Wálter Maierovitch: De Escobar aos Perrella

Zeze_Perrella28_Pablo_Escobar

A polícia foi mais ligeira em negar a participação da família de políticos do que em achar o traficante.

Wálter Maierovitch, via CartaCapital em 28/12/2013

Em 2 de dezembro, uma romaria de colombianos visitou, em razão do 20º aniversário de sua morte, o túmulo de Pablo Emilio Escobar Gaviria no cemitério dos Jardines Monte Sacro. Nascido em 1949, Escobar era carinhosamente chamado pelos colombianos pobres de “El Patrón”, e isso por ter, com o tráfico de cocaína operado pelo seu Cartel de Medellín, aberto 3 milhões de postos de trabalho, diretos e indiretos.

Fora isso, Escobar, considerado o maior traficante de cocaína andina de todos os tempos, realizou intensa e interesseira atividade assistencial aos carentes. Inspirado na lógica dopanem et circenses, ganhou fama de mecenas ao comprar passes de jogadores de futebol, como bem sabem os torcedores do Independiente de Medellín e do Atlético Nacional. Assim, provocava os traficantes rivais, Rodríguez Gacha, padrinho do Millonarios de Bogotá, e os irmãos Rodríguez Orejuela, donos do América de Cali. A propósito, todos eles inflacionavam o mercado da bola e dele se aproveitavam para lavar seus narcodólares.

Além de construir um presídio de luxo para uso próprio e fingir que cumpria pena reclusiva, quando sua meta era evitar a extradição para os EUA, o megatraficante Pablo Escobar montou um gigantesco e moderno centro de refino da pasta-base de coca peruana: refinava 5 mil quilos semanais da droga, como diz Luís Cañón na clássica obra: El Patrón, Vida y Muerte de Pablo Escobar.

Para os colombianos, a refinaria ficava em um lugar apelidado de Tranquilândia, pois a corrupta polícia não incomodava El Patrón. Quanto ao presídio luxuoso e de onde entrava e saía sem problemas, ganhou o significativo designativo de La Catedral, ou seja, o templo de Escobar. Com as atividades ilegais de Escobar, a Colômbia, que até então pouco contava no tráfico internacional, tomou em importância o lugar do Peru.

A marcante “jogada” de Escobar consistiu em comprar uma empresa de aviação civil, a “Servicios Aeroejecutivo de Aviación”, logo apelidada de “El Expreso de la Cocaína”. Sem nenhum helicóptero e com cerca de duas dezenas de pequenos aviões tipos Cessna e Turbo Commander, a empresa não só fazia o transporte da pasta-base do Peru, mas era eficaz, com reabastecimento nas Bahamas, no envio da cocaína em pó para os EUA, com desembarque da droga na Flórida.

Com os desmontes dos megacartéis de Medellín e Cali, a morte de Escobar, as prisões dos irmãos Orejuela e as delações premiadas nos EUA dos irmãos Ochoa, a indústria da cocaína andina sofreu mudanças. No mundo da droga, nenhum grande traficante internacional possui mais uma empresa aérea. Eles preferem terceirizar o transporte e fretar helicópteros, a exemplo do que fazem com as “mulas” humanas. No fundo, mudanças geoestratégicas, com uso maior do sistema bancário e financeiro internacional e a transformar Estados nacionais em narcodependentes, ou melhor, com o PIB a depender também do mercado das drogas proibidas.

Na Colômbia, os traficantes de cocaína andina trocaram os megacartéis pelos “cartelitos”, com estruturas enxutas, ágeis e atuação em rede planetária. Com a terceirização do transporte, as polícias encontram dificuldades na identificação dos mandantes e na prova de se ter agido com dolo no fretamento. Os donos dos helicópteros e aviões, por exemplo, repetem não saber de nada. Como regra, o piloto flagrado no transporte é poupado pelos patrões e, dessa maneira, abre-se espaço para declarar desconhecimento da mercadoria do fretamento.

O helicóptero da empresa familiar dos Perrella, pai senador e ex-presidente do Cruzeiro, e o rebento deputado estadual em Minas Gerais, transportava quase meia tonelada de cocaína. Pelo noticiado, até verba pública já serviu para abastecer esse helicóptero. A carga ilegal de cocaína restou apreendida em 24 de novembro passado, após aterrissagem do helicóptero no Espírito Santo, proveniente do Paraguai. Nesta semana, vazou a informação de as investigações policiais, em inquérito, terem concluído pela não responsabilização criminal dos dois Perrella parlamentares. A propósito, ainda não se sabe qual será a reação do representante do Ministério Público sobre essa apuração a envolver Zezé e Gustavo Perrella.

No caso, está claro ter a polícia trabalhado com mais velocidade na apuração de eventual participação criminosa dos Perrella do que na identificação do traficante, ainda um desconhecido. Pelo que se imagina, a cocaína apreendida seria vendida no Brasil. Num pano rápido, pelo menos a “culpa in vigilando” prevalece. Além do odor de cocaína nos Perrella.

Leia também:
Luciana Genro diz que Perrella foi blindado pela “grande mídia” no caso do “helicoca”
Recordar é viver: Zezé Perrella, a cocaína e o sobrenome roubado
A história do helipóptero do Perrella não terminou
Perrella/Aécio × Indonésia/Rodrigo Gularte
Zezé Perrella é acusado de receber R$1,3 milhão indevidamente
Consumo de cocaína no Brasil é quatro vezes superior à média mundial
Piloto do helipóptero de Perrella está livre e dando aulas em São Paulo
Helipóptero do Perrella: Justiça manda soltar piloto que transportou 500kg de cocaína
Se o apartamento de Zezé Perrella em Brasília falasse
Do helicóptero dos Perrella à casa de Genoíno: A mídia brasileira como ela é
Família Perrella indica: Para animar seu Carnaval, o Baile do Pó Royal
R$14,5 milhões: O rombo dos Perrella em Minas é troco para a família
Tipo Al Capone: Perrella escapou do pó branco, mas foi pego no feijão preto
Do helicóptero dos Perrella à casa de Genoíno: A mídia brasileira como ela é
“Helipóptero” de Perrella será usado pelo governo do Espírito Santo. Mas de quem é a cocaína?
Polícia sempre atenta: Perrella, dono do “helipóptero” terá sigilos quebrados se STF concordar
Onde foi para o helicóptero com cocaína dos Perrella?
Farinha do mesmo saco: De Escobar aos Perrella
Dono do helicóptero do pó ganhou 3 contratos sem licitação de Aécio Neves
No Brasil, tudo vira pó
Narcotráfico mineiro: Aécio não vê vínculo entre deputado e helicóptero com cocaína
O legado da família Perrella para o futebol e para a sociedade mineira
Helicóptero do pó voava movido a dinheiro público
O tratamento privilegiado dado pela mídia a Aécio no caso dos Perrellas
Narcotráfico mineiro: Combustível de helicóptero é custeado pela Assembleia de Minas
Polícia apreende helicóptero de filho de Zezé Perrella com quase meia tonelada de cocaína
Meia tonelada de cocaína: Advogado do piloto do helicóptero detido desmente Perrella
Polícia sempre atenta: Perrella, dono do helipóptero, terá sigilos quebrados se STF concordar

Tags: , , , , , , , ,

9 Respostas to “Wálter Maierovitch: De Escobar aos Perrella”

  1. Robson Roberto da Silva Says:

    Cade os 450kg de cocaina do Helicoca???? https://www.youtube.com/watch?v=JddP5krkfOY

  2. Marcos Ferreira Pinto Basto Says:

    ZENIO tu és um gênio e mereces ser incluído na lista:PPPPZ!

  3. Targino Silva Says:

    Quando estive na Colômbia em 1998 eu ouvi colombiano dizer que traficantes geravam empregos na construção civil.

  4. pintobasto Says:

    Ainda vão acabar postando que Lula é o dono do pó!

  5. ZENIO SILVA Says:

    Faltou um P, o de Petista! Nossa justiça é P, P, P e P (Preto, pobre, puta e petista!).

  6. pintobasto Says:

    Certamente que o piloto vai pagar o pato e muito caro porque o matam como queima de arquivo.

  7. Gustavo Lages Says:

    em 2000, um professor de direito processual penal escreveu um artigo criticando a justiça brasileira intitulado Justiça PPP: para pobre, preto e puta; depois dessa, devemos incluir mais um P: de piloto.

  8. Mineira consciente Says:

    A mídia golpista dorme em berço esplêndido nesta hora.

  9. pintobasto Says:

    Chamem o Joaquim Barbosa que ele resolve na hora a questão da cocaína no helicóptero dos Perrella.
    Se o helicóptero é dos Perrella e foi apreendido com cocaína, os donos da nave deveriam ter sido detidos imediatamente para serem investigados e indiciados por tráfico de drogas.Nada disso aconteceu? Porque houve ingerência na polícia. Lógico que o grande pilantrão do Perrella é o dono da cocaína, mas como tem grandes amigos e sócios como o Aécio Neves, nada lhe vem acontecendo, por enquanto, mas uma hora vai estourar a verdade e cair a máscara de muito boa gente.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: