“Financial Times” e sua peculiar retórica sobre o Brasil

Financial_Times03Flávio Aguiar, via Correio do Brasil

É interessante o modo como se constrói a retórica. Primeiro, fala-se de tudo o que o Brasil conquistou recentemente: recorde no leilão da Petrobras, US$11 bilhões; a captação da oferta pública da carteira de seguros do Banco do Brasil permanece sendo a maior, US$5,6 bilhões. Empresas de petróleo pagaram US$1,4 bilhão por licenças de exploração. Um diplomata brasileiro está à testa da OMC. A popularidade de Dilma está na estratosfera, “graças ao pleno emprego”. Sua reeleição parece garantida.

Mas, garante o Financial Times, tudo isto não passa de uma “fachada”. Daí vem a ladainha da miséria: na verdade, este bem-estar aparente esconde um mal-estar. Os investimentos caem (como se explica isto diante dos números do outro parágrafo é um mistério). O Brasil só reinveste 18% de seu produto, contra 24% do conjunto da América Latina e 30% da Ásia.

O modelo baseado no consumo interno está esgotado. O estilo “deixa-que-eu-chuto” (bossy boots, um insulto de natureza pessoal) da presidente é inadequado politicamente, as decisões são demasiadamente centralizadas. Isto favorece o combate à corrupção, o jornal admite, mas atrasa as decisões. Seu governo não aplica as necessárias reformas favoráveis ao mercado (“[the governement] eschewed market-oriented reforms”) em favor de indústrias com lobbies tradicionais, como as montadoras.

Diz-se que o Brasil está perdendo oportunidades. O dinheiro – para investir em infraestrutura, por exemplo – está sobre a mesa, mas parado. É tempo de agir, adverte o jornal. O dinheiro está barato, mas não vai ser sempre assim.

De novo, fica aquele cheiro de queimado no ar. Trata-se de levantar a bola do companheiro Aécio? De baixar a bola do Brasil em tempos de sucesso? De associar pleno emprego e desaceleração econômica? (Sem falar nos aumentos de salário para quem não investe nem sabe gastar, como o povão) Tudo junto incluído? Pode ser. Porque a bem costurada política econômica brasileira – com seus rasgões e remendos existentes e por fazer – vai dando certo, e por isso mesmo só merece o desprezo – que disfarça o pânico – de quem pensa sempre market oriented.

Mas o cheiro de queimado permanece, e se estende. Porque ele vem das entranhas do jornal. Tudo o que seus editoriais defendem já deu e está dando errado. O ideário market oriented que é a pedra de fundamental de seu ideário está levando a Europa – onde ele vive, o jornal – para a hecatombe, porque para o brejo já levou.

No dia seguinte ao do editorial (20/5, “Europe’s hollow efforts to save a lost generation”, “O esforço vazio da Europa para salvar uma geração perdida”), a Spiegel International publicou uma matéria escachoante sobre o desemprego entre os jovens na Europa. A palavra hollow significa “vazio”, “oco”, “cavidade”, “buraco”; mas ela tem uma conotação moral. Quer dizer também “insincero, irreal, pouco profundo, sem valor”. É uma das palavras-chave de poema famoso de T. S. Eliot, “The hollow men”, escrito em 1925, na moldura do desencanto vivido na esteira da 1ª Guerra Mundial:

We are the hollow men

We are the stuffed men

Leaning together

Headpiece filled with straw. Alas!

Nós somos os homens ocos

Os homens empalhados

Uns nos outros amparados

O elmo cheio de nada. Ai de nós!,

(Na tradução de Ivan Junqueira)

O vaticínio do poema pode se aplicar tanto os market oriented hegemônicos na Zona do Euro, como o mundo que estão moldando, semeando o desencanto e o desespero num continente que vai perdendo o passo do futuro. Os números são estapafúrdios. Mesmo na próspera Alemanha, de pouco desemprego, entre os de menos de 25 anos (e 18 ou mais) o desemprego é de 7,9%. No restante da Zona do Euro: Áustria, 9,9%; Holanda, 10,3%; Malta, 16%; Luxemburgo, 18,5%; Estônia, 19,4%; Finlândia, 19,5%; Bélgica, 19,6%; França, 26,9%; Eslovênia, 27,1%; Chipre, 28,4%; Irlanda, 30,9%; Eslováquia, 35,9%; e agora os campeões – Portugal, 38,6%; Itália, 38,7%; Espanha, 55,5% e Grécia, 59,4%. Média ponderada, 23,5%: uma catástrofe. Nas palavras da matéria, “está se formando na Europa uma geração perdida”.

Voltemos ao período entre guerras. A expressão “uma geração perdida” foi usada como epígrafe no romance O sol também se levanta, de Ernest Hemingway, começado em 1925 e publicado em 1926. Na época o autor atribuiu a expressão à escritora Getrude Stein, e ele mesmo associou-a à geração que amadureceu durante a 1ª Guerra Mundial e foi por ela irremediavelmente “danificada”. Depois Hemingway escreveu que na verdade o criador da expressão fora o proprietário da oficina onde Stein mandava consertar seu carro.

Voltando a nosso século, o artigo da Der Spiegel assinala que a aversão das elites políticas europeias por qualquer coisa que signifique “dispêndio de verbas” vai estrangulando na prática os programas e promessas de criação de projetos para estimular a geração de empregos em geral, quanto mais entre os mais jovens. “Big promises, scant results”, resume a revista: “Grandes promessas; resultados pífios”, traduzindo livremente.

Enumera a revista: em fevereiro deste ano o Conselho Europeu votou um investimento de €6 bilhões até 2020 para geração de empregos entre os mais jovens, mas desavenças entre os países-membros sobre a aplicação do dinheiro fez o começo do programa ser postergado para 2014. Um programa de investimento franco-germânico nos países do “sul da Europa” com o mesmo objetivo permanece “nebuloso”, apesar do entusiasmo da ministra alemã do Trabalho, Ursula von der Leyen, uma candidata da CDU a uma possível sucessão de Ângela Merkel. A prática alemã tem sido mais a de contratar jovens nos países mais prejudicados para trabalhar… na Alemanha, o que não ajuda muito a economia destes.

Novas promessas estão em curso, pelo menos no plano das intenções. A próxima cúpula europeia deve priorizar o tema. Mas pouco será feito, provavelmente, dentro da ótica de mostrar para o público em geral que está se fazendo tudo o que é possível gastando o menos possível também. Alertados pelas lições da história advindas daquele período da “geração perdida” e dos “homens ocos”, analistas de diferentes procedências (historiadores, economistas não obcecados pela “market-orientation”, escritores, artistas, antropólogos, psicólogos etc.) vêm advertindo sobre os riscos inerentes a esta situação europeia: afinal, foi naquele “vazio de perspectivas” que os nazifascismos prosperaram.

Mas nada disso abala os market oriented. Sem sombra de dúvida, o seu mundo de certezas iluminadas não admite sombras nem dúvidas. Muito menos uma sombra do tamanho do Brasil.

Flávio Aguiar é correspondente internacional da Carta Maior em Berlim.

Tags: , ,

2 Respostas to ““Financial Times” e sua peculiar retórica sobre o Brasil”

  1. O novo ministro do STF defende a reserva de mercado da mídia | SCOMBROS Says:

    […] “Financial Times” e sua peculiar retórica sobre o Brasil […]

  2. Benevenuto Nadal Says:

    Caros amigos, leiam essa matéria e prestem atenção nos números. Em seguida façam uma pequena reflexão: Desde a ditadura militar no Brasil, depois os governos neoliberais, culminando com o FHC. Nesse período de aproximadamente 38 aos, os governantes de então estiveram sempre “de joelhos e com um pires na mão” perante os países europeus e EUA, trazendo alguns dólares com “juros a preço de ouro”, já mais para o final do período citado, os governantes para conseguir mais alguns trocados lá fora, tiveram que obedecer ao “deus FMI”, e vender todas as empresas controladas pelo governo possíveis, o que aconteceu na maioria dos casos com o PSDB no governo. Resultado ficamos com as “calças na mão”, e com mais uma “crisesinha” lá na “casa do chapéu”, teríamos que entregar “as cuécas”. Quando pela providência divina, só pode ser; pela primeira vez na história conseguimos eleger um presidente representante dos trabalhadores. O Brasil então prostrado, destruido pelos neoliberais, deu trabalho ao presidente dos trabalhadores, mas reergueu, e tão logo possível iniciou a recontrução do nosso Brasil, pagou a dívida externa, e adotou um novo regime de economia, pela primeira vez sem “pedir penico” para os EUA e Europa. Passados apenas 6 anos, EUA e Europa entram na crise mais longa de sua história… E nós, bem nós continuamos com nosso novo estilo de governar, “sem pedir penico”. E hoje dez anos depois, passamos a emprestar dinheiro para o FMI, coisa impensável com os neoliberais no poder.
    Agora pasmem; eles querem voltar ao poder, e advinhem, por que? Eu só vejo uma razão para eles quererem voltarem ao poder; reiniciar a destruição, e entregar para os países ricos, o pouco que construimos em dez anos! E eu pergunto você vai deixar????

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: