O arrogante Joaquim Barbosa volta a ofender Lewandowski e tumultua julgamento da AP470

Lewandowski14

Lewandowski entre Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli, no início da sessão.

Presidente do STF disse que colega fazia “chicana” ao pedir o adiamento da apreciação de um dos recursos; encerrada a sessão, os dois continuaram discutindo aos gritos no salão anexo ao plenário.

Hylda Cavalcanti, via Rede Brasil Atual

Demorou pouco mais de 24 horas desde o reinício do julgamento dos recursos da Ação Penal 470, conhecida como processo do “mensalão”, para que o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, volta-se a afrontar e ironizar o colega Ricardo Lewandowski quando este se manifestava sobre seus votos.

No final da tarde de quinta-feira, dia 15, durante a segunda sessão realizada para apurar os embargos de declaração apresentados pelos réus, Barbosa Lewandowski voltaram a protagonizar debates ríspidos.

A discussão começou quando Lewandowski pediu que a apreciação de um dos recursos, apresentado pela defesa do ex-deputado Bispo Rodrigues, fosse adiada para a próxima semana, como forma de ser melhor avaliada pelo colegiado. Barbosa afirmou que ele estava querendo “fazer chicana”, dando a entender que o ministro pretendia tornar mais demorado o rito de julgamentos.

Lewandowski pediu que o presidente se retratasse e disse que não via motivo para pressa no julgamento do recurso em questão. “Presidente, estamos com pressa de quê? Nós queremos fazer justiça”, enfatizou.

Barbosa, entretanto, rebateu que não iria se retratar sobre o caso e respondeu: “Estamos querendo fazer nosso trabalho.”

O diálogo teve continuidade com outra troca de farpas, quando Lewandowski ressaltou que estava pedindo o adiamento do caso, com base em fatos. “Não estou brincando, não admito isso. Vossa Excelência preside uma casa de tradição multicentenária”, completou. Em resposta, Barbosa acentuou que aquela se tratava de uma casa que Lewandowski “não respeitava” e encerrou a sessão.

A discussão, porém, teve continuidade no salão anexo ao plenário, com gritos entre os dois ministros e várias menções à palavra “respeito”.

O presidente do STF, conhecido por suas grosserias em público, já tinha soltado alfinetadas contra colegas na sessão anterior, mas nada que chegasse ao clima observado nesta tarde.

Na quarta-feira, dia 14, numa ocasião em que o ministro Dias Toffoli disse que, por ter votado pela absolvição do réu Emerson Palmieri, estava em dúvida se deveria se manifestar nos embargos de declaração, ouviu de Barbosa: “Por favor, vote, mas com seriedade”.

“O voto é meu e de mais ninguém. Vossa Excelência, então, presida a mesa de maneira séria”, devolveu Toffoli.

O presidente do tribunal também ironizou o ministro Luiz Roberto Barroso, quando este fez uma menção aos advogados da defesa que apresentaram seus recursos, lembrando que já foi advogado, ou seja, já tinha estado “do outro lado”.

“Sim, mas o senhor hoje está aqui, não?”, frisou Barbosa. Luiz Barroso, empossado recentemente, iniciou sua participação no julgamento com uma declaração em que enfatizou que o “‘mensalão’ não foi o maior escândalo de corrupção do Brasil, e sim o mais investigado” e já teria desagradado ao colegiado do STF quando afirmou, anteriormente, que “o julgamento do “mensalão” foi um ponto fora da curva”.

Ao avaliar o que ocorreu, o ministro Celso de Mello ressaltou que o episódio é ruim para a credibilidade do Supremo, principalmente, “em termos do entendimento que deve haver no colegiado”.

“Não podemos deixar que a discussão descambe para o campo pessoal”, afirmou, ao acrescentar: “Acho que houve um arroubo de retóricas e, a essa altura, o presidente deve estar arrependido”.

Recursos rejeitados

Logo no início da sessão, foi negado, por unanimidade, o recurso apresentado pela defesa do ex-deputado e ex-presidente do PTB, Roberto Jefferson.

Os ministros se posicionaram favoráveis, por unanimidade, ao voto do relator, Joaquim Barbosa, que rejeitou pedido para redução de penas do ex-deputado por corrupção passiva. Jefferson solicitou, outra vez, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja responsabilizado pelo esquema do “mensalão”, mas o entendimento da Corte foi de que, como o tribunal já se manifestou sobre esse assunto, caberia agora ao Ministério Público decidir sobre uma possível investigação contra o ex-presidente.

O mesmo tratamento receberam os recursos do ex-deputado do PTB Romeu Queiroz, que também teve rejeitados os embargos de declaração apresentados por sua defesa. Queiroz pediu a reavaliação da pena por considerar que teria sido desproporcional, em razão dele possuir bons antecedentes e não ter nada que o desabonasse quanto à personalidade e conduta social. Foram alegadas, ainda, contradições nos votos de alguns ministros do STF durante o julgamento que o condenou, no ano passado, mediante o argumento de que o tribunal não teria analisado provas que inocentariam o réu.

Recursos

Na avaliação do decano do tribunal, ministro Celso de Mello, os réus condenados que tiveram os primeiros embargos de declaração rejeitados ainda podem recorrer da decisão.

A continuidade do julgamento acontece a partir da próxima semana, quando já estará de volta ao STF o ministro Teori Zavascki, atualmente em licença.

A expectativa de advogados e representantes do Judiciário é de que, até lá, a temperatura das discussões e o relacionamento entre os membros da Corte passem a ser mais amenos.

***

Leia também:

OAB cobre investigação contra Joaquim Barbosa

Paulo Moreira Leite: Joaquim, Pedro 1º e o racismo

Joaquim Barbosa pode ser destituído por usar imóvel do STF como sede de sua empresa

Joaquim Barbosa, o fora da Lei, utiliza imóvel do STF com sede de sua empresa

A origem do nome da empresa de fachada de Joaquim Barbosa

Joaquim Barbosa e os benefícios fiscais de seu imóvel em Miami

O doutor Joaquim Barbosa, a Veja, o domínio do fato e o apartamento em Miami

Apartamento de Joaquim Barbosa em Miami custou US$10,00

Sócio em offshore nos EUA, Joaquim Barbosa viola estatuto do servidor no Brasil

Joaquim Barbosa, o menino pobre que mudou o Brasil, compra apartamento milionário em Miami

Joaquim Barbosa condenaria eventual réu Barbosa

O laconismo da Uerj e a aliança entre Joaquim Barbosa e Jair Bolsonaro

A relação entre Joaquim Barbosa e a Uerj

O super-herói Joaquim Barbosa recebeu R$700 mil da Uerj sem trabalhar e quer retroativos

Miguel do Rosário: O mensalão de Joaquim Barbosa

O herói da mídia Joaquim Barbosa voa para ver o jogo do Brasil com dinheiro público

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses

Joaquim Barbosa embolsou R$580 mil em auxílios atrasados

Joaquim Barbosa, quando quer, não domina a teoria do domínio do fato

De licença médica, Joaquim Barbosa bebe com amigos e emperra o STF

Nádegas de ouro: Reforma dos banheiros de Joaquim Barbosa custará R$90 mil

Reinaldo Azevedo: “A arrogância de Joaquim Barbosa é espantosa!”

O ético Joaquim Barbosa, o herói da mídia, usou passagens do STF quando estava de licença

Joaquim Barbosa ataca instituições democráticas do Brasil

STF paga viagem de jornalista de “O Globo”

Bater em mulher é covardia: Quando Joaquim Barbosa não era herói da mídia

***

Tags: , , , , ,

5 Respostas to “O arrogante Joaquim Barbosa volta a ofender Lewandowski e tumultua julgamento da AP470”

  1. Todas as virtudes de Joaquim Barbosa | Conversa Afiada Says:

    […] de Barbosa no STF não vai acabar bemA nova etapa da AP 470 tem de corrigir as injustiçasO arrogante Barbosa volta a ofender Lewandowski e tumultua julgamento da AP470OAB cobre investigação contra Joaquim BarbosaPaulo Moreira Leite: Joaquim, Pedro 1º e o […]

  2. GOTADÁGUA Says:

    […] O arrogante Joaquim Barbosa volta a ofender Lewandowski e tumultua julgamento da AP470   +TAG   […]

  3. bene nadal Says:

    Esse JB merece um belo processo, e até um impeachmann!!!
    E os processo escolha do presidente do STF, não pode jamais ser pelo tempo de casa, e sim por eleição no Congresso!

  4. anisioluiz2008 Says:

    Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUA.

  5. Jésus Araujo Says:

    O STF, que entregou Olga Prestes, grávida de pai brasileiro, aos nazistas, que precisou receber do grande Dr. Sobral Pinto pedido amparado na lei de proteção aos animais, para minorar a situação cruel de presos políticos, que, na última ditadura, declarou que seu poder era menor do que o do governo militar, agora está escrevendo mais uma página vergonhosa em sua história. Por que JB teima em condenar, e às penas mais altas, os réus do dito mensalão? Eu não entendo e me recuso a admitir motivos desonrosos. O certo é que, se no julgamento, os ministros votaram com uma faca no pescoço, estão, agora, discutindo os recursos com uma metralhadora nas costas.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: