As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana

Alstom_Jose_Luiz_Alqueres01

O senhor Alstom

Fernando Brito, via Tijolaço

Assim que Aécio Neves assumiu, por intermédio da Cemig, o controle total da Light, mandou demitir o presidente da empresa, José Luís Alquéres. O curioso é que foi o próprio Aécio, quatro anos antes, em 2006, quem participara de um acordo para nomear Alquéres – ex-Eletrobras de Itamar Franco – quando a Rio–Minas Energia, então com 25% da Cemig, comprara parte da empresa fluminense da Eletricité de France (EDF).

Alquéres, antes da Light, havia presidido a também Alstom, justamente no período em que a empresa era acusada de fazer negócios escusos com o governo tucano de São Paulo.

No encalço dele, em maio de 2008, estava o promotor Sílvio Marques, do MP de São Paulo:

“O promotor investiga se a multinacional Alstom pagou US$6,8 milhões em propina para vencer licitações de US$45 milhões do metrô de São Paulo, entre 1998 e 2006. Bem nesta época, Alquéres foi presidente da Alstom. Nada pesa até o momento contra ele. Aliás, quem o conhece como executivo só tem elogios. Ele ficou conhecido pela gestão à frente da Eletrobras, entre 1993 e 1994. De lá para cá, acumulou uma vasta e bem-sucedida experiência no setor privado. No comando da Alstom, Alquéres não perdeu uma licitação, atraindo a atenção e a inveja dos concorrentes, que diziam que o ponto forte da Alstom era o “fator político”. Conseguiu contratos para construir as turbinas de Itaipu e Tucuruí, as termoelétricas do Rio, Paraná, Bahia e São Paulo.”

Mas aconteceu algo no caminho, porque Aécio colocou Alquéres na mira, como registrava em outubro de 2009, o colunista Lauro Jardim, da Veja:

Assim que a Cemig comprar Light, Aécio Neves irá trocar toda a atual diretoria, comandada por José Luiz Alquéres, cujo contrato termina no fim do ano. Aos mais próximos, Aécio tem falado que montará “uma diretoria estritamente profissional, sem indicações políticas”.

Uai, mas a troco de que uma empresa totalmente privada – a única parcela de controle estatal era da própria Cemig – tinha indicações políticas na direção? Será que era Alquéres ou será que era Ronnie Vaz Moreira, ex-presidente da Globopar e ex-diretor financeiro da Petrobras do governo FHC?

Uma pista disso seria a informação publicada pela Folha de S.Paulo sobre um amigo que viria prestigiar a posse de Alquéres na Associação Comercial do Rio de Janeiro, mas acabou não podendo?

“O governador José Serra (PSDB/SP), que deveria ter comparecido à posse de Alquéres, cancelou a viagem ao Rio alegando forte gripe.”

De qualquer forma, ambos saíram bem aquinhoados pelo consumidor de energia do Rio de Janeiro: Alquéres levou uma “bolsa pontapé” de R$45 milhões e Moreira outros R$25 milhões, segundo o mesmo Lauro Jardim, explicando que isso seria pela valorização das ações da Light.

Alquéres ainda patrocinaria, na Associação Comercial do Rio, um inesquecível encontro de Serra com os empresários, onde o tucano se sairia com mais uma de suas delicadezas com a imprensa:

Repórter: A Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal estão livres da privatização?

Serra: Claro que sim, quem falou o contrário? De onde você é?

Repórter: Da Radiobrás.

Serra: Muito bem, então informe isto a seus patrões.

Alquéres continuou servindo aos interesses privados no setor elétrico, até que, em protesto contra as medidas tomadas pela presidente Dilma Rousseff para reduzir as tarifas das concessionárias, demitiu-se da condição de representante dos acionistas minoritários da Eletrobras.

***

Leia também:

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Serra conseguiu fazer o que a oposição não conseguia: Destruir o PSDB paulista

Prestes a descarrilar, mídia golpista começa a abandonar o trensalão tucano

Denúncias do cartel do Metrô em São Paulo resgatam conexão Serra–Arruda

Trensalão tucano: E eles ainda dizem que não sabem de nada

Trensalão tucano: Estudante de Berkeley fura jornais brasileiros

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Trensalão tucano: Entenda as denúncias contra o PSDB

Denúncias do trensalão tucano têm de acabar antes das eleições de 2014, diz cardeal do PSDB

Agora vai: Desesperados com o trensalão, PSDB pensa em lançar a chapa FHC–Aécio

Antes tarde do que mais tarde: MPF investigará trensalão tucano

“Política da propina” pagou R$3milhões, apontam inquéritos

Corrupto processa corruptor: O circo tucano

Mídia e trensalão tucano: Como servir a Deus sem trair o Diabo

***

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

5 Respostas to “As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana”

  1. Silvio Says:

    Tudo isso eh verdade. Acompanhei esse caso desde o começo.

  2. bene nadal Says:

    Eu acredito Mineira consciênte! Aí nas Maravilhosa Minas Gerais, bem como em todo o Brasil, tem tanto rato, que alguns já tem “bico comprido e colorido”, será que é para economizar o “canudinho”????

  3. Mineira cosnciente Says:

    Esta informação é clara como o PÓ. rsrsrsrsrs….

  4. GOTADÁGUA Says:

    […] As relações de Aécio com o homem da Alstom na era tucana     +TAG   […]

  5. anisioluiz2008 Says:

    Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUA.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: