MPF denuncia coronel Ustra por ocultação de cadáver na ditadura militar

Ustra05

Coronel Carlos Alberto Ustra: torturador e assassino do DOI-Codi, durante a ditadura militar.

Bruno Bocchini, via Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo denunciou, pelo crime de ocultação de cadáver, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, comandante do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna de São Paulo (DOI-Codi) no período de 1970 a 1974. Também foi denunciado pelo mesmo crime o delegado aposentado Alcides Singillo, que atuou no Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP) na ditadura militar.

Na ação, ajuizada na sexta-feira, dia 26/4, Ustra e Singillo são acusados de ocultar o cadáver do estudante de medicina Hirohaki Torigoe, então com 27 anos, morto no dia 5 de janeiro de 1972. Torigoe foi membro da Ação Libertadora Nacional (ALN) e do Movimento de Libertação Popular, organizações de resistência à ditadura.

De acordo com o MPF, a versão oficial do crime – divulgada à imprensa duas semanas após o desaparecimento do estudante – sustenta que Torigoe foi morto na Rua Albuquerque Lins, no bairro de Higienópolis, na zona oeste de São Paulo, em um tiroteio com a polícia. Segundo as fontes oficiais da época, a demora na divulgação da morte ocorreu porque a vítima usava documentos falsos, com o nome de Massahiro Nakamura.

No entanto, o MPF contesta a versão oficial com base no depoimento de duas testemunhas: André Tsutomu Ota e Francisco Carlos de Andrade, presos na mesma data. De acordo com os depoimentos, Torigoe foi ferido e levado ainda com vida ao DOI-Codi do 2º Exército, no bairro do Ibirapuera, onde foi interrogado e submetido à tortura.

As testemunhas afirmaram que os agentes responsáveis pela prisão de Torigoe tinham pleno conhecimento da verdadeira identidade do detido. Apesar disso, de acordo com o MPF, todos os documentos a respeito da morte da vítima, inclusive o laudo de necropsia, a certidão de óbito e o registro no cemitério, foram elaborados em nome de Massahiro Nakamura.

Para o MPF, além de utilizarem o nome falso nos documentos de óbito e de sepultarem clandestinamente o estudante no Cemitério de Perus, em São Paulo, os subordinados de Ustra negaram aos pais de Torigoe informações a respeito do filho desaparecido.

Na ação, o órgão acusa Ustra de enterrar clandestinamente Hirohaki Torigoe, falsificar os documentos sobre a morte com o intuito de dificultar a localização do corpo, ordenar a seus subordinados que deixassem de prestar informações aos pais da vítima e de retardar a divulgação da morte em duas semanas, com a intenção de ocultar o cadáver e garantir a impunidade pelo homicídio.

“A conduta dolosa de ocultação do cadáver resta totalmente caracterizada pelo fato de que os pais da vítima estiveram nas dependências do DOI-Codi antes da divulgação da notícia do óbito, em busca do paradeiro do filho. Lá, porém, funcionários do destacamento sonegaram-lhes a informação de que Hirohaki Torigoe fora morto naquele mesmo local e que seu corpo fora clandestinamente sepultado com um nome falso”, ressalta o texto da ação.

Desde 2006, um inquérito civil público busca localizar os restos mortais de Hirohaki Torigoe. “Até hoje permanecem os restos mortais de Hirohaki Torigoe ocultos para todos os fins, inclusive os penais”, afirma o MPF.

O delegado de Polícia aposentado Alcides Singillo é acusado de deixar de comunicar a correta identificação e localização do corpo à família da vítima, o cemitério onde ele supostamente foi enterrado e o cartório de registro civil onde a morte foi registrada. De acordo com o MPF, Singillo era, na época, delegado do Deops de São Paulo e tinha ciência da identidade do estudante, pois colheu o depoimento do verdadeiro Massahiro Nakamura, que foi a delegacia após a notícia de que Torigoe usava seu nome.

Segundo o advogado de Ustra, Paulo Esteves, o ex-coronel nunca participou de nenhum tipo de violação de direitos. “A violência não foi apanágio da vida dele”, disse. A reportagem não conseguiu localizar o advogado do ex-delegado Singillo.

Tags: , , , ,

3 Respostas to “MPF denuncia coronel Ustra por ocultação de cadáver na ditadura militar”

  1. Ivan de Lima Salles Says:

    Tenho vergonha de ser brasileiro. Na Argentina, os generais,
    almirantes e brigadeiros foram condenados. No Brasil, nada
    aconteceu. A Comissão da Verdade, nada mais, nada menos, que
    uma bela palhaçada. Para que Comissão da Verdade ? Ninguém
    vai ser punido pelos crimes de torturas e assassinatos. As Forças
    Armadas do Brasil, é a vergonha do povo brasileiro. Em 1971, fui
    soldado do Exército Brasileiro. Servi no 2 Batalhão de Caçadores,
    que fica na cidade de São Vicente-SP. Fui agredido a tapas e a
    chutes pelo capitão LUCIANO DA SILVA NOGUEIRA. Além disso,
    o covarde do capitão colocou-me na SOLITÁRIA POR TRINTA DIAS. O comandante do batalhão, era o coronel ALAOR GONÇALVES COUTO. Nada vez para punir o capitão. Portanto,
    tenho vergonha de haver VESTIDO A FARDA DO EXERCITO
    BRASILEIRO. Tenho nojo, quando lembro que vestir a tal farda.
    Não acredito no Brasil. Os assassinos e torturadores dos presos
    políticos, de um a um, estão indo para O INFERNO. Nenhum deles
    vai ficar para sempre na face da terra. A JUSTIÇA FALHOU.
    Falhou feio. Ninguém foi processado e nem condenado pelos
    crimes. Mas, as portas do INFERNO, estão recebendo-os, de um a
    uma. E, todos os torturados e assassinos de PESSOAS HUMANAS,
    estão se hospedando nas fornalhas eternas. Não devemos esquecer, que a justiça de DEUS É JUSTA.

  2. Jésus Araújo Says:

    Esqueceu-se de que todo ser humano tem direito à defesa e, portanto, a constituir advogado? Defender bandido não é cumplicidade, a não ser que, além de empregar o conhecimento da lei, o advogado aja em conluio com ele. Isto é essencial para a democracia. Somos democratas, somos diferentes, não procedemos como os fascistas.

  3. Marcos Pinto Basto Says:

    O advogado ou advogados desse Ustra que nunca foi Brilhante e sim um grande assassino, deveriam ser processados como cúmplices do velho canastrão!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: