Médicos cubanos recebem flores um dia após as agressões

Cuba_Medicos39_Flores

Médicos cubanos xingados de “escravos” e “incompetentes” por médicos cearenses recebem flores. Foto do Diário do Nordeste.

Cubanos recebem flores e comentam agressões do dia anterior. “Vimos que aquilo foi feito por uma minoria. Hoje foi o dia mais bonito desde que chegamos ao Brasil. O povo brasileiro é irmão e estamos aqui para trabalhar para o povo brasileiro.”

Via Pragmatismo Político

Depois do protesto com vaias e xingamentos na abertura do curso, os médicos cubanos que chegaram ao Ceará pelo Mais Médicos receberam flores e aplausos de integrantes de movimentos sociais na terça-feira, dia 27, na Escola de Saúde Pública, em Fortaleza. Na saída do primeiro dia de aula do curso preparatório, os estrangeiros deram sorrisos e sinais de positivo para quem os esperava e receberam aplausos e gritos como “Cubano amigo, o povo está contigo”.

“Estamos seguros. Confiamos no povo brasileiro e temos uma tarefa que vamos cumprir”, afirmou o médico cubano José Armando Molina. Segundo ele, os médicos estrangeiros não ficaram assustados e tristes com o ato hostil que aconteceu na segunda-feira (26), quando foram chamados de “escravos” e “incompetentes”.

“Vimos que aquilo foi feito por uma minoria de pessoas. Hoje foi o dia mais bonito desde que chegamos ao Brasil. Conhecemos que o povo brasileiro é irmão como somos dele. Estamos aqui para trabalhar para o povo brasileiro”, disse.

“Truculência e xenofobia”

Na terça-feira, dia 27, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que há “truculência” e “xenofobia” na atitude de médicos brasileiros que hostilizaram médicos cubanos em Fortaleza.

O grupo de 96 estrangeiros que está fazendo curso de atenção básica de saúde e português no Ceará foi recebido para a aula inaugural do treinamento, na segunda, por cerca de 50 profissionais brasileiros que gritavam palavras de ordem e reivindicavam pela realização do Revalida, exame de validação do diploma de medicina para curso feito no exterior.

“Em primeiro lugar, tem muita truculência, muita incitação ao preconceito, e à xenofobia. […] Lamento veementemente a postura de alguns profissionais – porque eu acho que é um grupo isolado – de ter atitudes truculentas, [que] incitam o preconceito, a xenofobia. Participaram de um verdadeiro ‘corredor polonês’ da xenofobia, atacando médicos que vieram de outros países para atender a nossa população”, declarou o ministro.

Hostilidade

O protesto de segunda-feira, dia 26, foi organizado pelo Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec). Na saída, houve bate-boca e tumulto e os estrangeiros foram xingados de “escravos” e “incompetentes” e foram alvos de gritos como “voltem para a senzala”.

O secretário de Gestão Estratégica do Ministério da Saúde, Odorico Monteiro, disse ter sido atingido com um ovo e agredido fisicamente e não descartou registrar um boletim de ocorrência contra o Simec. “Foi um ato de agressividade, xenofobia, preconceito e racismo. Nós entendemos que o preconceito e racismo de alguns é porque ainda eles sentem saudades da Casa Grande e Senzala”, desabafou.

Monteiro reclamou da atitude dos médicos. “Foi o meu primeiro ovo. E o primeiro a gente nunca esquece. Temos que repudiar atos do tipo e propagar e defender uma cultura de paz. Não houve agressão física em outras pessoas, mas em mim, sim, como empurrões e tapas. Houve agressão verbal. Estou analisando isso. Inclusive, fiquei sabendo que alguns representantes sociais vão entrar com queixa alegando xenofobia e racismo contra o Sindicado dos Médicos”, disse.

O secretário disse que espera uma retratação do Sindicato dos Médicos do Ceará o quanto antes. “Nós entendemos que o Simec teria que se retratar. O que ocorreu nesta segunda-feira aqui é lamentável. É preciso uma retratação. Jovens médicos praticaram atos de violência.”

***

Leia também:

Paulo Moreira Leite: Quando os corvos vestem branco

Médicos cubanos: Quem são os responsáveis pelo corredor polonês em Fortaleza?

Quem são e o que pensam os médicos cubanos

Janio de Freitas: A reação aos médicos cubanos é doentia

Preconceito: Jornalista diz que médicas cubanas parecem “empregadas domésticas”

Vídeo: O dia que os médicos brasileiros envergonharam o País

Dez informações sobre a saúde e a medicina em Cuba

Médicos cubanos: Como se desmonta uma farsa de jaleco

Médicos cubanos: Os primeiros já chegaram ao Brasil

Médicos de Cuba, bienvenidos camaradas!

Vinda de médicos cubanos reforça ódio ideológico ao PT

Mais de 70% dos médicos cubanos vão para o Norte e Nordeste

Mais Médicos: Alheias ao embate ideológico, pequenas cidades comemoram vinda de médicos cubanos

Paulo Moreira Leite: O extremismo dos doutores

Eliane Brum: Ser doutor é mais fácil do que se tornar médico

Breno Altman: Conservadorismo de branco é atraso

Médico que diz que estrangeiros são enganação tem dois filhos “importados” de Cuba

Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde

Queremos médicos suecos!

***

Tags: , , ,

7 Respostas to “Médicos cubanos recebem flores um dia após as agressões”

  1. Thiago Caetano Alves Says:

    seria capaz de matar com muito prazer estes racistas filhas da puta

  2. Thiago Caetano Alves Says:

    A PRESIDENTE DEVERIA DESCOBRIR QUE XINGOU E FUZILAR TODOS ELES RACISTAS DEVERIAM SER EXECUTADOS!!!!1

  3. Marcos Pinto Basto Says:

    Esses idiotas que foram insultar os médicos cubanos em Fortaleza, mostraram o que valem e pior, deixaram as pessoas de bom senso envergonhadas.
    Uma atitude irresponsável, muito maldosa, cheia de preconceitos que são punidos por lei e devem ser punidos exemplarmente. O Povo brasileiro já os condenou, agora falta a justiça aplicar-lhes uma punição para que pensem melhor no futuro. São uns babacas!

  4. Médicos cubanos recebem flores um dia após as agressões | C O O LTURA Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  5. Carlos Says:

    Se eu soubesse onde mora – ou se encastela? – um desses sepulcros caiados (esses aí de jalecos brancos), eu faria questão de não pisar nas calçadas em frente às suas moradias. E se eu fosse seu paciente, deixaria de sê-lo imediatamente.

  6. Miguel Leonel dos Santos Says:

    Agradeço a todos que deram flores aos Médicos de Cuba, obrigado!

  7. bene nadal Says:

    Sou do Sul e adoro o povo nordestino, gente de bem, gente alegre e feliz, apesar das dificuldades da região. O que vimos na chegada dos médicos cubanos, foi um foco isolado de patricinhas e mauricinhos, provavelmente todos filhilhos de mamãe, descendentes dos “coronéis” do Brasil colônia, que acabaram de sair dos “cueiros”, e tem muito o que aprender, e que vão aprender com a vida, já que não tiveram educação em casa!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: