Trensalão tucano: Brasil aguarda US$166 milhões bloqueados na Suíça

Metro_Siemens114

As investigações avançam no caso de corrupção envolvendo as empresas Alstom e Siemens e funcionários públicos do governo paulista, graças a documentos enviados pela Suíça.

Maurício Thuswohl, via SwissInfo

De acordo com os documentos enviados pela Justiça suíça, entre 1999 e 2003 o lobista Arthur Gomes Teixeira, que atuava para as duas empresas, depositou em uma conta numerada do banco Crédit Suisse US$836 mil que foram sacados em uma agência de Genebra pelo então diretor da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), João Roberto Zaniboni. Esse dinheiro, segundo as investigações conduzidas pelo Ministério Público, seria o pagamento de propina pela realização de obras públicas superfaturadas nas áreas de transportes e energia.

A estreita colaboração entre as autoridades suíças e brasileiras na repatriação de ativos que foram desviados do Brasil em casos de corrupção ou similares e acabaram indo parar em contas na Suíça é bem recebida nos dois países. Em um momento onde as relações bilaterais se renovam e se intensificam em diversas frentes, o objetivo é superar uma antiga realidade onde a Suíça aparecia como destino seguro para dinheiro de origem duvidosa oriundo do Brasil. Para se ter uma ideia, a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ) brasileira afirma que, com o montante hoje estimado em US$166.007.934,68, a Suíça é o país onde se encontra o maior volume de ativos brasileiros que foram desviados ou transferidos de forma ilícita e que aguardam apenas uma decisão judicial final para serem repatriados.

O resultado mais emblemático dessa nova fase de cooperação entre os poderes judiciários do Brasil e da Suíça foi anunciado em julho, com a repatriação de US$4,7 milhões que haviam sido desviados das obras de construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. O desvio, ocorrido no início da década de 1990, foi organizado pelo então juiz Nicolau dos Santos Neto – que se tornou célebre entre os brasileiros como Juiz Lalau – e pelo ex-senador Luiz Estevão e o dinheiro estava bloqueado em contas na Suíça desde que o escândalo veio à tona.

Cooperação jurídica

A cooperação entre os dois países é festejada pelo secretário nacional de Justiça do Brasil, Paulo Abrão: “Nós temos feito um trabalho muito estreito de cooperação jurídica internacional com os países que colaboram com essa busca de ativos oriundos de recursos jurídicos e, especialmente com a Suíça, esse diálogo tem sido muito próximo, muito atencioso. Afinal de contas, a Suíça é o país no qual existe a maior quantidade de ativos brasileiros com origem supostamente ilícita, algo em torno de US$166 milhões, hoje definitivamente bloqueados em nosso pedido”, diz.

A percepção positiva da parceria entre Suíça e Brasil é compartilhada pelas autoridades em Berna: “A Suíça está feliz em contribuir para esse retorno de fundos e saúda a boa cooperação com as autoridades brasileiras. A Suíça está persuadida que a colaboração judiciária internacional entre os dois países, já reforçada por um tratado bilateral, prosseguirá e continuará a produzir seus efeitos benéficos”, diz Folco Galli, chefe de Informação da Secretaria Federal de Justiça da Suíça.

Galli lembrou a importância que o governo suíço dá à luta contra a corrupção em todo o mundo: “Por sua política proativa de restituição de posses ilícitas, a Suíça está posicionada como líder nesse domínio. Ao longo dos últimos 15 anos, a Suíça restituiu a diversos países algo perto de CHF 1,7 bilhão, montante muito mais elevado do que qualquer outra praça financeira”, diz.

Intercâmbio

Nos próximos meses, uma força-tarefa composta por integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público Estadual irá à Suíça para obter in loco novas informações sobre o suposto pagamento de propinas envolvendo funcionários e autoridades do governo de São Paulo. Antes da visita, no entanto, documentos como extratos bancários, entre outros, podem circular entre os dois países graças ao Acordo de Cooperação Mútua Internacional que, entre outras coisas, dispensa a expedição de cartas rogatórias oficiais entre os poderes judiciários de Brasil e Suíça.

A possibilidade de ida à Suíça e de contato direto com as autoridades locais também é saudada por Paulo Abrão: “Eu estive pessoalmente na Suíça há um ano e meio para uma reunião com uma autoridade federal e nós estabelecemos um regime de aproximação e colaboração. Isso tem sido muito produtivo, e os primeiros resultados já foram colhidos com esse montante de US$4,7 milhões recentemente repatriado no caso do TRT de São Paulo”, diz. Sobre o futuro da cooperação, o secretário nacional de Justiça do Brasil se revela otimista: “Esse diálogo com a Suíça tem sido permanente”.

Segundo o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça, o montante das movimentações financeiras investigadas atinge no Brasil R$11 bilhões. Nos últimos dez anos, no entanto, somente R$40 milhões foram de fato repatriados pelas autoridades brasileiras. A SNJ espera que nos próximos meses outros R$300 milhões retornem ao Brasil: “A corrupção é a principal inimiga da democracia”, diz Abrão.

***

Leia também:

Trensalão: Arquivo da Alstom desemboca em tucanos de alta plumagem

Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrpção no governo Alckmin

Trensalão tucano: PSDB barra investigação sobre cartel na Assembleia

Trensalão tucano e o risco de prescrição do crime

Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin

No STF, o trensalão tucano caiu nas mãos da ministra Rosa Weber, a que condenou José Dirceu sem provas

MP aponta superfaturamento de quase R$1 bilhão em reforma de trens do Metrô

Será que o trensalão paulista pode descarrilar para Minas?

Trensalão tucano: Investigação aponta superfaturamento de R$1 bilhão em reforma do Metrô

Trensalão tucano: Condenado por propina na Suíça fez doações ao PSDB

Janio de Freitas: Esconde-esconde

Trensalão tucano: A opinião pública e o efeito manada

PSDB faz até “showzinho” para abafar o propinoduto tucano

Trensalão tucano: Homem-bomba do PSDB/SP operou R$28 milhões na Suíça

Trensalão tucano: Cade e a cortina de fumaça

Trensalão tucano: Corrupção em dose dupla

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Lobista tucano aparece como novo suspeito no escândalo da Siemens

PF entra no trilho do trensalão tucano

Por onde andou o dinheiro do trensalão tucano

Trensalão tucano: Descoberta a conta secreta do propinoduto na Suíça

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Saiba o nome dos deputados paulistas que foram contra a CPI da Corrupção

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Todos os homens do propinoduto tucano

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Serra conseguiu fazer o que a oposição não conseguia: Destruir o PSDB paulista

Prestes a descarrilar, mídia golpista começa a abandonar o trensalão tucano

Denúncias do cartel do Metrô em São Paulo resgatam conexão Serra–Arruda

Trensalão tucano: E eles ainda dizem que não sabem de nada

Trensalão tucano: Estudante de Berkeley fura jornais brasileiros

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Denúncias do trensalão tucano têm de acabar antes das eleições de 2014, diz cardeal do PSDB

Agora vai: Desesperados com o trensalão, PSDB pensa em lançar a chapa FHC–Aécio

Antes tarde do que mais tarde: MPF investigará trensalão tucano

“Política da propina” pagou R$3milhões, apontam inquéritos

Corrupto processa corruptor: O circo tucano

Mídia e trensalão tucano: Como servir a Deus sem trair o Diabo

As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana

Trensalão tucano: Se cuida FHC, o MP vai investigar sua eleição

A CPTM virou balcão de negócios do governo tucano

MPF engavetou todas as ações contra os tucanos

Trensalão: Tucanos não querem CPI da Corrupção

Carlos Neder: A falsidade da gestão e da propaganda tucana

Domínio do fato no julgamento dos outros é refresco

Trensalão tucano em 5 passos

E o que fala Arnaldo Jabor sobre o trensalão tucano?

Carta revela envolvimento de tucanos em esquema pesado de corrupção

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

MP/SP pede reforço da Alemanha para resolver caso do trensalão tucano

Propinoduto tucano: O trem pagador

Trensalão: Os executivos fichas-sujas do tucanato paulista

Trensalão tucano: Suíça descobre propina de 800 mil euros no caso Alstom

“Falha administrativa” faz justiça suíça desistir de investigar suspeitos de propinas em São Paulo

Até “calunista” tucano afirma que trensalão ultrapassa de longe “mensalão”

MPF abre investigação sobre “falha” em apuração do trensalão tucano

Trensalão tucano: Com ajuda de lobista, Alstom atingiu 100% da meta de negócios em São Paulo

Até tu, Otavinho: O trem tucano

Trensalão: Como o Ministério Público protegeu os tucanos

Trensalão: Governo federal cobrou de Rodrigo de Grandis apoio à investigação suíça

Seus problemas acabaram: Filie-se ao PSDB

Trensalão tucano: Justiça ironiza Alckmin e manda reabri caso Siemens

Trensalão: Após afastamento do engavetador Rodrigo de Grandis, justiça chega aos homens do propinoduto tucano

Trensalão tucano: Investigações sobre propinoduto avançam com delações em série

Júri tucano derruba matéria do trensalão do Prêmio Esso de Jornalismo

Rodrigo De Grandis, o procurador muy amigo

Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos

Trensalão: Ex-diretor da Siemens aponta caixa 2 de PSDB/DEM e cita membros da cúpula tucana

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Trensalão tucano: Brasil aguarda US$166 milhões bloqueados na Suíça”

  1. Teco Says:

    Ronald Biggs foi cremado hoje, sem honras e sem discursos,
    como precursor,sempre achegado a de trens. Bem que
    poderiam colocar o seu nome em alguma linha de metrô em SP.

  2. Trensalão tucano: Brasil aguarda US$166 milhões bloqueados na Suíça | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: