Símbolo do Programa Mais Médicos cuidará de indígenas no Maranhão

Cuba_Medicos48_Simbolo

O cubano Juan Delgado (foto), que foi hostilizado quando chegou ao Ceará, está feliz com o destino reservado para ele no Programa Mais Médicos. Ele será um dos sete médicos que irão trabalhar em distritos indígenas do Maranhão. Delgado também afirmou que já esqueceu o fato de ter sido chamado de “escravo”: “Em Cuba, a escravidão acabou em 1868.” Sobre os que apontam possível risco de deserção, ele nega: “Tenho mulher, filha, um contrato de três anos e depois vou retornar a meu país, onde já há trabalho me esperando.”

Via Brasil 247

Alvo de uma agressão que chocou o Brasil e o mundo, o médico Juan Delgado, que foi hostilizado e chamado de “escravo” por doutores brasileiros quando desembarcou em Fortaleza, no Ceará, já se sente adaptado à realidade brasileira e está feliz com o destino reservado a ele pelo Programa Mais Médicos.

Cuba_Medicos29_Vergonha

Coxinhas cearenses recepcionando Delgado.

Delgado será um dos sete médicos estrangeiros que atenderão povos indígenas no Maranhão. Antes, ele passará por um treinamento na capital São Luís, onde tomará conhecimento da cultura local. Seu primeiro local de trabalho será o polo Base de Saúde Indígena de Zé Doca, a 316 quilômetros da capital maranhense.

Entrevistado no sábado, dia 21, pelo jornal O Globo, Delgado afirmou que não guarda mágoa por ter sido chamado de escravo e fez questão de enfatizar que se sente um homem livre. “A escravidão em Cuba acabou em 1868. Viemos ao Brasil por livre vontade e para ajudar a combater a mortalidade infantil e materna”, disse.

Ele afirmou também que não há o menor risco de deserção entre os médicos cubanos. “Tenho mulher, filha, um contrato de três anos e, depois disso, pretendo retornar a Cuba, onde há trabalho me esperando.”

Delgado, no entanto, ainda terá de vencer um obstáculo antes de começar, efetivamente, a trabalhar. O Conselho Regional de Medicina entrou na Justiça para não conceder registro provisório aos 37 estrangeiros que, na primeira fase do Mais Médicos, atuarão no estado.

***

Leia também:

Pesquisa CNT: 74% da população é favorável a vinda de médicos estrangeiros

Entenda por que os médicos cubanos não são escravos

Médicos cubanos recebem flores um dia após as agressões

Paulo Moreira Leite: Quando os corvos vestem branco

Médicos cubanos: Quem são os responsáveis pelo corredor polonês em Fortaleza?

Quem são e o que pensam os médicos cubanos

Janio de Freitas: A reação aos médicos cubanos é doentia

Preconceito: Jornalista diz que médicas cubanas parecem “empregadas domésticas”

Vídeo: O dia que os médicos brasileiros envergonharam o País

Dez informações sobre a saúde e a medicina em Cuba

Médicos cubanos: Como se desmonta uma farsa de jaleco

Médicos cubanos: Os primeiros já chegaram ao Brasil

Médicos de Cuba, bienvenidos camaradas!

Vinda de médicos cubanos reforça ódio ideológico ao PT

Mais de 70% dos médicos cubanos vão para o Norte e Nordeste

Mais Médicos: Alheias ao embate ideológico, pequenas cidades comemoram vinda de médicos cubanos

Paulo Moreira Leite: O extremismo dos doutores

Eliane Brum: Ser doutor é mais fácil do que se tornar médico

Breno Altman: Conservadorismo de branco é atraso

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde

Queremos médicos suecos!

Carta para Micheline Borges, a jornalista preconceituosa

Ministério da Saúde chama de “xenofobia” protesto contra médicos no CE

Médicos brasileiros, o orgulho branco da nação

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

Médicos cubanos: Avança a integração da América Latina

Coxinhas de branco: A vergonha da nação

Conheça o médico cearense que liderou os xingamentos contra os cubanos

***

Tags: , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Símbolo do Programa Mais Médicos cuidará de indígenas no Maranhão”

  1. Jésus Araujo Says:

    Pois é. A escravidão no Brasil acabou 20 anos depois, e mais teria durado se o envelhecimento das peças (como eles designavam os escravos) não tivesse obrigado a burguesia cafeeira a abrir mão dos escravos e a trazer trabalhadores livres imigrantes. Mesmo assim o habito ficou (o uso do cachimbo faz a boca torta), como recordam, entre outros, o filme Gaijin de Tiuka Yamasaki e muitos testemunhos da época.

  2. Símbolo do Programa Mais Médicos cuidará de indígenas no Maranhão | C O O LTURA Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: