Luciano Martins Costa: A “barriga” de alto custo da Veja

Veja_Bradesco_Santander

Luciano Martins Costa, via Observatório da Imprensa

Operadores e autoridades do mercado brasileiro de ações ainda estavam lidando, na quinta-feira, dia 10, com um problema criado na véspera pela edição digital da revista Veja. No final da tarde de quarta-feira, o portal de notícias Veja.com noticiou que o Bradesco estaria adquirindo as operações do Banco Santander no Brasil.

Com base em um suposto comunicado enviado aos funcionários do Santander, anunciando que a fusão iria acontecer ainda neste semestre, Veja manteve a informação incorreta como manchete durante 22 minutos, até que os bancos a obrigaram a retirar o texto do ar e publicar um desmentido.

Na manhã de quinta-feira, dia 10, o site especializado Infomoney reproduziu o desmentido de Veja, observando que o equívoco havia provocado “uma euforia no mercado”, resultando numa forte valorização dos papéis do Santander no pregão tardio da Bovespa – o mercado after hours, período de negociação que ocorre após o fechamento do pregão regular.

A valorização das ações do Santander chegou perto do teto máximo de oscilação positiva para o período, provocando um movimento atípico para o after hours. Para se ter uma ideia do volume provocado pelo erro da publicação, o Infomoney lembra que os papéis do Santander, que costumam ter um volume diário de negociações em torno de R$300 mil, chegaram a movimentar R$32 milhões após a falsa notícia da fusão com o Bradesco.

Olhando de lado

Segundo fontes do mercado de ações, o erro de Veja.com potencializou boatos de que o Santander teria interesse em negociar suas operações no Brasil para salvar sua matriz europeia, gerando a euforia que elevou artificialmente o valor das ações.

O princípio de crise surgido na quinta-feira só não se alastrou porque a Bovespa, os bancos envolvidos e outros protagonistas entraram em campo para abafar o caso, mas não está descartada a possibilidade de uma investigação para apuração de responsabilidades.

Se o site da Veja afirmou que havia baseado a notícia em e-mails enviados pela direção do Santander aos funcionários, é de se esperar que a revista apresente esses documentos, mesmo que decida preservar suas supostas fontes.

Na manhã de sexta-feira, dia 11, a imprensa registra uma situação desigual no balanço do mercado de ações: dos três principais bancos brasileiros, os títulos do Itaú e do Bradesco fecharam em declínio na quinta-feira, enquanto os papéis do Santander se destacavam entre os mais valorizados, além de aparecerem entre os mais negociados na véspera, num contexto completamente atípico.

No entanto, os jornais não se interessaram pelo problema e o público foi informado por sites especializados, como blogs de analistas financeiros e o portal Comunique-se, que noticiou o desmentido de Veja.com, reproduzindo a informação original do site Infomoney.

Erro infantil

A direção de Veja tratou de amenizar os efeitos da “barrigada” por meio de uma nota oficial se desculpando com seus leitores, afirmando que a falsa notícia “trazia em seu próprio enunciado a chave de sua falsidade”, pois, segundo a publicação: “O texto dizia infantilmente que a negociação da fusão fora informada pela instituição [Santander, N. do A.] a funcionários. Como qualquer pessoa do meio financeiro sabe, uma operação desse tipo tem de ser, por lei, mantida em sigilo e comunicada antes de qualquer outra forma de divulgação à Comissão de Valores Mobiliários (CVM)”.

Foram apenas 22 minutos de exibição da informação falsa, de 17h59 a 18h21 de quarta-feira, dia 9, mas os danos podem ter sido grandes para quem comprou ações em alta e vai ficar esperando acontecer a fusão do Bradesco com o Santander para recuperar o investimento.

A estranha simbiose entre os meios tradicionais de comunicação, que faz com que todos eles tratem de dar grande repercussão a escândalos e denúncias sem checar as origens, desta vez funciona ao contrário. Um erro documentado, com desmentidos distribuídos em notas oficiais de dois dos maiores bancos do País, vai ficar por isso mesmo.

Azar dos leitores de Veja.com que, “infantilmente”, acreditaram que dois bancos com ações na Bolsa iriam comunicar oficialmente seu matrimônio por meio de e-mails para funcionários.

***

Leia também:

Luis Nassif: O mercado de capitais e o jogo da notícia

Para atacar o governo federal, Eliane Cantanhêde joga ainda mais a Folha no fundo do poço

A mídia golpista está com a faca entre os dentes contra o desenvolvimento

Emir Sader: O suicídio da imprensa

Até o Gurgel nega pedido de investigação contra Lula. Foi má-fé e manipulação do Estadão

***

Tags: , , , , ,

3 Respostas to “Luciano Martins Costa: A “barriga” de alto custo da Veja”

  1. Airton Says:

    É preciso ser muito ingenuo para pensar que Veja, Folha, estão cometendo esses enganos. Deve ter maracutaia por tras disso. Nosso governo prefere o “controle remoto”. Não faz nada.

  2. Maria Therezza Says:

    Parece que eles estão se acostumando a divulgar e-mails de funcionários. Na mesma semana “divulgaram” outro em relação a uma reunião de emergência. Ou suas “fontes” estão falhando, ou a “criatividade” de veja passando dos limites…Tomara que não fique por isso mesmo. Agora, bem feito em quem acredita em veja e miriam leitão pra ganhar $ fácil

  3. João Alberto de Lima Nassif Says:

    Num país sério isto dá cadeia!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: