Trensalão tucano: Com ajuda de lobista, Alstom atingiu 100% da meta de negócios em São Paulo

Metro_Siemens112_Lobista

Flávio Ferreira, Mario Cesar Carvalho e José Ernesto Credendio, via Folha on-line

A Alstom conseguiu tudo o que queria com o governo de São Paulo. Os quatro negócios citados em e-mail pelo ex-presidente da empresa José Luiz Alquéres como estratégicos foram fechados com o Metrô e a CPTM.

Em dois desses contratos houve conluio entre as empresas, segundo acusação da Siemens feita ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão do governo federal que cuida da defesa da concorrência.

O objetivo de Alquéres era faturar 250 milhões de euros (R$900 milhões na época e R$750 milhões hoje) com os projetos. O valor foi ultrapassado. Os quatro negócios renderam cerca de R$1,5 bilhão, em valores atualizados.

O e-mail de Alquéres, de 18 de novembro de 2004, citava uma situação negativa para a divisão de transporte da Alstom –a empresa só conseguira atingir 11% das metas em oito meses. Para mudar esse cenário, ele recomendava a contratação do lobista Arthur Teixeira e a atuação de Paulo Borges, então diretor de transportes da Alstom.

Teixeira é apontado por autoridades da Suíça como intermediário no pagamento de propinas para funcionários públicos do governo do Estado nas gestões de Mário Covas e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB. Na delação da Siemens, a empresa dele é citada como peça-chave para eliminar entraves ao cartel.

Borges é acusado pela Siemens de ter participado das reuniões do cartel em que se decidia a divisão de mercado. O ex-presidente da Alstom diz que não sugeriu o uso de meios ilícitos para obter os contratos.

Os negócios mirados pela Alstom eram a reforma e fornecimento de trens novos para a CPTM e a venda de trens e de sistema de sinalização para a linha 2 do Metrô.

Divisão de negócios

A acusação da Siemens mostra que dois métodos foram usados pela Alstom, em cartel com outras empresas, para obter os contratos com o governo: a divisão prévia de lotes e a combinação de que as derrotadas seriam subcontratadas pelas vencedoras.

Na reforma de trens da CPTM, projeto chamado de Boa Viagem, os lotes foram divididos e a Alstom ficou com quatro deles. E-mails reunidos pela Siemens indicam que as empresas tiveram acesso ao plano da CPTM antes que ele tivesse se tornado público.

Marcos Missawa, executivo da Siemens, contou o seguinte em e-mail de 24 de novembro de 2004: “A CPTM tem por objetivo principal dar o pacote completo para quatro grandes fornecedores (Alstom, Siemens, Bombardier e TTrans)”.

No caso da sinalização da linha 2 do Metrô, o acerto do cartel, segundo a Siemens, foi de que seriam formados dois consórcios para a licitação, mas um deles apresentaria uma proposta com valor superfaturado e perderia a concorrência, mas seus integrantes seriam subcontratados.

Nos negócios de compra de trens, CPTM e Metrô reutilizaram contratos que haviam sido assinados há dez e 15 anos, respectivamente. O Tribunal de Contas considerou irregular a compra da CPTM e apontou que a empresa deveria ter feito nova licitação.

Marcos legais

A Alstom diz que os contratos citados no e-mail do ex-presidente da empresa foram obtidos por meio de licitações nas quais “são sempre respeitados os marcos legais aplicáveis”.

A empresa afirma seguir “um rígido código de ética, respeitando todas as leis e regulamentações vigentes”. José Luiz Alquéres, que presidiu a Alstom entre 2000 e 2006, diz que sua mensagem incitava os executivos a obter os contratos “de maneira ética e correta”.

Segundo ele, a área de transporte da Alstom “tinha autonomia operacional para desenvolver suas estratégias e implementá-las”. A Folha não conseguiu localizar Paulo Borges, ex-diretor da multinacional para a área de transportes.

***

Leia também:

Trensalão tucano: Cade e a cortina de fumaça

Trensalão tucano: Corrupção em dose dupla

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Lobista tucano aparece como novo suspeito no escândalo da Siemens

PF entra no trilho do trensalão tucano

Por onde andou o dinheiro do trensalão tucano

Trensalão tucano: Descoberta a conta secreta do propinoduto na Suíça

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Saiba o nome dos deputados paulistas que foram contra a CPI da Corrupção

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Todos os homens do propinoduto tucano

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Serra conseguiu fazer o que a oposição não conseguia: Destruir o PSDB paulista

Prestes a descarrilar, mídia golpista começa a abandonar o trensalão tucano

Denúncias do cartel do Metrô em São Paulo resgatam conexão Serra–Arruda

Trensalão tucano: E eles ainda dizem que não sabem de nada

Trensalão tucano: Estudante de Berkeley fura jornais brasileiros

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Denúncias do trensalão tucano têm de acabar antes das eleições de 2014, diz cardeal do PSDB

Agora vai: Desesperados com o trensalão, PSDB pensa em lançar a chapa FHC–Aécio

Antes tarde do que mais tarde: MPF investigará trensalão tucano

“Política da propina” pagou R$3milhões, apontam inquéritos

Corrupto processa corruptor: O circo tucano

Mídia e trensalão tucano: Como servir a Deus sem trair o Diabo

As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana

Trensalão tucano: Se cuida FHC, o MP vai investigar sua eleição

A CPTM virou balcão de negócios do governo tucano

MPF engavetou todas as ações contra os tucanos

Trensalão: Tucanos não querem CPI da Corrupção

Carlos Neder: A falsidade da gestão e da propaganda tucana

Domínio do fato no julgamento dos outros é refresco

Trensalão tucano em 5 passos

E o que fala Arnaldo Jabor sobre o trensalão tucano?

Carta revela envolvimento de tucanos em esquema pesado de corrupção

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

MP/SP pede reforço da Alemanha para resolver caso do trensalão tucano

Propinoduto tucano: O trem pagador

Trensalão: Os executivos fichas-sujas do tucanato paulista

Trensalão tucano: Suíça descobre propina de 800 mil euros no caso Alstom

“Falha administrativa” faz justiça suíça desistir de investigar suspeitos de propinas em São Paulo

Até “calunista” tucano afirma que trensalão ultrapassa de longe “mensalão”

MPF abre investigação sobre “falha” em apuração do trensalão tucano

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma resposta to “Trensalão tucano: Com ajuda de lobista, Alstom atingiu 100% da meta de negócios em São Paulo”

  1. pintobasto Says:

    Se tivéssemos justiça neste Brasil, já estariam todos os envolvidos na cadeia e todos seus bens confiscados!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: