O que há de infernal em São Paulo e Santa Catarina

Bornhausen01Raul Longo por e-mail

A mesma falta de consciência política dos paulistas corrói o futuro do estado de Santa Catarina, numa clara demonstração da estupidez da classe média do continente.

Ao longo da história, em outras partes do mundo muitas vezes tem sido a classe média a promotora de mudanças que beneficiam toda a sociedade, como recentemente aconteceu na Islândia, onde se expulsou e mandou à prisão os especuladores do neoliberalismo que leva a Europa ao inferno econômico e financeiro sofrido por seus trabalhadores e a classe média também.

Na América se formou uma classe média individualista incapaz de reconhecer a própria miséria. Estupidificada pelo anseio de imitar o inalcançável estilo de vida das elites que sequer conhece, ao invés de utilizar as restritas oportunidades oferecidas por um parcial e duvidoso sistema democrático para promover alguma evolução para uma democracia plena e verdadeira, insistem em eleger os títeres que lhes são condicionados pelas mesmas elites que tentam imitar e por elas são tão espoliados quanto os trabalhadores.

Imbecilizada, essa classe média de tamanhos preconceitos devotados aos trabalhadores não é capaz de perceber que apenas administra a riqueza produzida pela base da pirâmide social. Administra para benefício exclusivo do topo que jamais alcançará por mais que se escravize em dívidas por quinquilharias a serem penduradas ao nada em que se reduzem para se equilibrarem na falsa sensação de ter galgado algum degrau na escalada ao inatingível. Mensalmente, a cada cumprimento prestamista experimentam uma sensação de ascensão sem perceberem que apenas estreitam o vértice engordando com juros o valor do trabalho da base.

Talvez a atual crise financeira mundial traga alguma consciência para a classe média norte-americana, durante décadas apontada como “maioria silenciosa”. Hoje berram em movimentos como o “Occupy” e, enfim, lá ocorre alguma esperança de não mais elegerem Ronald Reagan ou alguém da família Bush e outras que utilizam filhos de trabalhadores e da classe média como carne de canhão, ou de míssil, para o saque do mundo.

Talvez nos Estados Unidos a classe média comece a se questionar porque nunca um Bush, Reagan, Morgan ou Rockefeller teve de pegar em armas e expor suas vidas em selvas ou desertos; mas na América Latina a classe média colonizada ainda está muito distante da percepção de si própria e de quanto é utilizada, manipulada. Foi o que se constatou nos pronunciamentos desses individualistas por ocasião do golpe ao Manuel Zelava em Tegucigalpa, na tentativa de golpe ao Hugo Chavez em Caracas, nas manifestações contra Cristina Kirchner em Buenos Aires, entre os especuladores do gás boliviano contra Evo Morales. Ou no ridículo “Cansei”, em São Paulo.

Os mesmos ridículos preconceitos sem qualquer consistência e consciência, as mesmas palavras, a mesma superficialidade. Todos denotando o mesmo individualismo que lhes destitui de individualidade para transformá-los em cardume.

Um único cardume que em São Paulo reelege ao governo do estado de maior contingente de classe média do Brasil, ao mesmo político que permitiu o sequestro da 6ª cidade mais populosa do mundo. Um sequestro comandado de dentro de um presídio de segurança máxima.

Coisa de História em Quadrinhos? Não! Coisa de classe média à qual também pertence a maioria da população de Santa Catarina que ao Senado elegeu a Luís Henrique da Silveira, impedido pelo Ministério Público de trazer para o réveillon de seu último ano de governo a Andrea Bocelli, por tri faturamento do cachê do tenor.

Assim mesmo o valor real do contrato teve de ser cumprido e a classe média catarinense pagou o cachê do Bocelli apesar de não poder ouvi-lo. Essa é a masturbação sem orgasmo dessa gentinha com sonhos de civilização e cultura europeia, mas que desconhece muitos talentos aqui mesmo nascidos que por interpretarem música popular brasileira são apreciadíssimos em Paris, Roma, Bruxelas, Montreal, Madrid, Nova Iorque, etc.

A ignorância da classe média de Santa Catarina sobre si própria tem transformado este outrora tranquilo estado num inferno onde cotidianamente ardem ônibus e se registram assaltos e assassinatos entre outros diversos crimes, na maioria dos casos impunes.

Pessoas e estabelecimentos comerciais de classe média são as vítimas e também não é incomum se ouvir relato de famílias de classe média que desconfiam dos próprios coleguinhas de escola de suas filhas estupradas, assassinadas e desaparecidas. Destes casos, o único amplamente divulgado por interferência de um blog envolvia a elite do estado. Mais exatamente o filho do dono da RBS – repetidora e sócia da TV Globo -, o filho do comandante da segurança pública do estado, e o neto do então governador e hoje senador Luís Henrique da Silveira que, eleito em 2002 com o apoio de Lula, imediatamente à posse se declarou aliado de Fernando Henrique Cardoso e Jorge Bornhausen.

Reeleito apesar de inúmeros escândalos e envolvimentos em investigações da Polícia Federal, ainda conseguiu eleger seu candidato à própria sucessão, como representante do DEM e aliado do Geraldo Alckmin da São Paulo onde a matança nos finais de semana são superiores às mortes contabilizadas nos países em conflito do Oriente Médio.

Daquele caso da menor de idade da alta classe média estuprada em Florianópolis pelos filhos da elite catarinense, o único resultado foi o aparecimento do corpo sem vida do blogueiro que o divulgou. Mas sobre os outros inúmeros outros crimes cotidianos a informação que se têm é da própria polícia civil do estado na foto deste cartaz:

Santa_Catarina01

Tags: ,

4 Respostas to “O que há de infernal em São Paulo e Santa Catarina”

  1. Marcos Pinto Basto Says:

    Sebastião L.A.Lima disse tudo! Uma legião de medrosos aplaudindo quem os agride e não enxergam as agressões!

  2. " F I N I T U D E " Says:

    […] O que há de infernal em São Paulo e Santa Catarina […]

  3. sebastião leme alves lima Says:

    CLASSE MEDIA : Elementos de uma sociedade que com medo de perder o pouco que tem APOIAM OS QUE MAIS LHES PREJUDICAM .

  4. wpalbornoz Camilo Albornoz Says:

    Dois projetos de país, frente a frente, evidentes, claros em toda sua visão e consequências políticas, económicas e culturais. O mundo inteiro se debatendo entre estes dois projetos. E os que se tapam os ouvidos, os olhos e a boca, não conseguem ver, porque não querem, pela sua herança cultural, o caminho inevitável do futuro da humanidade. Não é questão de direita ou de esquerda, se trata simplesmente de sentido comum. Já nem é questão de informação. É preconceito mesmo, é condicionamento cultural. E o mais curioso de tudo: essa classe media brasileira se encontra entre os principais privilegiados de um desenvolvimento económico que toma em conta primordialmente o mercado interno, a educação etc. O preconceito da estupidez impede o entendimento de que melhor justiça social equivale a desenvolvimento económico a largo prazo. Lamentável, porque retrasam um processo, que queiram ou não vai conduzir o Brasil para um patamar de referencia mundial.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: