José Genoíno e a dignidade dos que não se curvam

Genoino43_FB

Maria Luiza Tonelli

Quando foi aberto o processo de cassação do mandato de José Dirceu, após as denúncias de Roberto Jefferson, muitos o aconselharam a renunciar ao mandato de deputado. José Dirceu disse que jamais renunciaria, pois seria o mesmo que assumir a culpa num crime que não havia cometido.

Dirceu, por ser um tipo de homem que prefere cair de pé do que morrer ajoelhado, enfrentou de cabeça erguida seu processo de cassação, pois dizia que iria provar sua inocência. Infelizmente não foi o que aconteceu. A suprema corte de justiça do País conseguiu o ineditismo de condenar alguém em uma ação penal sem prova alguma ao inverter a Teoria do Domínio do Fato num vergonhoso casuísmo. Se isso constitui uma prova, a verdade é que se trata ou de uma prova incompetência jurídica ou de um julgamento político e de exceção.

Junto com Dirceu e outros, José Genoíno foi condenado simplesmente por ter assinado contratos de empréstimos, registrados no TSE, e devidamente quitados, na condição de presidente do Partido dos Trabalhadores. Quem quer que fosse o presidente do PT na época estaria hoje em seu lugar. Até Olívio Dutra. A menos que não confiasse nos próprios companheiros de partido.

Mas Genoíno foi condenado por crime de formação de quadrilha e corrupção ativa porque deduziu-se que os empréstimos foram feitos para comprar apoio de parlamentares da base aliada, a fim de que votassem matérias de interesse do governo. Pasme!

Licenciado da Câmara por causa de sua cardiopatia e ainda em recuperação de uma complexa cirurgia, Genoíno encontra-se atualmente em prisão domiciliar temporária na casa de uma filha em Brasília.

Na terça-feira, dia 3 de dezembro de 2013, a mesa da Câmara dos Deputados estava pronta para iniciar o processo de cassação de Genoíno, numa flagrante ilegalidade. Tal como um trabalhador que não pode ser despedido quando se encontra em licença, um deputado não pode ser cassado quando se encontra na mesma situação. Caso isso acontecesse a Câmara dos Deputados estaria selando seu destino como uma casa subserviente ao STF e à mídia deste País. Mas não foi nenhum dos digníssimos deputados que impediu que essa vergonha acontecesse no parlamento brasileiro. Foi o ato de Genoíno que, ao renunciar a seu mandato, mesmo licenciado, não aceitou ser cassado.

Se José Dirceu não aceitou renunciar para não assumir uma culpa que não tinha, na esperança de provar sua inocência, Genoíno renunciou por não aceitar mais uma injustiça além da condenação judicial: a humilhação de ser cassado sem culpa e sem a garantia constitucional do direito à ampla defesa, segundo consta no artigo 55 da Constituição Federal, que rege a perda de mandato parlamentar. Com seu ato de coragem Genoíno poupou a Casa Legislativa de cometer uma injustiça e uma ilegalidade, pisoteando na Constituição.

Dois homens: José Dirceu e José Genoíno, cada um e em cada momento de uma farsa histórica, honraram seu partido e suas biografias. Não é por acaso que ambos irritaram Joaquim Barbosa, a oposição e a mídia por seus braços erguidos e mãos em punho ao se entregarem à Polícia Federal no feriado do dia da Proclamação da República. Os fracos de caráter não conseguem entender que aos fortes, mesmo quando a liberdade física lhes é retirada, ainda lhes resta a liberdade de consciência.

Genoíno sai do parlamento como um homem digno e honrado, mas jamais sairá da cena política enquanto vivo estiver. A terça-feira, dia 3, não marca o fim de uma história de luta de um homem que dedicou a vida pela democracia, liberdade, igualdade e justiça social. A terça-feira marca apenas o fim de uma fase na vida de Genoíno e o início de outra. Este é o início de uma nova batalha. E nessa luta Genoíno não está e jamais estará sozinho.

É este o recado que tenho para Genoíno: Companheiro, saiba que estamos aqui lutando por você e com você; por um país onde pelo menos todos tenham o direito a ter direitos.

A seguir, a carta renúncia de José Genoíno.

Dirijo-me a Vossas Excelências após mais de 25 anos dedicados à Câmara dos Deputados, e com uma história de mais de 45 anos de luta em prol da defesa intransigente do Brasil, da democracia e do povo brasileiro, para comunicar uma breve pausa nessa luta, que representa o início de uma nova batalha dentre as tantas que assumi ao longo da vida.

Assim, e considerando o disposto no inciso II, do artigo 56 da Constituição Federal;

Considerando ainda, a transformação midiática em espetáculo de um processo de cassação;

Considerando, de outro modo, que não pratiquei nenhum crime, não dei azo a quaisquer condutas, em toda minha vida pública ou privada, que tivesse o condão de atentar contra a ética e o decoro parlamentar;

Considerando que sou inocente;

Considerando, também, que a razão de ser da minha vida é a luta por sonhos e causas ao longo dos últimos 45 anos, reitero que entre a humilhação e a ilegalidade prefiro o risco da luta; e

Considerando, por derradeiro, que sempre lutei por ideais e jamais acumulei patrimônio e riqueza.

Por tudo isso e ao tempo em que agradeço a confiança em mim depositada, ao longo de muitos anos pelo povo do Estado de São Paulo e pelo Brasil, RENUNCIO ao mandato parlamentar e encaminho a presente missiva através do deputado José Guimarães PT/CE e do doutor Alberto Moreira Rodrigues, advogado inscrito na OAB/DF nº 12.652

Atenciosamente

José Genoíno Neto

Deputado federal licenciado

Maria Luiza Tonelli é advogada, professora, mestre e doutora em Filosofia pela USP.

***

Leia também:

Resistir é preciso

Uma encrenca chamada Joaquim Barbosa

Joaquim Barbosa é o grande expoente do ódio

Paulo Moreira Leite: Vai aparecer a verdade sobre os R$73,8 milhões da Ação Penal 470?

Breno Altman: Por que José Dirceu sorriu pela segunda vez?

Paulo Moreira Leite: Um laudo pela metade

Miruna Genoíno: “Condenaram meu pai à pena de morte.”

“Barbosa poderá responder por crime de responsabilidade” diz associação de juízes

Paulo Moreira Leite: Um laudo com muitas salvaguardas para Genoíno

Temos um Napoleão no STF. Imperador de si mesmo

Saiba quem são os médicos escolhidos por Joaquim Barbosa para examinar José Genoíno

Joaquim Barbosa trocou juiz com “cantaço” ilegal, diz AMB

O barbosismo, o PT e o pós-julgamento

OAB pede ao CNJ que investigue Joaquim Barbosa

Breno Altman: Por que José Dirceu sorriu pela segunda vez?

Vazam mais páginas do dossiê de Henrique Pizzolato

AP470: Lembo critica “linchamento e diz que há base legal para impeachment de Barbosa

Caiu a máscara: Barbosa nomeia tucano para decidir futuro de Dirceu, Genoíno e Delúbio

Joaquim Barbosa, que nem disfarça mais, escolhe juiz tucano

“Mensalão”: Joaquim Barbosa e o sentido da tragédia

Missão de Pizzolato na Itália é destruir o precesso do “mensalão”, diz advogado

Joaquim Barbosa violou os direitos dos réus, afirma o jurista Celso Bandeira de mello

Ação Penal 470: Globo dá sinais de que, se farsa reuir, Barbosa é quem vai pagar a conta

Janio de Freitas cobra punição de Barbosa no CNJ

Joaquim Barbosa e o sensacionalismo

José Genoíno para presidente

Antonio Lassance: Os 10 privilégios dos petistas presos

Rede Globo tem contratos sigilosos com Marcos Valério

De Deodoro da Fonseca a Joaquim Barbosa: As farsas do 15 de novembro

“Mensalão”: O terceiro absurdo

Paulo Moreira Leite: O que Herzog pode ensinar sobre Genoíno

Em carta escrita na prisão, petistas dizem que não aceitam “humilhação”

Mauro Santayana: O júbilo e a hopocrisia

Pizzolato revela na Itália dossiê que embaraça julgamento de Barbosa

Mais do mesmo: Agora o alvo é o Lula

A Globo, a Folha e a Veja versus José Genoíno

Cumpra-se a lei: Juiz enquadra a toga colérica

STF tem chance de salvar sua própria dignidade

Juristas e intelectuais gritam contra AI-5 de Joaquim Barbosa

Erros do STF se voltarão politicamente contra a direita

Supremo Tapetão Federal

Destinos cruzados: A vida de Genoíno e a saúde da democracia

Advogados apontam “violações”, ilegalidades” e “desrespeito” nas prisões do “mensalão”

Paulo Moreira Leite: Pizzolato na Itália

Indo buscar justiça na Itália, Pizzolato atrapalha os planos políticos de Joaquim Barbosa

Henrique Pizzolato vai à Itália buscar justiça no caso da Ação Penal 470

O livro “A outra história do mensalão” é um sucesso de vendas

A revista Retrato do Brasil desmonta farsa do “mensalão”

“Mensalão”: A história de uma farsa

Cláudio Lembo, aliado de José Serra, chama o “mensalão” de julgamento medieval

Juristas destroem acusações dos juízes do julgamento do “mensalão”

Ives Gandra, um dos oráculos da direita, afirma que José Dirceu foi condenado sem provas

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

4 Respostas to “José Genoíno e a dignidade dos que não se curvam”

  1. Todas as virtudes de Joaquim Barbosa | Conversa Afiada Says:

    […] Santayana: Pena, cadeia e justiça no BrasilAs jabuticabas constitucionais do STFJosé Genoíno e a dignidade dos que não se curvamResistir é precisoUma encrenca chamada Joaquim BarbosaJoaquim Barbosa é o grande expoente do […]

  2. wpalbornoz Says:

    Quando um político como Genoíno é condenado dessa forma…”há algo de podre no reino da Dinamarca”.

  3. José Genoíno e a dignidade dos que não se curvam | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  4. Anita Kairuz Says:

    Tu és grande, Maria Luiza Quaresma Tonelli.Sua luta não será em vão!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: