Síndrome de Regina Duarte se abate sobre serristas

Medo de Lula e do PT, manifestado por atriz em chororô de dez anos atrás no programa eleitoral de José Serra, volta na eleição para prefeito de São Paulo. Acomete, agora, marmanjos calejados e nenhuma das paúras confessadas pela atriz se mostrou justificada, mas a doença que tem em Reinaldo Azevedo o paciente zero parece não ter cura. Também é chamada de preconceito de classe.

Via Brasil 247

O relógio político dos serristas voltou no tempo para dez anos atrás, a 2002. Naquele quadrante, às vésperas da derrota na eleição presidencial para Luiz Inácio Lula da Silva, a atriz Regina Duarte, com sua melhor expressão de chororô, foi ao programa do então adversário lulista José Serra para pronunciar uma frase que marcou época:

“Eu tenho medo do PT. Medo de Lula e do PT!”

Seria a barba do ex-líder sindical que provocava a alegada paúra na antiga “namoradinha do Brasil”? A voz gutural? As bandeiras vermelhas do partido que ele fundou? O apoio do MST? As promessas de palanque ao feitio da esquerda? Ou o explicitado compromisso de reduzir a pobreza e possibilitar três refeições ao dia ao povo brasileiro?

Era o conjunto todo, deixou claro Regina, além do receio de que Lula iria fazer a moratória da dívida externa, romper contratos, solapar todas as bases da democracia brasileira. A expectativa do caos completo.

Lula venceu e nenhum dos medos de Regina Duarte se justificou. A partir do governo Lula, não apenas a dívida externa foi paga como, hoje, as reservas internacionais do Brasil estão em cerca de US$400 bilhões, o que evitou novos ataques especulativos contra o País, como acontecia no tempo do antecessor dele, Fernando Henrique Cardoso. Ao contrário de FHC, Lula não mudou as regras do jogo democrático (como se recorda, o presidente tucano operou o Congresso pelo estabelecimento da reeleição, que até então não existia, e se beneficiou diretamente da manobra). Ainda que tivesse tirado um foto com o bonezinho do MST, não consta que Lula tenha armado os trabalhadores do campo ou feito na marra qualquer tipo de reforma agrária. O que se tem, nesse setor, é o sucesso do programa Fome Zero, a partir do qual se pode constatar, agora, a retirada de cerca de 40 milhões de brasileiros do estado de pobreza.

Nenhum dos tantos medos de Regina Duarte se mostrou real. No entanto, passados dez anos daquele apelo entristecido e quase desesperado, eis que eles – os medos da Regina – ressurgem em homens barbados. E nem está em jogo uma eleição presidencial, como daquela feita, mas um pleito municipal, que nem envolve Lula diretamente, mas um de seus pupilos, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad. Um medo, portanto, ainda mais forte, visto que o perigo é menor.

Quadro típico da classe média paulistana, frequentador do insuspeito Clube Sírio-Libanês, filho de comerciante na reconhecida rua 25 de Março, sem passagem por movimentos que praticaram ou sequer pregaram a luta armada ou ações do gênero, o pacato Haddad virou alvo da síndrome de Regina Duarte que acomete, outra vez às vésperas de uma derrota de Serra – ao que apontam as pesquisas e as condições políticas que cercam a eleição paulistana –, marmanjos calejados como o jornalista Ricardo Setti, o empresário Octávio Frias Filho, o filho do sociólogo Boris Fausto, o comunicador de apelo religioso Silas Malafaia e até o destemido (com arma na mão, como diria Bezerra da Silva) coronel Telhada, ex-comandante da Rota.

Acometidos do mesmo mal estão o vereador eleito Andrea Matarazzo e aquele que pode ser chamado de paciente número zero desse vírus, o verborrágico internauta Reinaldo Azevedo.

Ai, ui, sapatilham eles, cada um a seu modo, arguindo, ora publicamente, ora em privado, que Haddad representará o fortalecimento político de Lula – aquele mesmo Lula que, projeta-se, vai solapar a democracia, inverter as prioridades burguesas, revirar a sociedade brasileira etc. etc.

Ponto a ponto, os medos foram claramente elencados pelo Prêmio Esso de Jornalismo Ricardo Setti em seu blog dentro de veja.com.br. Para os homenzarrões acometidos da síndrome de Regina Duarte parece, ao que se vê pelo que eles próprios têm expressado, não haver vacina nem remédio.

Lula exerceu duas vezes a Presidência da República, à qual chegou pelo voto popular, manteve as regras do jogo e viu sua candidata Dilma Rousseff, com cerca de 10 milhões de votos a mais que o adversário José “sempre ele” Serra, subir a rampa do Palácio do Planalto. De-mo-cra-ti-ca-men-te, frise-se. Não quebrou contratos, não rompeu com os Estados Unidos, não declarou o socialismo tropical. Foi, isso sim, apontado pelo maior historiador do século 20, Eric Hobsbawn, como o líder global mais importante do final do período e tornou-se referência de expressão política democrática em todo mundo.

Serra, vale dizer, rompeu todos os contratos vigentes assim que assumiu a Prefeitura de São Paulo, em 2005, abandonou o mandato menos de dois anos depois e, ao chegar ao governo de São Paulo, igualmente suspendeu todos os pagamentos que deveriam ser feitos no mês de janeiro de 2007 – sucedendo, nesta ocasião, não a petista Marta Suplicy, mas seu próprio correligionário Geraldo Alckmin.

Mas quem tem a Síndrome de La Duarte acha que é Haddad, e não Serra, que vai subverter a ordem, fazer o contrário do que promete em palaque, recusar responder perguntas, agredir jornalistas verbalmente, usar o cargo para finalidades políticas pessoais.

Essa doença, que volta dez anos depois do primeiro surto, não passa e nunca vai passar. Seu nome científico é preconceito de classe.

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

4 Respostas to “Síndrome de Regina Duarte se abate sobre serristas”

  1. Mary Veloso Says:

    A chamada classe A não admite que um nordestino, metalurgico e sem diploma nas maiores faculdades do Brasil ou do mundo, faça o que ele fez. Hoje a maioria da população tem em suas casas: Tvs, geladeira, micro ondas, mesa com cadeiras e muitos já possuem suas casas próprias. Hoje ao assistir o Jornal do SBT, Carlos Chagas (ultra direita) deu como perdida a eleição do Zé e comparou com as eleições dizendo: Em 2014 teremos Dilma x Áecio, o senador de MG que desacatou a policia quando dirigia embriagado e com sua habilitação vencida. É esse homem que vive no RJ nas baladas que quer disputar uma eleição para Presidente do Brasil?? E seu partido (os refugiados de outros partidos) não elegeu o Prefeito de BH, ele pegou carona…Assim vai descendo o PSDB….AH! COITADOS!!!

  2. Rafael Says:

    Exatamente, nenhum dos medos da Regina Duarte se confirmou, por isso que o povo brasileiro continua sem comer três refeições ao dia

  3. celia maria arcanjo costa Says:

    Sempre tive medo do PT e do Lula, pois está muito claro que toda esta união toda é um grande jogo para apodera-se do poder em definitivo.Uma pessoa que representa uma noção não pode se baixar ao nível de ficar nas ruas defendendo esse ou aquele candidato de seu partido. Nos a elegemos para administrar a nação e não defender seu partido, usando nosso dinheiro para saracutiá junto com lula.

  4. Clovis Pacheco Filho Says:

    Creio que o medo da Regina Duarte se baseava na sua condição de latifundiária pecuarista em terras griladas de índios, em Mato Grosso do Sul. Tinha medo da reforma agrária. Que, por sinal, não saiu, nem parece que vai dar as caras no decorrer do governo Dilma, porque os votos no Congresso Nacional dados pelo PMDB do doutor Zé Sarney et caterva dos coronéis são importantíssimos para a tal de governabilidade, como já eram nos tempos lulianos…

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: