Os coxinhas baixaram a guarda?

Coxinhas_Smartphone01

Os coxinhas se cansaram de tirar fotos nos “protestos pacíficos” para colocar no feicebuque.

Via Carta Maior

Desde que começaram os protestos no País, no dia 6 de junho, em São Paulo, a rigor, esse é o primeiro final de semana em que as turquesas da disputa política afrouxam a pressão sobre o governo.

Os sinais de alívio vêm de várias direções. A virada na popularidade de Dilma, com inflexão de alta no Datafolha, é o corolário da mudança. A forte desaceleração dos índices de preços, talvez seja a melhor notícia econômica em meses.

Em julho, o item alimentos registrou deflação. Uma oscilação sazonal previsível. Mas um símbolo necessário para desmontar o palanque do tomate, que em abril deu o mote à catequese do “descontrole econômico”, uivado pela emissão conservadora.

O crescimento em 10 dos 14 setores industriais pesquisados pelo IBGE, em junho, e uma desvalorização cambial em marcha favorecendo exportações compõem ainda o clima de vento a favor. Há mais. Tabulações recentes do Ipea desmoralizaram a tentativa conservadora de desconstruir as conquistas sociais do ciclo de governos do PT. O rendimento domiciliar per capita, entre 2000 e 2010, mostra o Ipea, cresceu em média 63% acima da inflação nos municípios brasileiros. Na década tucana a desigualdade aumentou em 58% dos municípios (leia mais). Por fim, revelações de altos executivos da Siemens escancaram o conluio de 16 anos entre oligopólios e corrupção tucana no Metrô de São Paulo (leia mais).

A pergunta é: o governo deve baixar a guarda? Basta administrar a inércia? A queda da inflação esgota a resposta às ruas de junho? A dispersão da agenda política dentro da própria esquerda sugere que não. O governo, o PT e aliados estão diante de uma disjuntiva: apascentar o conformismo empurrando a pequena vantagem até 2014; ou sinalizar um novo ciclo de construção da democracia social no País.

A primeira opção dá o mando de jogo ao Banco Central e a segunda exige rever equívocos e afrontar interesses. Interesses de corporações – caso da mídia beligerante. E interesses corporativistas de uma sociedade elitista, dentro da qual não cabe o Brasil revelado pelos avanços sociais dos últimos anos.

O Programa Mais Médicos consolida o geral no particular. Esboça uma nova família de políticas públicas necessárias ao passo seguinte do desenvolvimento e da democracia. Rompe a lógica incremental, aciona novos conceitos para enfrentar o estrutural e o emergencial.

Carta Maior acredita que é crucial intensificar o debate em torno dessas escolhas (leia mais), objetivo do ciclo de discussão que tem promovido com a intelectualidade em várias capitais.

***

Leia também:

Comportamento de coxinhas paulistanos é tema de análise sociológica

Manual de Ouro do Manifestante Idiota

Dicas para não pagar mico em tempo de manifestações

A revolução dos coxinhas e seus estranhos amigos

O futuro dos coxinhas do Leblon e dos Jardins

Neofascismo coxinha tenta virar ideologia

***

Tags: , ,

2 Respostas to “Os coxinhas baixaram a guarda?”

  1. Roberto Mendes Says:

    Os estrangeiros escolheram as grandes cidades e o litoral também…
    KKKKKKKKKKK…
    Dá-lhe Presidanta….
    Sírio-Libanês nos mensaleiros…

  2. BRAZIL S.A Says:

    […] Os coxinhas baixaram a guarda?  […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: