Trio neoliberal: FHC, Clinton, Blair e seus trololós

Em suas gestões, eles atolaram seus países na recessão, concluindo seus mandatos com recordes de desemprego e miséria. O que eles podem dizer de útil?

Altamiro Borges em seu blog

Promovido pelo Banco Itaú, ocorreu na terça-feira, dia 28, em São Paulo um seminário que reuniu três ícones do neoliberalismo: o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, o ex-primeiro ministro britânico, Tony Blair, e o ex-presidente FHC. Os três “ex” falaram para um público seleto: cerca de 500 executivos de poderosas multinacionais – “com faturamento acima de US$100 milhões anuais”, segundo a revista IstoÉ Dinheiro. Eles trataram de diversos temas e, lógico, deram suas receitas para enfrentar o conturbado cenário mundial.

Pela lógica, os três “ex” nem deveriam ser convidados para falar sobre a crise capitalista internacional e as suas saídas. Afinal, em suas gestões eles atolaram seus países na recessão, concluindo seus mandatos com recordes de desemprego e miséria – o que explica suas altas taxas de rejeição no eleitorado e suas derrotas nas urnas. O ex-presidente Clinton ainda lançou o império em novas guerras, com o apoio de Tony Blair, o “cachorro sardento”, e de FHC, com a sua política servil do “alinhamento automático” com os EUA.

As contrarreformas do capital

Mas os executivos das poderosas corporações – os badalados CEOs – necessitam de consolo neste momento de graves dificuldades. O capitalismo afunda na crise e eles procuram “fórmulas” para jogar o ônus do desastre nas costas dos trabalhadores. Neste sentido, os conselhos de Clinton, Blair e FHC são pagos a preço de ouro, com o apoio do Itaú. O ex-primeiro ministro britânico até aproveitou sua viagem ao Brasil para fechar contratos de “consultoria de gestão” com os governos do Rio de Janeiro e São Paulo.

Clinton e Blair até elogiaram o governo Dilma – o que não deve ter agradado FHC, em plena campanha eleitoral para salvar a oposição demotucana. “O Brasil tem tido uma história de sucesso e progresso extraordinário”, bajulou o britânico. “Olhando de fora, o Brasil está muito bem. Se tivesse de apostar num país, seria o Brasil”, afirmou Clinton. Mas todos insistiram na defesa de teses neoliberais, as mesmas que afundaram as economias dos EUA e da Europa. O bordão é o da “urgência das reformas” – ou melhor, das contrarreformas neoliberais.

Tags: , , , , ,

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: