FHC compra o Congresso: Nova fita liga Sérgio Motta à compra de votos para reeleição

Na terça-feira, dia 2, Olímpio Cruz Neto, em sua página do Facebook, postou a segunda imagem desse texto. É um fac-símile da capa da Folha de S.Paulo de 13 de maio de 1997, em que o deputado Ronivon Santana dizia com todas as letras que havia vendido seu voto por R$200 mil para aprovar a emenda da reeleição de FHC.

Na quarta-feira, dia 3, Gilberto Maringoni, também no Facebook, publicou a imagem a seguir, da mesma Folha de S.Paulo – quando ainda era um jornal investigativo – de 14 de maio de 1997, onde se pode perceber que o ministro das Comunicações de FHC, Sérgio Motta, vulgo Serjão, estava envolvido até o último fio de cabelo na compra dos votos para aprovar a emenda para reeleição do príncipe dos sociólogos, Fernando Henrique Cardoso.

Por que esse caso não chegou ao STF? E aí, Joaquim, dá para responder ou tá difícil?

***

Clique aqui para textos da época de Fernando Rodrigues.

Tags: , , , , , , , , ,

5 Respostas to “FHC compra o Congresso: Nova fita liga Sérgio Motta à compra de votos para reeleição”

  1. Creuza Dona Says:

    ETERNAMENTE OTÁRIO

    Na época, Gilberto Mansur, ex-diretor da revista masculina Status, um mineiro maneiro, era braço-direito do publicitário Agnelo Pacheco, que havia conquistado a confiança do secretário de Comunicação de FHC – e homem das verbas publicitárias, portanto.

    Falamos do embaixador Sérgio Amaral, porta-voz da Presidência, que o colunista de humor José Simão chamava de “porta-joia”, sempre com a pose de “nojo de nóis”.

    Juntos, Agnelo e Amaral “operavam” a Caixa Econômica Federal. Agnelo adorava dizer que era um dos depositantes do “Bolsa Pimpolho”, que financiava a vida de Miriam Dutra e seu filho no continente europeu.

    O que não tem a menor relevância perto do Custo Brasil para alimentar a conspiração de silêncio em torno do romance. Existem hoje, no eixo Brasília-São Paulo, grupos de picaretas que ficaram ricos graças a esse adultério, bem como ao falso DNA agora brandido pela família Cardoso, a fim de evitar mais um herdeiro a dividir l’argent que FHC vai deixar.

    Absolutamente contra sua vontade, FHC cai de novo na boca do povo. Mesmo nas edições online dos grupos de comunicação que tanto faturaram para esconder o romance, seus leitores vêm com pérolas, tais como este comentário sobre a notícia da Folha do teste de DNA negativo, repercutindo nota da coluna Radar, de Veja – autora do furo:

    A GLOBO DEU GOLPE DA BARRIGA EM FHC:
    O Brasil pagou caro essa pensão. FHC, quando era ministro da Fazenda, isentou de CPMF todos os meios de comunicação. Em 2.OOO houve o Proer da mídia, que custou entre US$ 3 e US$ 6 bilhões aos cofres públicos. Ele também mudou a Constituição para permitir que a mídia brasileira, então falida, pudesse contar com 30% de capital estrangeiro. E autorizou que o BNDES fizesse um empréstimo milionário à Globo.

    Ricardo J. Fontes: DNA falso você pode conseguir com qualquer R$ 10 milhões em qualquer esquina de São Paulo ou Washington, onde Tomás estuda. Mas, se FHC, de fato, não for o pai, o Brasil merece conhecer o pai verdadeiro, o homem que tomou dinheiro dos Marinhos e de FHC durante 20 anos e carimbou de vez o ex-presidente como, além de entreguista, zé-mané, trouxa, pangaré, terceirizado. Enfim, otário.

  2. Raimundo Cesar de Souza martins Says:

    o grave não é a reeleição e sim a corrupção que está na estrutura do poder e em todos os cantos do espaço publico, que nem lei da ficha limpa ou suja como queiram, pois pra corrupito não tem diferença entre limpa e suja e este caso do Serjão é mais um impune entre milhões da nossa jovem democracia. financiamento publico já.

  3. Idalia Coronel-Martins Says:

    A matéria merece divulgação. Idalia Martins

  4. Idalia Coronel-Martins Says:

    E a compra de votos não era para um projeto que beneficiasse o povo, uma reforma que beneficiasse o Estado, mas tão somente para manter o príncipe FH no poder. Idalia Coronel-Martins, advogada.

  5. Jorge Ivan Says:

    Temos que replicar isso,mostrar em comício.É o antídoto para o quem vem aí.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: