Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Metro_Siemens108_Serra_Alckmin

E-mail de José Luiz Alquéres, ex-presidente da Alstom no Brasil, reforça suspeitas de corrupção nos governos Serra e Alckmin.

Fausto Macedo e Ricardo Chapola, via O Estado de S.Paulo em 24/10/2013

Novos documentos enviados pela Procuradoria da Suíça ao Brasil há 20 dias reforçam, segundo investigadores do caso Alstom, suspeitas de corrupção e pagamento de propina em contratos da multinacional francesa no setor de transportes públicos em São Paulo. Em e-mail de 18 de novembro de 2004, o então presidente da Alstom no Brasil, engenheiro José Luiz Alquéres, “recomenda enfaticamente” a diretores da empresa que utilizem os serviços do consultor Arthur Gomes Teixeira, apontado pelo Ministério Público como lobista e pagador de propinas a servidores de estatais do setor metroferroviário do governo paulista, entre 1998 e 2003.

Alquéres, que não está mais no comando da Alstom, destaca o “bom relacionamento” com governantes paulistas. Teixeira, segundo as investigações em curso, era o elo da multinacional com estatais do setor de transporte público de massa.

“Temos um longo histórico de cooperação com as autoridades do Estado de São Paulo, onde fica localizada nossa planta”, escreveu. “O novo prefeito recém-eleito participa das negociações que vão nos permitir a reabertura da Mafersa como Alstom Lapa. O atual governador também participa.”

Na época, José Serra acabara de vencer o pleito municipal e o Palácio dos Bandeirantes estava sob gestão de Geraldo Alckmin, ambos do PSDB. A unidade Alstom Lapa claudicava, em 2004. Com uma carteira minguada de contratos públicos e reduzidos investimentos, aquele setor da empresa, na zona oeste da capital, esteve na iminência de cerrar as portas.

Ao pedir empenho a seus comandados, Alquéres assinala a importância de conquistar novos contratos com o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Cita vagamente quatro empreendimentos das estatais. “Tais projetos representam um total de cerca de 250 milhões de euros”, observa. “Nesse período de mudanças sofremos duas grandes derrotas em leilões públicos, coisa que não ocorria há anos. Mas ainda podemos ter sucesso nos 4 projetos que o Estado de São Paulo vai negociar ou leiloar nas próximas semanas.”

O então presidente da Alstom cita os “amigos políticos do governo” e diz confiar na recuperação da empresa. “O processo está avançando, começo a receber mensagens de parceiros em potencial, e, principalmente, dos amigos políticos do governo que apoiei pessoalmente. A Alstom deve estar presente, como no passado.”

Um dos projetos que Alquéres mirava foi conquistado por um consórcio liderado pela Alstom, em 2005 – aditamento a um contrato firmado originalmente em 1995, no valor de R$223,5 milhões, que resultou na compra de 12 trens para a CPTM. O negócio tornou-se alvo de ação por improbidade movida pela promotoria de São Paulo, que identificou “grave irregularidade no sexto aditamento, verdadeira fraude à licitação e desvirtuamento total do contrato inicial”. A investigação mostrou aumento de 73,69% no valor da compra.

Propina
O e-mail do engenheiro, endereçado aos diretores de quatro áreas, com cópia para os mandatários mundiais da Alstom, na França, foi captado pela Procuradoria da Suíça em meio à investigação de polícia criminal que cita João Roberto Zaniboni – ex-diretor de operações e manutenção da CPTM entre 1998 e 2003 – como recebedor de propinas do esquema Alstom.

Há 20 dias chegaram ao Brasil cópias de documentos bancários que mostram depósitos de US$836 mil na conta Milmar, alojada no Credit Suisse de Zurique, de titularidade de Zaniboni. Os extratos revelam que Teixeira transferiu US$103,5 mil, em maio de 2000, para Zaniboni, por meio da offshore Gantown Consulting. Em dezembro daquele ano, um sócio de Teixeira enviou mais US$113,3 mil para o ex-diretor da CPTM. O Ministério Público suíço diz que é dinheiro de propina.

A Procuradoria da Suíça mandou para o Ministério Público cópia do e-mail de Alquéres, que governou a Alstom/Brasil entre os anos de 2000 e 2006. O dossiê faz referência a outra mensagem do engenheiro, que teria sido enviada três dias depois da primeira, para Philippe Mellier, presidente mundial do setor de transporte da Alstom. A Procuradoria assinalou: “E-mail Alquéres para Mellier de 18 de novembro de 2004, com possíveis indícios de atos de corrupção no contexto de projetos de transporte no Brasil”.

No e-mail, Alquéres cita que cinco dirigentes, “pessoas chave bem conhecidas”, haviam deixado o setor de transportes da Alstom. E fala das relações com o poder. “Três das cinco pessoas que foram dispensadas recentemente, como Carlos Alberto (diretor-geral) e Reynaldo Goulart (Desenvolvimento de Negócios) ou transferidas como Reynaldo Benitez (diretor financeiro) desenvolveram fortes e robustos relacionamentos pessoais com membros da CPTM e do Metrô/SP.” Sugere aos pares que busquem os serviços de Teixeira e da empresa dele, a Procint, “que demonstra grande competência em condições ‘favoráveis ou desfavoráveis’”.

Leia também: Alckmin*
Person of the year: FHC fala mal do Brasil e espanta investidores que Alckmin queria atrair
Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?
Marcha da Família conta com o apoio de Geraldo Alckmin
Para especialistas, fuga espetacular do PCC foi jogada eleitoral e arriscada
Documento acusa Alckmin de criar “falsa impressão” ao tentar atenuar desabastecimento de água
Plínio de Arruda Sampaio: “Ponho a mão no fogo pelo Alckmin.”
Choque de gestão: Alckmin tira recursos da segurança e educação
E se faltar água em São Paulo?
Racionamento de água e a sina do PSDB
Luciano Martins Costa: A reportagem que nunca foi escrita
Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência
Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos
Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira
Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC
Documentos secretos revelam a relação entre PCC e parte da PM de São Paulo
Geraldo Alckmin usou ameaça do PCC para se promover
Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin
Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política
E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos
Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?
O feito extraordinário de Alckmin
Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp
Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin
Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin
Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações
Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia
Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64
Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira
O jovem velho que é a cara do PSDB
Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin
Endireita, São Paulo: Os depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin
Conheça a biografia de Geraldo Alckmin
Vídeo: Da crise hídrica à crise democrática
No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade
Gestão tucana: Caos social por falta de água em São Paulo
ONU considera crise hídrica em SP uma violação aos direitos humanos
Depois de destinar R$4,3 bilhões a acionistas, Alckmin quer aumentar preço da água
Gestão tucana: Se o Tietê estivesse despoluído, ele poderia salvar São Paulo da crise hídrica
Sabesp é generosa com acionistas, mas não com investimentos em infraestrutura
Memória seletiva: Folha diz que alerta para crise hídrica desde 2001. De uma hora pra outra esqueceu
Vladimir Safatle: A crise da água e a transferência de responsabilidades
Diretor da Sabesp: “Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água.”
Enquanto a Petrobras é massacrada, a Sabesp é convenientemente esquecida
Lógica financeira da Sabesp marginaliza tratamento de esgoto e limpeza de rios
Escolas fechadas, fuga da cidade, caminhões-pipa: O cenário possível de São Paulo sem água
A fina flor da demagogia barata
Folha, 12/10/2003: São Paulo só atende demanda por água até 2010
Se o rodízio de 24 horas fosse feito em 2014, haveria economia de 12,3% do Cantareira
Está chegando o dia: Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo
Agora é oficial: Ministério Público aponta responsabilidade de Alckmin na crise da água
Alckmin pode não ter solução para a água, mas já tem estratégia de mídia
Estelionato eleitoral: Cronologia das pérolas ditas por Alckmin durante a crise hídrica
São Paulo: Por trás da falta d’água, privatização e ganância
Sabesp ignorou regra que reduziria risco de falta de água em São Paulo
Em 2013, devido à falta de manutenção nas tubulações, Sabesp desperdiçou uma Cantareira
“Oh, happy days”: A festa da Sabesp em Nova Iorque e a falta de água em São Paulo
Alguém precisa acordar Alckmin
Os 10 mitos sobre a crise hídrica
Os tucanos já gastaram US$3,6 bilhões para limpar o Tietê, mas o rio continua poluído
O que sai no jornal ou “o racionamento dos fatos”
Em 2009, Serra foi alertado para a crise hídrica de 2015. E não fez nada
Para entender a escassez de água
Sabesp se nega a publicar contratos de empresas que mais consomem água
Luciano Martins Costa: A ordem é preservar Alckmin e criminalizar a população
Empresas começam a deixar São Paulo pela falta d’água
Falta luz? Nos últimos anos, Eletropaulo cortou investimentos
Sabesp: Do Cantareira para a Bolsa de Nova Iorque
Em São Paulo, 360 quilômetros de Metrô: Era a previsão de 1968
Secretário de Alckmin diz que reclamações sobre falta d’água em São Paulo são “exibicionismo”
Catástrofe social, econômica e ambiental ronda o estado de São Paulo
É hora de Fernando Haddad coordenar a luta contra a falta de água

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin”

  1. Arlete Souza Says:

    Estes são os que se dizem homens de bem…..Que nojo!!!!

  2. bene nadal Says:

    Que vergonha PSDB… Que vergonha!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: