Depoimento de procuradora piora situação de Policarpo Jr., diretor da Veja

A procuradora da República Léa Batista de Oliveira em depoimento à CPI na terça-feira, dia 21.

A procuradora da República, Léa Batista, uma das coordenadoras da Operação Monte Carlo, que levou à prisão o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, confirmou aos parlamentares em seu depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga as ligações criminosas do contraventor com setores de governo e da imprensa.

Via Correio do Brasil

A procuradora Léa Batista confirmou que a proximidade entre o jornalista e editor-chefe da revista semanal de ultradireita Veja, em Brasília, Policarpo Jr., era suspeita, mas o foco das investigações impediram que se especificasse o grau de envolvimento entre o líder da quadrilha e o executivo do Grupo Abril.

“As investigações indicam alguma proximidade sim. Indicam vários contatos do chefe da organização criminosa com o jornalista”, apontou a procuradora.

O fato recoloca para os integrantes da CPMI, de forma mais contundente, a necessidade de votar os requerimentos que exigem a presença de Policarpo Jr., na condição de indiciado, ao plenário da Comissão. Faltariam apenas quatro votos, de parlamentares do PMDB, para que ele seja convocado a depor. A direção de Veja tem contado com a blindagem de deputados e senadores ligados aos partidos da direita, mas a pressão cada vez maior de setores da sociedade civil organizada, por intermédio dos meios de comunicação independentes, entre eles o Correio do Brasil, tem aumentado as chances de um aprofundamento na questão que envolve as ligações entre setores da mídia conservadora e o crime organizado.

O texto das gravações das conversas entre Cachoeira e Policarpo Jr. data de 10 de maio de 2011. Em diferentes trechos, Cachoeira conversa com o ex-diretor da Delta no Centro-Oeste Cláudio Abreu, deixando claro que Policarpo Jr. sabia da ligação do contraventor com a Delta. Mas, segundo Cachoeira, Policarpo não iria divulgar nada porque a intenção era mostrar outra questão ligada à empresa. Em novo trecho, Cachoeira diz que Policarpo Jr. não os “colocaria em roubada” e que ele “sabia de tudo” sobre a relação de Cláudio Abreu, a Delta e o bicheiro:

“O Policarpo é o seguinte: ele não alivia nada, mas também não te põe em roubada, entendeu? Eu falei, eu sei, ó: ‘Inclusive vou te apresentar depois, Policarpo, o Cláudio, eu sou amigo’, eu falei que era amigo docê (sic) de infância. E ele: ‘Então, ele trabalha na sua empresa’, falou assim, ‘vai me contar que você tem ligação com ele’. Ele (Policarpo) sabia de tudo. ‘Eu não vou esconder nada de você não, Policarpo, o Cláudio é meu irmão, rapaz’.”

Como Cachoeira explicava ao cúmplice, Policarpo Jr. não teria o menor interesse em denunciar as ligações entre a ‘fonte’ e o esquema criminoso. Buscava mostrar, no entanto, que o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu teria ajudado a Delta, de alguma forma, a “entrar em Brasília” durante a gestão do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda. Policarpo Jr. estaria com dificuldades para comprovar a história, pois Arruda, um dos líderes do DEM, posteriormente afastado do cargo por corrupção e condenado da Justiça Federal, seria adversário ferrenho de Dirceu, um dos principais líderes do PT. Ainda assim, o diretor da Abril S/A tentava confirmar se houve mesmo uma reunião em Itajubá (MG) e estaria tentando um flagrante da entrega de “dinheiro vivo”. O bicheiro, porém, negou que a reunião tenha existido e desmentiu a informação.

No final de semana anterior, Veja publicara a reportagem “O segredo do sucesso”, em que vinculava o crescimento da empresa Delta à consultoria de José Dirceu. Segundo Cachoeira, no diálogo gravado pela PF, Policarpo Jr. o consultava porque confiava nele.

“Aquela hora eu tava com Policarpo, rapaz. Antes do almoço ele me chamou para conversar. Mil e uma pergunta, perguntou se a Delta tinha gravação, defendi pra c… vocês, viu. […] O Policarpo, ele confia muito em mim, viu? Vô ter que mostrar a mensagem que ele mandou antes, 10 horas da manhã para me encontrar aqui em Brasília, eu tava aqui fui me encontrar com ele.”

Mesmo diante da resposta de que Cachoeira teria defendido a empresa, Cláudio Abreu questiona:

“O cara vai aliviar pra cima da gente?”

O contraventor então confirma que “a história” que Policarpo Jr. queria era outra e pede que o ex-diretor da Delta esqueça o assunto.

“Não, não fala que eu te falei tá? Mas a história (de Policarpo) tá em cima de Itajubá, tá na reunião, que aquilo lá já deu, esquece, ô, Claudio, esquece, falei mil e uma coisa.”

Leia também:

O triste fim de Policarpo [e da Veja?], de Leandro Fortes

Tags: , , , , , , , ,

Uma resposta to “Depoimento de procuradora piora situação de Policarpo Jr., diretor da Veja”

  1. Oylas Pereira dos Santos Says:

    A CPMI, pode colocar o parlamento nacional, no mais profundo descrédito, se não ouvir policarpo jr, como indiciado.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: