas penas de prisão por crime que não foi provado e pior, num processo do qual foram subtraídas provas da inocência dos acusados por desvio de dinheiro público. Um julgamento que terá de ser anulado e responsabilizado seu relator, o Quinzão Barbosa, uma espécie de Extterminador da Razão, um embrulhão a soldo e galã de meia tigela. Agora vai dançar e bonitinho!

  2. Mineira consciente Says:

    Judiciário do Brasil, VERGONHA NACIONAL.

  3. Desigualdade escancarada: Demotucanos conseguem desmembrar o julgamento do trensalão | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  4. anisioluiz2008 Says:

    Reblogged this on O LADO ESCURO DA LUA.

  5. anisioluiz2008 Says:

    Reblogged this on O LADO ESCURO DA LUA.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: