Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos

Marina_Eduardo_Campos13

Paulo Moreira Leite em seu blog

O acordo Marina Silva-Eduardo Campos continua no centro das análises políticas e vai seguir assim por vários meses.

Representa, na prática, uma tentativa de formar uma chapa competitiva para enfrentar Dilma Rousseff, até hoje com 38% das intenções de voto, contra 32% da soma dos adversários.

Ninguém sabe o que vai acontecer com essa aliança. Ninguém imaginava uma operação dessas há uma semana. É possível avaliar alguns pontos:

1. A primeira constatação é óbvia, mas necessária. Além de Dilma, eleita com a mão de Lula, são dois ex-ministros de seu governo que se uniram para disputar seu legado em 2014. Para quem passou os últimos anos falando no fim do “lulismo”, é a oportunidade de uma autocrítica. Mesmo fora do PT, mesmo no campo adversário do governo que Lula ajudou a eleger, é a sua herança que se disputa e projeta como a grande presença na política brasileira em 2014 e quem sabe nos próximos anos. Quem gosta de comparações históricas irá encontrar poucos exemplos parecidos.

2. A grande pergunta de hoje é saber se Marina Silva tem liderança a ponto de transferir todos os seus votos para quem escolheu. Lula escolheu Dilma em 2010 e foi capaz de fazer dela a nova presidente da República. Mas Marina não é Lula. Além disso, Lula e Dilma têm a mesma história, vinham do mesmo partido e partilhavam o mesmo governo. Era possível dizer que esse apoio representava uma continuidade política. Não se pode dizer a mesma coisa sobre Marina e Eduardo Campos. Até outro dia eram adversários. E estariam concorrendo em caminhos paralelos até o primeiro turno se Marina tivesse conseguido legalizar a rede. Seus eleitores sabem disso. Se Eduardo Campos não se mostrar um concorrente competitivo, a base de Marina irá aceitar passivamente uma situação secundária?

3. Embora apresentado como pacto programático, por enquanto os dois firmaram um acordo pragmático. Estão unidos pela vontade de derrotar Lula-Dilma de qualquer maneira, opção menos evidente em Eduardo Campos, mas escancarada pela linguagem de oposição venezuelana de Marina Silva. Falta chegar a acordos importantes, porém. O governador de Pernambuco tem uma história desenvolvimentista, que, deixando de lado lendas infanto-juvenis, é diferente e até oposta a todo programa de sustentabilidade conhecido. Enquanto Marina Silva é adversária de usinas hidroelétricas, o PSB tem lideranças a favor de pesquisas nucleares. Eduardo Campos é aliado do agronegócio, enquanto Marina é adversária. A história política do país está repleta de acordos entre contrários. A questão é conseguir fazer pactos dessa natureza sem perder a credibilidade junto aos próprios eleitores.

4. Acho provável que ocorram algumas mudanças nas pesquisas, que terão efeitos políticos importantes. Nos primeiros levantamentos, Dilma deve ficar com uma vantagem maior. É matemática. Sem a concorrente mais votada, o bolo de votos disponíveis será redividido entre os candidatos que restaram. A pergunta política envolve o que irá acontecer nas próximas semanas e meses. Eduardo deve ficar em segundo? Parece possível, mas não se vê como poderá fazer isso sem superar um problema que já derrubou muitos candidatos que pareciam imbatíveis – o tempo de propaganda na tevê.

5. O destino de Eduardo Campos irá depender não só de Marina, mas também de Aécio Neves. Aliado no bloco oposicionista, o candidato do PSDB é o alvo a abater por Eduardo Campos-Marina. Ou Aécio assume uma vantagem confortável entre os oposicionistas, o que parece muito mais complicado de ocorrer, agora. Ou terá de sair da frente para a dupla subir. Isso só será possível com um acordo pelo alto, envolvendo mudanças e benefícios, o que não é fácil entre os tucanos. O sucesso de Campos-Marina pode levar Aécio a se interessar em disputar o governo de Minas, onde o PT pode se transformar numa ameaça real pela primeira vez. Em qualquer caso, a possibilidade de ficar fora do segundo turno, pela primeira vez desde 1994, seria uma difícil posição para o PSDB.

***

Leia também:

Janio de Freitas: Presente e futuro

Dez consequências da decisão de Marina

Vice do PSB diz que partido de Marina é “fundamentalista, preconceituoso e sem caráter”

Problemas para Campos: Marina já critica alianças do PSB

Todos contra o chavismo

Marina/Campos: De madrugada, choro e ataque ao “chavismo do PT”

Marina Silva e o chavismo

Malabarismo de Marina Silva desorientou a mídia golpista

Estão faltando ideias e sobrando frases feitas para Marina

A Rede de Marina: Uma nova política ou uma nova direita?

Marina perdeu antes de o jogo começar?

Marina Silva é o atraso do Brasil financiado por banqueiros

Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões

Tags: , , , , , , , , , , ,

3 Respostas to “Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos”

  1. Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos | O LADO ESCURO DA LUA Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  2. Paulo Moreira Leite: Marina/Campos, bola de cristal em 5 pontos | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  3. Therezinha Says:

    A pergunta que não quer calar: será Campos o cabeça de chapa???
    Uma análise importante!!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: