Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas

Bessinha_Propinoduto01

Flávio Ferreira, via jornal do seu Frias

Em entrevista coletiva sobre a investigação criminal aberta para apurar as suspeitas de formação de cartel e fraude a licitações de trens em São Paulo, o promotor de Justiça Marcelo Mendroni afirmou na sexta-feira, dia 9/8, que as empresas envolvidas nesses tipos de delitos devem ser consideradas “organizações criminosas”.

Em 2 de agosto, a Folha revelou que a Siemens apresentou às autoridades brasileiras documentos nos quais afirma que o governo paulista soube e deu aval à formação de um cartel para a Linha 5 do Metrô de São Paulo. De acordo com a empresa, a operação se deu no ano de 2000, quando o Estado era governado pelo tucano Mário Covas, morto no ano seguinte.

Para o promotor, a análise inicial de documentos enviados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) já aponta “provas diretas” e “forte indícios” da prática dos crimes. Mendroni integra o grupo especializado no combate a delitos econômicos do Ministério Público de São Paulo. O promotor disse que os representantes das empresas envolvidas podem ser punidos com penas de 20 a 45 anos de prisão pela participação no cartel e fraude a licitação em cinco concorrências.

Segundo Mendroni, pela lei brasileira esse tipo de crime “compensa” e sua prática é “sistêmica” no País: “Essas empresas que praticam crime de cartel são tratadas por nós como organizações criminosas, embora sejam empresas teoricamente licitamente constituídas. Quando praticam cartel, que é o crime mais grave contra a concorrência, e fraudes contra licitações, devem ter tratamento de organizações criminosas”, afirmou.

O promotor disse que serão realizadas diligências, como quebra de sigilo bancário, para investigar a eventual participação de agentes públicos nos delitos.

Mendroni aproveitou a coletiva para criticar as leis do país. “Pela legislação brasileira, a prática do crime de cartel é um crime que compensa para o empresário, pois a pena a que ele está sujeito vai de dois a cinco anos. Se ele receber a pena mínima, que é a que se aplica normalmente, terá direito à substituição [da punição] pela prestação de serviços à comunidade”, afirmou.

Para o promotor, a lei deveria ser alterada para que a pena mínima do delito fosse aumentada para pelo menos quatros de prisão.

O promotor ainda comentou que o endurecimento das punições é necessário porque “a prática de cartel é sistêmica no Brasil. Ocorre o tempo todo, em todo lugar, e em todas esferas, municipal, estadual e federal”.

***

Leia também:

Propinoduto tucano: Os cofres paulista foram lesados em mais de R$425 milhões

Propinoduto em São Paulo: O esquema tucano de corrupção saiu dos trilhos

Após denúncias contra PSDB de São Paulo, site da IstoÉ sofre ataque

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Ranking dos partidos mais corruptos do Brasil

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Propinoduto tucano: Incêndio criminoso destruiu papéis do Metrô em São Paulo

Luciano Martins Costa: Um escândalo embaixo do tapete

Deputado critica demora do MP para agir contra corrupção no Metrô paulista

Apesar da blindagem da “grande mídia”, o caso da corrupção no Metrô paulista

Superfaturamento de cartel do trem em São Paulo e Brasília teria chegado a R$577 milhões

Adilson Primo, o personagem central para o esclarecimento do propinoduto tucano

Siemens diz que governo de São Paulo deu aval a cartel no Metrô

Propinoduto tucano: Novas provas do esquema estão chegando da Suíça

Propinoduto tucano: O impacto das propinas nas eleições para governador em São Paulo

Ombudsman: Folha errou ao omitir PSDB no caso Siemens

Não existe corrupção sem corruptor

Vídeo: Em 2011, Alckmin foi informado sobre o propinoduto tucano. Em 2013, diz que não sabe de nada

Alstom: Os tucanos também se encheram os bolsos de propina francesa

Trensalão tucano: Serra sugeriu acordo em licitação, diz executivo da Siemens

Trensalão tucano: Portelinha fazia os cambalachos para FHC e José Serra

Trensalão tucano: Andrea Matarazzo arrecadou junto à Alstom para a campanha de FHC

Trensalão tucano: A quadrilha dos trilhos

Trensalão tucano: Alstom pagou US$20 milhões em propina no Brasil, diz justiça da Suíça

Trensalão tucano: Pivô do caso Siemens poderá explicar reeleição de FHC

Tags: , , , , , ,

2 Respostas to “Promotor diz que empresas do cartel dos trens e Metrô são organizações criminosas”

  1. Maria Thereza Says:

    e onde estava o MP paulista até agora? Investigando o PT? Tá certo. Como, para tucanos, contraventor é “empresário de jogos”, é muito lógico que quadrilha seja “cartel”. Já estão anunciando: 1) as penas, que serão leves; 2) o único culpado vai ser o Covas e não se fala mais nisso; 3) indícios são apenas indícios, para tucanos. Para os outros valem como provas irrefutáveis. 4) não deverá ser investigado o “estilo de vida” luxuoso, muito acima da possibilidade de um membro do TCE. De qualquer modo, estão voando penas…

  2. anisioluiz2008 Says:

    Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUA.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: