Celso Amorim: “O Brasil tem um papel importante na promoção da paz.”

17/04/2015

Celso_Amorim11

“Questões como a América do Sul, África, Ibas (Fórum de Diálogo Índia-Brasil-África-do-Sul) são as que hoje precisam de uma certa injeção de ânimo.”

Willian Habermann, com a colaboração de Tatiana Berringer, via Carta Maior em 10/4/2015

As discussões sobre a Política Externa estão, atualmente, cada vez mais em voga, muito disso causado pelo atual contexto, tanto interno quanto externo. Por esse motivo, o Site Brasil no Mundo entrevistou o embaixador Celso Amorim, que foi considerado por David Rothkopf, editor da revista Foreign Policy, como o “melhor embaixador do mundo”.

Celso Luiz Nunes Amorim foi ministro das Relações Exteriores durante o governo de Itamar Franco, e retornou a esse cargo em 2003 no Governo de Lula da Silva, se manteve como ministro até 2010, e, em 2011 se tornou ministro da Defesa do Governo Dilma. Durante a sua atuação no governo Lula, Celso Amorim foi um dos responsáveis, conjuntamente com o presidente Lula, por uma inovação na política externa brasileira que sem dúvida promoveu uma elevação da importância internacional do País.

Responsável por importantes mudanças na condução da política externa brasileira, o embaixador Celso Amorim nos relata, nessa entrevista, alguns pontos de seu mais novo livro Teerã, Ramalá e Doha: as memórias da política externa altiva e ativa, assim como alguns desafios para a continuidade dessa política que é de extrema importância para o papel do Brasil no mundo.

Leia abaixo a entrevista na íntegra:

O senhor está lançando um livro cujo subtítulo é “memórias da política altiva e ativa”. A ideia de memórias deve ser interpretada como algo pretérito?
Celso Amorim: As minhas memórias são sim pretéritas, mas isso não quer dizer que a política altiva e ativa não continue, o que consta no livro são as minhas memórias de alguns aspectos da política externa durante o governo do presidente Lula e enfim, poderia dizer muitos outros aspectos, podendo dividir tal política em várias outras partes, mas sem dúvida outros escreverão a continuação dessa política, por isso acredito que não deve ser interpretada como algo terminado.

O senhor acredita que houve uma inflexão da política externa na gestão Dilma ou houve uma continuidade daquilo que foi iniciado em 2003?
Celso Amorim:
Cada pessoa tem o seu estilo e isso é uma coisa natural e faz parte da vida, as pessoas marcam com a sua personalidade as políticas que elas seguem. No entanto, eu diria que no princípio, houve um momento, enquanto eu ainda não era ministro da Defesa, em que eu tive uma pequena divergência em relação ao voto que foi dado no Conselho de Direitos Humanos sobre o Irã, que na minha opinião não era a melhor maneira de se engajar no tema. Contudo, talvez o que tenha havido seja uma mudança de intensidade devido a outras prioridades, outras preocupações que são compreensíveis.

Haveria então um contexto internacional diferente no governo Lula em relação com o governo Dilma que traz alguma diferença na atuação internacional do Brasil?
Celso Amorim:
Sem dúvida o contexto internacional num período de oito anos muda muito, mas eu também não diria que é radicalmente diferente do contexto que o presidente Lula enfrentou após a crise do Lehman Brothers, claro que nesse caso a diferença era que o Lula já estava no governo e já havia iniciado várias coisas. De qualquer forma, não tenho dúvida que a presidenta Dilma deu mais atenção a temas internos do que aos temas internacionais. Dito isso, houve acontecimentos muito importantes no plano internacional, como por exemplo o banco dos Brics, pois, chegar a desenvolver a ideia e ainda conseguir chegar a um acordo preciso sobre isso foi um grande avanço. Mesmo na minha área, a da Defesa, existem temas que têm relação direta com a política internacional, e que foram objeto de decisão da presidenta, a exemplo da aquisição dos caças para a nossa força aérea, que na minha opinião foi uma decisão muito correta. Com isso, eu não diria que houve uma descontinuidade em termos de política, houve talvez uma mudança de intensidade, ditada por fatores ligados ao momento atual, e também à persistência da crise internacional que seguramente contribuiu para isso.

Quais, a seu ver, deveriam ser as prioridades da política externa neste segundo mandato da presidenta Dilma?
Celso Amorim:
Bom, eu não sou mais ministro das Relações Exteriores e acredito que a presidenta tenha escolhido um ministro muito competente, que é o embaixador Mauro Vieira, e cabe a ele dizer quais são as prioridades do segundo mandato da presidenta. Porém, na minha opinião, é necessário, obviamente, consolidar tudo que foi feito em termos de integração sul-americana, reforçar a Unasul, assim como consolidar a política africana. Não quero dizer, de maneira alguma, que não existam iniciativas novas a tomar, mas acredito que ainda haja diversas coisas que precisam ser consolidadas, digo isso porque durante o governo do presidente Lula, no qual eu tive a honra de ser um instrumento, foram iniciadas muitas frentes, claro que não mais do que podemos levar adiante, porque podemos, o problema é que essas várias frentes exigem um esforço contínuo para que sejam consolidadas. Então eu diria que nesse aspecto, questões como a América do Sul, África, Ibas, são as que talvez estejam precisando de uma certa injeção de ânimo. Principalmente o Ibas, pois este não é um projeto natural como o Brics. O Brics demonstrou-se tão natural que quem percebeu a sua existência inicialmente foi o mercado, nós apenas o organizamos. Já o Ibas é uma entidade ao meu ver muito importante, pois são três democracias, cada uma em uma parte do mundo em desenvolvimento, multiculturais, sociedades plurais, e são ao mesmo tempo três países que aspiram uma mudança grande na organização internacional, o que é uma certa diferença dos dois outros países do Brics que são membros permanentes do Conselho de Segurança. Por esse motivo o Ibas precisa de um tonificante, até porque não se fez muita coisa a seu respeito nestes últimos quatro anos, muito provavelmente porque não se podia, de qualquer forma uma injeção de ânimo é necessária. Um outro ponto que, evidentemente, deveria voltar a ser uma prioridade, na medida que haja condições, é a Rodada de Doha, que é um tema aliás do meu livro, em que eu mais ou menos procuro mostrar que conseguimos chegar muito perto de um acordo. Mas sob a tutela do nosso compatriota Roberto Azevedo, acredito que novamente há uma chance de se levar adiante, talvez não seja uma conclusão tão ambiciosa quanto nós queríamos, talvez seja parcial, e depois tenha que se continuar, mas de qualquer maneira, ainda que parcial, ela tem que ser equilibrada, ela não pode ser só o que é do interesse de um grupo de países e não de outros. No nosso caso, os subsídios agrícolas são certamente um ponto central.

Para tentar pensar um pouco neste momento da chegada de Roberto Azevedo à OMC, gostaria de saber o que mudou entre a primeira vez que o Brasil se candidata durante a sua gestão, para o momento do Roberto Azevedo? Quais foram os ganhos da participação do Brasil durante os anos do G20 e deste processo que garante ao Brasil essa nomeação?
Celso Amorim:
O ganho maior foi o próprio G20, cuja existência foi consolidada na Conferência de Cancún no México e que mudou de maneira definitiva a forma que se negocia na OMC. Os países em desenvolvimento passaram a ter muito mais peso, e dentro destes países temos Brasil e Índia. Acredito que a candidatura do embaixador Seixas Corrêa, que esteve muito ligado à criação do G20, ajudou muito na consolidação desse projeto, porque serviu a nós a pregação de qual é a OMC que queríamos, e talvez sendo um pouco ambicioso, eu diria que foi uma espécie de “anticandidata”, mesmo não tendo muita esperança, achávamos que era possível dependendo de algumas configurações, mas o mais importante era que a candidatura do embaixador Seixas Corrêa era um trabalho de convencimento e persuasão da necessidade de se mudar a OMC. Na época, evidentemente, a mídia criticou muito o que teria sido o “fracasso” da candidatura brasileira, mas o mais importante é que na eleição seguinte em que o Brasil se candidatou nós conseguimos tal feito, na verdade isso foi um passo dentro deste processo de afirmação de uma maior presença brasileira, respeitada e aceita, obviamente, pelos países em desenvolvimento mas também por países desenvolvidos.

E como o senhor avalia o acordo Nuclear que o Brasil e Turquia fizeram com o Irã? E quais seriam as diferenças deste acordo com o proposto atualmente pelos Estados Unidos e já questionado por Israel?
Celso Amorim:
Sou muito a favor do acordo que está sendo apresentado agora, estou até me considerando “Obamista”, com exceção ao que ele disse sobre a Venezuela, que na minha opinião foi um grande erro, mas temos também a reaproximação com Cuba, que é obviamente um fato transcendental do ponto de vista da história contemporânea e muito especialmente pra nossa região. Já a possibilidade do acordo nuclear entre Estados Unidos e Irã, nas palavras, não minhas, mas do editor chefe da revista Foreign Policy, seria o maior legado do governo Obama. Claramente, o acordo proposto pelos Estados Unidos não é igual ao nosso acordo. O acordo turco-brasileiro não foi inventado por nós, nós apenas negociamos os detalhes, que eram na realidade detalhes do ponto de vista da justificativa política, do quadro geral, e não detalhes do conteúdo concreto. Este conteúdo foi apresentado pelos Estados Unidos, com apoio da Agência Internacional de Energia Atômica, em setembro de 2009, o que nós fizemos foi conseguir que, após 6 meses de conversa, o governo iraniano aceitasse as propostas. O acordo turco-brasileiro era na realidade uma declaração do Irã aceitando os pontos que o Ocidente achava necessário para criar a confiança, e então se negociar um acordo definitivo. Acredito que o fato de não se ter negociado um acordo naquela época fez com que se perdesse muito tempo, pois foram dois anos com sanções que geraram sofrimento ao povo iraniano. Além disso, naquela época, o governo iraniano possuía cerca de 2 mil quilos de urânio levemente enriquecido, o que talvez fosse suficiente para criar uma ou duas bombas, se tirassem os 1,2 quilos como estava colocado no nosso acordo, não sobrava urânio para fazer nem uma bomba. Hoje, o Irã possui 8 mil quilos. Não estou dizendo que eles queiram fazer uma bomba, pois eu não creio que seja verdade, eles podem até querer ter uma capacidade nuclear desenvolvida, mas na minha opinião, ter uma arma atômica não é ter um arsenal nuclear, ter uma arma atômica é praticamente um ato suicida. Seja como for, se era uma causa de preocupação eles terem 2 mil quilos naquela época, hoje eles têm 8 mil e vão mantê-los, haverá no máximo uma limitação do máximo que eles podem produzir. Dito isso, eu acho que o acordo é muito importante, mas acho também que se perdeu muito tempo, pois as negociações hoje estão sendo feitas a partir de um patamar muito pior.

Como o senhor avalia hoje o quadro geopolítico na América Latina, sobretudo a crise na Venezuela, no Brasil e na Argentina?
Celso Amorim:
Eu não vejo nenhum problema geopolítico grave na América do Sul, acho que temos questões diferentes. Há pouco tempo ouvi que sempre que se tem uma crise em um país, outros países também acabam entrando em uma crise, não é bem isso. Todos estes países, em graus variados, são muito dependentes de commodities, e quando cai o preço das commodities no mundo, isso os afeta diretamente, afeta até mesmo países mais estáveis como o Chile, que também está sofrendo com a situação internacional. Claro que há componentes específicos em cada país, no entanto, acredito que a situação mais preocupante, obviamente, é a da Venezuela, e eu acho que da mesma maneira que ajudamos no Grupo de Amigos da Venezuela, nós temos toda a condição de ajudar agora. Principalmente dentro deste marco que está colocado na Unasul, claro que isso exige muita presença, muita conversa, muita discussão e exige que dentro dos facilitadores haja elementos capazes de falar com a oposição. É necessária uma conversa para facilitar o diálogo, não adianta querer impor como os venezuelanos vão resolver o problema, nós podemos ajudar para que eles dialoguem, podemos sugerir um ou outro caminho. No entanto, também acredito que na Venezuela o foco principal são as próximas eleições.

O senhor acredita que seria o momento de retomar uma opção próxima ou igual ao Grupo de Amigos da Venezuela?
Celso Amorim:
Mas já há na realidade, acontece que na época não tínhamos a Unasul. Dessa forma, quando se criou o grupo houve um cuidado de não parecer que era uma intervenção de um grupo de países. Para isso nós nos utilizamos do marco jurídico da Organização dos Estados Americanos, porque já havia uma resolução que dava poderes ao secretário geral da OEA para intermediar. Então acredito que agora não há necessidade disso, acho até que não ajudaria muito, pois poderia criar mais resistências dentro da Venezuela. O que eu acredito que seja importante, dentro da Unasul, é que os países que estão mais envolvidos com este caso, que são o Brasil, o Equador e a Colômbia, se juntem com outros países, como o Chile e o Uruguai, a fim de se ter diferentes opiniões, pois acredito que dessa forma, a pressão não cairá em cima de um só país

O senhor, como ministro no governo Itamar Franco, esteve presente quando a ideia da Alca foi lançada, e neste ano fará dez anos de Mar del Plata, cúpula em que este projeto foi arquivado. O senhor considera que este projeto foi realmente enterrado ou ainda pode voltar às mesas de negociação?
Celso Amorim:
Só se for como lobisomem, porque realmente este projeto da forma que estava redigido não tem como resistir, digo isso porque a Alca era um projeto claramente de hegemonia americana e foi concebido mais ou menos quando a União Europeia consolidou a sua união através do Tratado de Maastricht, ou seja, a Alca era uma espécie de criação de uma reserva, e nasceu um pouco dentro deste quadro e claro que também dentro do quadro daquelas ideias de livre comércio e de abertura na área de investimentos, serviços etc. Claro que naquela época ainda havia a possibilidade de um ressurgimento da Alca, no entanto, a Cúpula de Mar del Plata ajudou a enterrar este projeto e foi lá que foi colocada a sua lápide. Porque em termos de negociação, o período crucial foi até a reunião de Miami, na qual chegamos em um acordo do que seria uma Alca possível e com o acordo de todos. O que se viu em seguida é que aquela Alca de forma aceitável a todos não atraía muito aos próprios proponentes, e aos poucos os Estados Unidos foram perdendo interesse. Para nós, na negociação de Miami o projeto era perfeitamente aceitável, mas se em retrospecto você me perguntar se era melhor ter tido ou não, eu acho que foi melhor não ter tido mesmo. Porém, do jeito que estava em Miami daria para conviver, porque ficava limitado a negociação da área de bens e que seria feita multilateralmente e isso permitiria uma negociação razoável. Mas com a evolução, os próprios Estados Unidos se desinteressaram, porque havia dois lados, no nosso o que era possível se fazer em agricultura, e do lado norte-americano principalmente a questão da propriedade intelectual.

Para finalizar, nós gostaríamos de saber o que o senhor deixaria de recado aos jovens que estão estudando Relações Internacionais.
Celso Amorim: Bom, este é o terceiro livro que eu escrevo com este objetivo, mas primeiramente acho que temos que acreditar no Brasil e eu estou convicto que em termos de política externa e em termos de presença do Brasil no mundo, a nossa linha é ascendente. Claro que ascendente com algumas flutuações, dependendo de situações algumas que não estão ao nosso controle, mas a linha geral é ascendente e acredito que isso vai fazer com que o Brasil reconheça, como já reconheceu no passado, que é preciso ter um serviço diplomático a altura do seu tamanho, do seu potencial. Nestes três processos diplomáticos que eu apresento no meu livro, a presença do Brasil era requisitada, pois éramos vistos como um país que podia encaminhar soluções. No caso da Declaração de Teerã, na verdade foi o presidente Obama que nos pediu o envolvimento na negociação e pediu que nós ajudássemos na relação com o Irã. No caso do Oriente Médio, por exemplo, a nossa presença na Conferência de Anápolis foi pedida pela Palestina, aceita por Israel e endossada pelos Estados Unidos. Então, acredito que o Brasil tenha um grande potencial, não só aquele que decorre do seu tamanho, da sua população, mas em função destes fatores todos, ele tem também um papel importante a desempenhar na promoção da paz, seja de forma mais direta como no Haiti ou em outras operações, seja também através da ação diplomática, que pode ser no comércio ou em outras questões.

Willian Habermann é aluno de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC); Tatiana Berringer é professora de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC) e integrante do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais/GR-RI.

Sem noção: Presidente da “bancada da bala” anuncia projeto que dá porte de arma a deputados

17/04/2015
Bancada_Bala_Alberto_Fraga01

Deputado Alberto Fraga (DEM/DF), integrante da “bancada da bala”, defende projeto que permite porte de armas por deputados.

Alberto Fraga (DEM/DF) diz que iniciativa foi motivada por ameaças de morte nas redes sociais.

Júnia Gama em 9/4/2015

Presidente da chamada “bancada da bala”, composta por deputados da Frente Parlamentar de Segurança Pública, que defendem projetos de endurecimento das regras penais e cultivam comportamento agressivo na Câmara, Alberto Fraga (DEM/DF), anunciou na tarde desta quinta-feira que irá protocolar projeto de lei para permitir o porte de armas aos parlamentares.

O deputado disse que sua iniciativa foi motivada por supostas ameaças de morte em suas páginas nas redes sociais após a votação, na noite de ontem, do projeto que amplia a terceirização de trabalhadores. Segundo Fraga, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), também foi ameaçado.

“Antes que a imprensa comece a fazer seu carnaval, eu vou anunciar que vou entrar com o projeto de lei para permitir porte de arma para deputados federais. Quem não quiser, não use! Agora, se ministro tem direito, se juiz tem direito, se promotor tem direito, porque o deputado não pode ter direito?”, questionou Fraga.

Alberto Fraga, que foi dos quadros da polícia Militar e é ex-secretário de Transportes de José Roberto Arruda, que chegou a ser preso pelo que ficou conhecido como “mensalão do DEM”, disse que irá encaminhar as ameaças à polícia legislativa para que se instaure inquérito.

“No meu Facebook, fui ameaçado de morte e Vossa Excelência também. Tenho aqui os dados que apontam para isso, criaram um fake, mas o fato é que um senhor estava dizendo que Vossa Excelência seria o próximo a morrer após a votação do terceirizado”, disse o deputado, referindo-se a Eduardo Cunha.

A Vênus Platinada e seu ovo de serpente

17/04/2015

Globo_Ninho Tucano Globo

Privilegiadíssima pelo oligopólio midiático que lidera – e encorajada pelo acovardamento do partido que governa o país – a Rede Globo choca seus ovos de serpente.

Via Brasil de Fato em 9/4/2015

Em 2010, quando Maria Judith Brito, então presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) e executiva do grupo Folha de S.Paulo, anunciou que a imprensa deveria assumir, de fato, “a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada”, escancarou o ovo de serpente que estava sendo chocado.

O filme O ovo da serpente, do sueco Ingmar Bergman, produzido em 1977, retratou a Alemanha dos anos pós 1ª Guerra Mundial, e captou com magistral sutileza uma sociedade à beira do caos econômico e político, onde já era possível vislumbrar o réptil que estava sendo gerado: o nazismo.

Muitas das faixas carregadas na avenida paulista, na manifestação do dia 15 de março, se devem à essa partidarização da mídia brasileira. Sem as amarras da legislação que regem os partidos políticos, a mídia se sentiu livre para criminalizar a política, de modo geral, e, especificamente, destilar seu ódio de classe contra o partido que venceu as últimas quatro eleições presidenciais, o PT.

Até poucos anos atrás, era impen­sável imaginar que os setores retró­grados, minoritários e que sempre existiram, se atreveriam ir às ruas carregando faixas com a suástica nazista ou pedindo a volta da ditadura militar. Sentiram-se encorajados e incentivados por um único motivo: também fazem oposição ao atual governo federal.

Não se esconde mais a baba de ódio e de preconceito desses grupos fascistas. Os alvos preferidos são os esquerdistas, comunistas, os negros, os nordestinos, os petralhas, gayzistas, feministas, bolivarianos, chavistas etc. São alvos por causa da sua militância política e pela sua posição social, gênero e/ou raça.

Ver o senador tucano Aloysio Nunes, de honroso passado de lutas contra a ditadura militar, dizer com mórbido prazer que quer sangrar a presidenta da República é algo estarrecedor. Talvez, ele, com sua face crispada de ódio, sintetize o melhor retrato da transformação que vem ocorrendo em nossa sociedade.

Privilegiadíssima pelo oligopólio midiático que lidera – e encorajada pelo acovardamento do partido que governa o país – a Rede Globo choca seus ovos de serpente.

Haverá a história de elucidar quem se­gurava a faca no pescoço do STF, durante o julgamento da Ação Penal 470 – o mensalão petista –, denúncia feita por um dos ministros do próprio Supremo. A espetacularização midiática daquele julga­mento assegurou o resultado desejado e anunciado insistentemente pela mídia, às custas de que a verdade é uma quimera.

É vergonhosa, e cada vez mais escancarada, a forma como mídia partidariza o seu jornalismo. Escândalos nos governos aliados a seus interesses, principalmente dos tucanos, não são notícias. A conta-gotas se noticia a corrupção existente no transporte público de trens em São Paulo, governado há duas décadas pelo PSDB.

Sobre o governo de Aécio Neves, em Minas Gerais, só há espaços para elogios e para enaltecer seu “choque de administração”. Veremos como será noticiado/ocultado a radiografia das finanças do Estado, feita nesses primeiros 100 dias de governo petista em Minas.

Deverá receber tanto destaque quanto recebeu o helicóptero apreendido com 450 quilos de pasta de cocaína, pertencente (o helicóptero!) ao senador amigo e aliado político do senador Aécio Neves.

O mensalão tucano, devolvido à primeira instância do poder Judiciário – direito negado aos petistas – espera apenas, tudo indica, prescrever e deixar impunes tucanos gordos e vivos.

As vezes que aparece o nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em denúncias que possam ligá-lo aos casos de corrupção, há sempre a sutil observação de edito­res atentos: podemos tirar, se achar melhor.

Há que se reconhecer, no entanto, que esse zelo que a mídia tem pela imagem de alguns partidos não se restringe aos tucanos. O senador Agripino Maia (DEM/RN), desfila alegremente nas passeatas como paladino da ética na política e na luta contra a corrupção, mesmo acusado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot, de cobrar pro­pinas para permitir um esquema de corrupção no serviço de inspeção veicular, no seu Estado.

E Demóstenes Torres, ex-senador e procurador de Justiça acusou o senador Ronaldo Caiado (DEM/GO) de roubar, mentir e trair, ter campanhas eleitorais financiadas pelo contraventor Carlos Cachoeira e de passar férias na Bahia à custa da empresa OAS. Virou mais uma não-notícia, na mídia partidarizada.

Não bastasse a corrupção partidária em suas fileiras, a mídia agora precisa não noticiar as milionárias contas bancárias mantidas no HSBC, na Suíça e a bilionária sonegação e impostos, desbaratada pela Polícia Federal, na Operação Zelotes.

No primeiro caso aparece até mesmo a viúva de Roberto Marinho, Lily de Carvalho. Integrantes da família Saad, donos da Rede Bandeirantes, também estão lá, juntamente com os da Rádio Jovem Pan. Não é ilegal ter uma conta bancária no exterior, desde que declarada à Receita Federal.

Na operação Zelotes, está lá a RBS, umas das principais afiliadas da Rede Globo. Começam a ser tantos os fatos não noticiados que será necessário au­mentar o tempo das novelas.

FHC quer terceirizar oposição com Justiça, mídia e protestos

17/04/2015

FHC_Aecio_Anastasia

Nem PSDB, muito menos DEM. As armas da oposição são seus homens na Justiça, sua mídia de bico amarelo e os protestos da direita raivosa.

Antonio Lassance, via Carta Maior em 12/3/2015

FHC fez na sexta-feira, dia 10/4, mais uma de suas palestras remuneradas. Embora fosse um evento sobre comércio eletrônico (Vtex Day 2015), alguém deu uma forcinha para patrocinar o oposicionismo do ex-presidente.

A palestra que o dinheiro pode comprar foi dada em evento patrocinado por gigantes como o grupo Mercado Livre (bem apropriado, não?), Mastercard e Walmart.

A imprensa amiga de FHC, toda ela, omitiu o evento e apenas reproduziu a frase que parece ter sido tirada de um mesmo release. Veja, Estadão, O Globo, Folha, os Diários Associados e tantos outros candidamente “informaram” que FHC fez “palestra para empresários e trabalhadores do setor de tecnologia”.

Será mesmo que algum trabalhador desse setor desembolsou R$850,00 para obter um dos ingressos VIP que davam acesso ao seleto grupo que ouviu FHC? Improvável.

A manchete quase unânime extraída de sua fala, que também parece copiada e colada do mesmo release, é a de que, para o ex-presidente, “Dilma perdeu capacidade de liderança e entregou o governo”, pois deu a chave do cofre do governo a Joaquim Levy e a coordenação política a Michel Temer.

O homem que esqueceu-se do que escreveu parece ter se esquecido de como governou. FHC entregou a economia a Pedro Malan, que agia como czar da economia como nunca se viu desde a ditadura militar. E entregou o Banco Central a um funcionário de George Soros.

O ex-presidente também se notabilizou pela entrega dos ministérios ao rateio dos partidos, de forma tão desbragada que popularizou a expressão “porteira fechada” – ou seja, você entrega a chave do ministério a um partido que nomeia e faz o que bem entender, sem ser incomodado pelo presidente da República.

A imprensa amiga, para variar, deixou escapar o essencial da fala de FHC: sua recomendação de que a oposição a Dilma deve ser terceirizada.

Nem PSDB, muito menos DEM. As armas da oposição são seus homens na Justiça, sua mídia de bico amarelo e os protestos convocados pela direita raivosa.

Verbis para o ex-presidente:

“Neste momento, a saída [quanto ao governo Dilma] passa pelos protestos de rua, pela Justiça funcionar e a mídia dizer o que está acontecendo.”

Fosse alguém da esquerda pronunciando a frase, seria acusado de produzir teoria da conspiração, pois todos os juízes do país são tão neutros quanto um sabão em pó; tão isentos quanto a mídia cartelizada; tão apartidários quanto os protestos que atraem Bolsonaro (que continua firme e forte no incorruptível Partido Progressista), Paulinho da Força e Agripino Maia.

Com uma oposição terceirizada, Aécio Neves pode continuar convocando gente para ir às ruas enquanto fica apenas acenando da janela de seu apartamento na Vieira Souto, desfrutando seu domingo.

Antonio Lassance é cientista político.

Leia também:
Há 10 anos, caso que pode implicar o PSDB em corrupção aguarda por investigações
Vagabundo: FHC foi aposentado aos 37 anos e Ruth se aposentou aos 55
Como tucano gosta de aeroporto: Camargo Corrêa dá de “presente” um aeroporto na fazenda de FHC
Em 1999, Brasil perdia R$1 bilhão por dia e FHC foi para a praia
Para Dilma, a corrupção foi ignorada no governo de FHC
Autocrítica: No final de seu mandato, FHC reconheceu que seu governo foi um desastre
Bandeira de Mello: “Não há exemplo na história de entreguismo tão deslavado quanto no governo FHC.”
Datafolha confirma: FHC foi o pior presidente do Brasil pós-ditadura
Com uma frase, Dilma desmontaria o golpe pretendido por FHC
O segredo do caixa 2 de FHC
O golpismo vulgar e a biografia de FHC
Para ler, divulgar e guardar: O legado de FHC e outras “obras”
O golpismo vulgar e a biografia de FHC
A trama imunda do impeachment de Dilma
Ives Gandra e um parecer a serviço do vale-tudo
Nos tempos do engavetador-geral de FHC

Com uma frase, Dilma desmontaria o golpe pretendido por FHC
FHC, a esquerda e a direita
FHC: “Sou de esquerda, mas ninguém acredita.” Por que será?
Privataria: Ano a ano, os estragos que FHC fez na Petrobras
Ao criticar o governo, FHC esqueceu o próprio passado
FHC e a miopia política
Paulo Moreira Leite: FHC, o homem da máscara de ferro do PSDB
FHC: O conformista inconformado
Nos tempos de FHC: Está explicado por que a PF tucana nunca investigou nada
FHC quer ser o guru de todos os golpes
O PSDB é o sarcófago do Plano Real
Coisas sobre o Plano Real que o PSDB não fala
Cadu Amaral: Vídeo para os mais novos conhecerem um pouco sobre o governo FHC
Os rolezões de FHC com direito à companhia de Regina “tô com medo” Duarte e outros sanguessugas
Paulo Moreira Leite: Relato sobre uma viagem de FHC a Portugal, em 2002 (e a Nova Iorque)
Desigualdade caiu 1,89 com FHC e 9,22 com Lula
Quando a criação de 1,1 milhão de empregos é crise: O governo invisível não quer Dilma
PSDB diz que é escândalo emprestar dinheiro a Cuba. Esqueceram de perguntar por que FHC emprestou
FHC foi o mais conivente com corrupção, diz pesquisa
Vídeo: Por que a PF tem saudades de FHC
Laudo da PF engavetado no governo FHC ligava Youssef à caixa de campanha de Serra e do próprio FHC
Vídeo: Jornal Nacional diz que na gestão de FHC a fome matava 280 crianças por dia
FHC e a legitimidade das eleições
Investigações aumentam ligações da gestão FHC à corrupção na Petrobras
Lobista joga a Operação Lava-Jato no colo de FHC
Pedro Barusco, o homem de 100 milhões de dólares, rouba desde os tempos de FHC
Lei de FHC afrouxou controles na Petrobras
FHC, o engavetador da corrupção
FHC: A plataforma P36 e a corrupção na Petrobras
Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras
Negócio mais polêmico da Petrobras vem da era FHC
Adriano Benayon: O Brasil e a Petrobras
Marajás da USP: Historiador Boris Fausto recebe R$45 mil; Delfim Netto, R$28 mil; e FHC, R$22 mil
FHC sobre regulação da mídia: “Não vou falar mal de meus amigos.”

Janio de Freitas: Direito de resposta a FHC
Laudo da PF engavetado no governo FHC ligava Youssef à campanha de Serra e do próprio FHC
Para jornal O Globo, esquema de propina na Petrobras vem desde a era FHC
Seca de investimentos: Sabesp deu R$500 mil para projeto de instituto de FHC
País fecha 2013 com saldo de 1,1 milhão de vagas com carteira assinada
Mitos tucanos: FHC é o pai do Bolsa Família?
Adriano Benayon: É bom desmascarar essas levianas declarações de FHC
Recordar é viver: FHC cortou distribuição de cestas básicas a pobres
Graças a FHC, rádios e tevês recebem R$4,3 bilhões pelo horário eleitoral “gratuito”
Acordando a memória perdida de FHC
Você sabia que “consultores” da Globo eram integrantes do governo FHC?
Caluniador de filho de Lula na internet é executivo do instituto FHC
Recordar é viver: Para FHC, professor é “coitado” que não conseguiu ser pesquisador
A empresa que espionava o Brasil prestava consultoria ao governo FHC
A quem FHC pensa que engana com sua conversa de virgem em lupanar?
Privataria, reeleição e o cínico FHC
Recordar é viver: FHC mexeu no dinheiro dos mais de 70 anos e dos deficientes físicos
Recordar é viver: A história da fazenda de FHC
Palmério Dória: Por que FHC não está preso?
Espionagem: Um terremoto chamado Snowden
Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobrax, quer dizer, Petrobras
Banqueiro do propinoduto paulista vendeu apartamento a FHC. Já pensou se fosse o Lula?
O Príncipe da Privataria: Livro revela como FHC comprou a reeleição
O Príncipe da Privataria: A Folha confirma o nome do “Senhor X”
Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu
Leandro Fortes: A privataria e as desventuras do príncipe
Por que o mensalão tucano, a Lista de Furnas e os processos contra Aécio no STF não andam?
Lista de Furnas é esquema comprovado e repleto de provas na Justiça
Tatto defende CPI da Privataria e cobra explicações de FHC sobre Lista de Furnas
Se quiser, Joaquim Barbosa já pode avocar o processo da Lista de Furnas
Lista de Furnas: Deputados do PSDB são acusados de pressionar lobista preso
Lista de Furnas: Amaury Ribeiro já tem documentos para o livro A Privataria Tucana 2
Advogado acusa réu do mensalão tucano de ser mandante da morte de modelo
Perseguido por Aécio e com medo de ser assassinado, delator do mensalão tucano está em presídio de segurança máxima
TJ/MG: Processo que incrimina governantes mineiros desaparece
O Príncipe da Privataria: Livro revela como FHC comprou sua reeleição
Emprego: Um semestre de Dilma é melhor do que oito anos de FHC
Por que a reeleição de FHC nunca chegou ao STF
Para a reeleição de FHC, Cacciola doou R$50 mil
Proer, a cesta básica dos banqueiros
FHC só lançou programas sociais a quatro meses da eleição de 2002
A Folha noticiou a compra de votos por FHC para a reeleição, mas depois se “esqueceu”
Histórico catastrófico da era FHC
O que Dilma deve a FHC para ser chamada de ingrata?
Vídeo: Entenda como e por que FHC quebrou o Brasil três vezes
Celso Lafer descalço em aeroporto exemplifica submissão de FHC aos EUA
Em vídeo, Itamar Franco esclarece que o Plano Real não é obra de FHC
Salário mínimo: As diferenças entre os governos FHC e Lula/Dilma
Vídeo: Já pensou se fosse o Lula? FHC embriagado na Marquês de Sapucaí
FHC, o reacionário
Conheça o apartamento de FHC em Paris. Ele tem renda pra isso?
Vídeo: FHC tenta mentir em programa da BBC, mas entrevistador não cai nas mentiras
Adib Jatene: “FHC é um homem sem palavra e Serra, um homem sem princípios.”
FHC comprou o Congresso: Fita liga Sérgio Motta à compra de votos para reeleição
FHC comprou o Congresso. O STF não vai fazer nada?
FHC disse muitas vezes: “Não levem a sério o que digo.”
FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?
O retrato do desgoverno de FHC
Governo FHC: O recheio da pasta rosa e o caso do Banco Econômico
Os crimes de FHC serão punidos?
O Brasil não esquecerá os 45 escândalos que marcaram o governo FHC
FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”
As viagens de FHC, de Lula e a escandalização seletiva
Dinheiro da CIA para FHC
A festa de 500 anos do Brasil de FHC dá prejuízo de R$10 milhões ao estado da Bahia
FHC: PSDB está longe do povo. Partido nem sequer sabe o que é povo
Com indicação de FHC para ABL, Sarney faz Ayres Britto esperar a morte de outro “imortal”
Vídeo em que FHC chama os aposentados de vagabundos
Documentos revelam participação de FHC e Gilmar Mendes no mensalão tucano
FHC: “Nós, a elite, temos tendência à arrogância.”
FHC e o vitupério
Bob Fernandes escancara a relação de FHC com a espionagem dos EUA
Contratada por FHC, Booz Allen já operava como gabinete de espionagem dos EUA
Se cuida, FHC: Vem aí a CPI da Espionagem da CIA
A empresa que espionava o Brasil prestava consultoria ao governo de FHC
Era Lula cria mais empregos que FHC, Itamar, Collor e Sarney juntos
FHC já defendeu uma nova Constituinte, mas agora acha autoritarismo. Pode?
FHC se diz contra 100% dos royalties para a educação
FHC já admite que Aécio não tem condições de ser candidato
FHC é o bafômetro de Aécio
FHC não mostrou o Darf
Como a Globo deu o golpe da barriga em FHC e enviou Miriam para Portugal

Jornalismo de esgoto: Veja é desmascarada mais uma vez

17/04/2015

Argentina_Veja_Mentira

A Veja publicou que uma embaixadora argentina tinha milhões de dólares no Felton Bank. O banco desmentiu essa informação. Será que a Veja vai se retratar?

Marcelo Justo, via Carta Maior em 13/4/2015

A truculenta história inventada pela Veja e reproduzida pelo Clarín se desfez em mil pedaços. O banco CNB confirmou que nem a embaixadora Nilda Garré, representante da Argentina na OEA, nem o filho de Cristina, Máximo Kirchner, tiveram contas no banco ou em seu antecessor, o Felton Bank de Dellaware, paraíso fiscal estadunidense. Numa carta para Garré, publicada no sábado,dia 11/4, pelo periódico argentino Pagina 12, a vice-presidenta do banco, Cassandra Guy, indicou que não existe nenhum registro de uma conta em seu nome no CNB ou no Felton.

No dia 30 de março, a revista brasileira Veja e o Grupo Clarín publicaram que Garré e Máximo Kirchner eram cotitulares de uma conta no Felton Bank, aberta em 2005, que tinha um saldo de US$41 milhões. Segundo as notas de ambas as publicações, cheias de condicionais, o dinheiro vinha do Irã, que teria pagado essa quantia para que a Argentina levantasse o pedido de detenção dos iranianos acusados pelo atentado contra a Amia (Associação Mutual Israelita), em 1994, que deixou 85 mortos. Numa tentativa de dar mais consistência à denúncia, apareceu um número de conta: 00049852398325985.

A grande repercussão da denúncia, que foi replicada através dos meios do Grupo Clarín (a Globo da Argentina) depois alcançou difusão internacional, não foram suficientes para tapar a fragilidade dos dados. O jornalista da Veja, Leonardo Coutinho, citava como fonte a um especialista internacional em finanças que não tinha nome e reconhecia não haver verificado a notícia de forma independente.

Mais estranho ainda, o Felton Bank, absorvido em 2011 pelo CNB, era um banco pequeno com um total de depósitos de US$71,8 milhões. Parecia altamente improvável que uma única conta desse banco tivesse US$41,7 milhões, ou seja, a metade dos fundos totais. Mais que isso, bastava consultar a informação oficial do FDIC (Federal Deposit Inssurance Corporation), organização estatal que regula os depósitos, era possível ver que a existência de uma conta como a que foi descrita na reportagem.

A FDIC só cobre depósitos de no máximo US$250 mil. Em seu relatório oficial, o organismo aponta que 91% do que foi depositado no Felton constava entre as operações que avaliaram. Com um cálculo matemático simples, observa-se que somente uns 6 milhões de dólares ficaram de fora dessa avaliação, por pertencer a contas com maior montante, ainda assim, não havia espaço para uma conta de US$41 milhões. Como havia dito Máximo Kirchner, na semana passada, a informação não só era falsa, senão ridícula. É tudo uma grande mentira, cuidadosamente planejada e dirigida. Nunca, nunca, nunca tive uma conta no exterior., disse Máximo Kirchner.

A suposta cotitular da conta, Nilda Garré, solicitou ao banco CNB – por fax, e depois pela via legal – que emitisse um certificado sobre se ela havia tido algum tipo de conta, seja como titular, cotitular, assinante em nome de alguma empresa. A resposta completa do banco, assinada por sua vice-presidenta e auditora, não dá margem a dúvidas: estimada senhora Garré, com relação ao seu pedido, estivemos revisando nossas contas e não há registro algum de uma conta em seu nome, nem no CNB nem no Felton Bank, confirma Cassandra Guy.

A denúncia da sociedade Veja-Clarín buscava atar ao mesmo tempo um suposto esquema de corrupção milionária com a morte do promotor Alberto Nisman, que comoveu a Argentina em janeiro, com figura de Hugo Chavez e com o Irã. Veja citou testemunhos supostos ex-agentes do governo venezuelano que maior contorno à denúncia, falando de uma relação íntima entre Garré e o ex-presidente Chavez que daria vergonha a 50 tons de cinza, e cujos êxtases podiam ser ouvidos de longe.

As datas levantadas por Veja e Clarín são tão incongruentes quanto a conta do Banco Felton e as referências eróticas. A hipótese era que o Irã havia pago, em 2005, uma quantidade multimilionária por um memorando assinado em janeiro de 2013, um caso único de suborno com oito anos de antecipação. Entre uma data e outra, tanto o ex-presidente Nestor Kirchner quanto a atual mandatária Cristina Kirchner denunciaram várias vezes o Irã na Assembleia Geral das Nações Unidas, por não colaborar com a Justiça argentina no Caso Amia. Em 2007, foram realizados os pedidos de alerta vermelho contra os funcionários de Teerã. Nada disso foi levado em conta.

Até o momento, nem Veja nem Clarín tiveram a dignidade de publicar um desmentido. Não é do feitio de nenhuma delas. Quando a revista brasileira publicou a primeira denúncia contra Garré, a funcionária argentina reivindicou seu direito de resposta e enviou uma resposta contundente, que a revista não publicou. Clarín sim publicou o desmentido, mas num canto inferior de uma página, em espaço quase invisível.

Nada disso importa, porque, como em toda a campanha de desinformação, o objetivo de ambas as publicações foi alcançado. Veja e Clarín semearam suspeitas sobre o governo de Kirchner e se serviram mutuamente como fonte informativa. Em suas notas, Clarín cita a Veja, que cita o Clarín, que cita a Veja, num círculo vicioso que não respeita a verdade e tampouco a ética. A denúncia foi publicada pelo Tea Party dos Estados Unidos e pelos fundos abutres desse país, como parte de sua longa batalha legal contra a Argentina. E tampouco se deve esperar que estas organizações publiquem desmentidos, supondo que lhe interessa resguardar o conceito de verdade e o bom nome dos denunciados.

Leia também:

Veja: Numa conversa entreouvida por um servidor…

Ricardo Melo: O linchamento de José Dirceu

Joaquim Barbosa é responsável pelos crimes da Veja

Depois de morto, Luiz Gushiken derrota Veja: o caso das falsas contas no exterior

Veja acusou o filho de Lula. E agora?

A Veja entregou o milionário tucano Álvaro Dias sem querer

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Dublê da Globo é o herói da Veja

Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

A Editora Abril traiu Aécio?

O jeito é Jânio: Operação Barbosa tem a Veja como porta-voz

A Globo, a Folha e a Veja versus José Genoíno

O doutor Joaquim Barbosa, a Veja, o domínio do fato e o apartamento em Miami

Se ainda tinha algum, Veja perde o pudor e prega vaia contra cubanos

Gilmar Mendes e o pitbull da Veja

Os 30 anos de ódio ao MST nas páginas de Veja

Revista Veja é a Mãe Dinah do PIG: Erra todas as previsões

Veja: O “jornalismo” ficcional mau caráter para leitores boimate

Veja produz seu segundo caso Boimate

Veja descobre que Brasil não acabou e pede: “Sorria!”

Resposta à Veja: Onde está o Brasil? Acorrentado ao poste, como aquele negro. A corrente é a mídia

Demóstenes da Veja vai para a cadeia?

É guerra: Veja manda recado cifrado ao PT

A Veja vendida a preço de banana mostra a agonia das revistas no Brasil

Novo rei da Veja deve R$55 mil de IPTU

A Veja São Paulo e o “Rei dos Coxinhas”

Veja abandona o crime e vai dedicar-se ao humor

Alckmin torra R$3,8 milhões da educação em assinaturas da Folha, Estadão e Veja

Em 1999, no (des)governo FHC, a Veja comemorou a vinda dos “doutores de Cuba”

Resenha desmonta livro de repórter da Veja contra José Dirceu

Jornalismo Wando: Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

O canibalismo comunista da Veja

Até a Forbes sabe que Veja se envolve em corrupção no caso Cachoeira

Breve explicação sobre como funciona nossa mídia

Assassinato de reputação: Erenice Guerra foi inocentada. Com a palavra a Folha e a Veja

Reinaldo Azevedo, o rola-bosta da Veja, faz previsões para as eleições 2014

Morte de Chavez: Época e Veja entre facciosismo e demonização

Só depois da posse de Haddad, a Veja percebeu que a cidade de São Paulo está um lixo

Para atacar Haddad, “Estadão” usa foto da guerra do Congo para ilustrar matéria

TJ/SP confirma direito de resposta a Luis Nassif contra Veja

Renan, o candidato da Globo e da Veja

PSDB usa Folha, Estadão, Globo e Veja para justificar ação contra Dilma

Veja lamenta a criação de 1,3 milhão de empregos em 2012

Luciano Martins Costa: A “barriga” de alto custo da Veja

O futuro da Abril e das grandes empresas de mídia

Associação de historiadores repudia “matéria” da Veja sobre Eric Hobsbawm

Niemeyer é homenageado pelo mundo, mas a Veja o chama de “idiota”


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.155 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: